jump to navigation

Prêmio internacional seleciona startups brasileiras para concorrerem a 20 mil euros 22 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Inovação.
add a comment

start up

Startups de Brasil, China e Portugal podem participar da terceira edição do programa de empreendedorismo Energia de Portugal 2014. Os interessados podem se inscrever até 9 de setembro. A empresa que tiver o projeto mais inovador levará o prêmio de 20 mil euros. O objetivo é encontrar projetos de tecnologia, cidades, produtividade, energia, mobilidade, inovação, ambiente, comunidade em clean tech nas cidades de São Paulo, Pequim e Lisboa, com a pré-seleção dos projetos por meio de aceleradores locais.

A competição será dividida em etapas regionais. Os 15 ganhadores locais serão convidados a participar de quatro bootcamps de aceleração em Portugal, pela Fábrica de Startups. A metodologia utilizada será a Fast Start. Depois, será a etapa do Investment Pitch, que contará com a presença de investidores, e que constitui a primeira final mundial do Energia Portugal.

Para mais informações, acesse o site aqui. http://expresso.sapo.pt/tem-uma-ideia-como-concorrer=f872699.

(Agência Gestão CT&I, com informações da Agência Fucapi)

Organizações beneficentes criam projetos com Google Glass 11 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Acessibilidade, Inovação, Internet.
add a comment

size_590_crianca-usa-google-glass

Google Glass: aparelho será usado para desenvolver projetos de caridade

 

Cinco associações sem fins lucrativos foram escolhidas pelo Google para colocar em prática ideias de como utilizar o Google Glass para atingir seus objetivos beneficentes.

Os ganhadores que vão participar do projeto do Google foram selecionados entre 1.300 propostas de organizações beneficentes dos Estados Unidos, e receberão da empresa 25.000 dólares cada um e orientação dos engenheiros da gigante da tecnologia.

As propostas vencedoras incluem o uso do Glass para que estudantes vejam por meio dos olhos de atletas paralímpicos, fomentando, assim, a empatia pelas pessoas com deficiência.

Outras ideias são estimular as crianças a aprender matemática e ciências, e melhorar a comunicação com as pessoas com autismo, perda de audição ou problemas com a fala.

O Google Glass -muito esperado por alguns e temido por outros- está à venda no mercado americano desde maio por 1.500 dólares.

O fabricante tenta melhorar a imagem do dispositivo, que tem despertado preocupações relativas à privacidade, já que o dispositivo é capaz de registrar imagens e vídeo.

O Google Glass se conecta à internet por meio de pontos Wi-Fi, ou por smartphones, sem necessidade de cabos. As imagens ou vídeos captados pelo dispositivo podem ser compartilhadas pela rede social Google +.

 

Font Fonte: Exame .PME 

Interessado?

Serviço: http://www.incubatic.com.br 

Fone: (81) 3224-1259 / (81) 3083-5587
incubatic@incubatic.com.br

 

Google lança ferramenta gratuita para pequenas empresas 10 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Empreendedorismo e Gestão Empresarial, Pequenas e médias empresas, Tecnologia da Informação.
add a comment

google

São Paulo – O Google anunciou o lançamento do Google Meu Negócio, uma plataforma gratuita voltada para donos de pequenas e médias empresas. “É possível cadastrar sua empresa no mundo online em cinco minutos”, afirma Alessandro Andrade, diretor de PMEs do Google.

A plataforma utiliza o Google Maps e o Google+ para gerar uma interface com os dados da pequena empresa. Com a ferramenta, o empreendedor também poderá monitorar quantas pessoas clicaram na sua página e aumentar o nível de engajamento com os consumidores.

O objetivo da solução é democratizar a presença online dos pequenos negócios de uma forma simples e barata. Empreendedores podem acessar a ferramenta por meio do computador ou do smartphone.

Nome da empresa, endereço, CEP, telefone e horário de funcionamento são as informações necessárias para se cadastrar.

De acordo com Andrade, um dos diferenciais do Google Meu Negócio é que o pequeno empresário poderá contar com uma equipe de consultores para tirar suas dúvidas por meio do telefone, e-mail, chat ou vídeoconferência. “Temos uma equipe de 60 pessoas que atua como consultores de marketing para ajudar os empreendedores”, conta.

Em um ano, a expectativa é de que a solução possa ajudar os 6 milhões de pequenos negócios brasileiros.

 

*Fonte: Exame-PME

Interessado?

Serviço: http:www.cysneiros.com.br (formulário de contato)

Fone: (81) 3445-2956
claudia@icomuni.com.br

O caminho certo para divulgar seu e-commerce 10 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Inovação.
add a comment

caminho

O caminho certo para divulgar seu e-commerce 
Respondido por Eric Santos, especialista em marketing digital

 

Já conhecemos bem o potencial do comércio online. Os consumidores brasileiros cada vez mais se adaptam a esse novo modelo de compra, que em 2014 deve movimentar 53,1 bilhões de reais, segundo o E-consulting.

É uma excelente oportunidade para empreendedores, mas se destacar em meio a tantos players de todos os tamanhos não é tarefa fácil. Na hora de criar a loja, a maioria se preocupa com aspectos tecnológicos e de design, mas esquecem de pensar em como vão atrair público. Aqui vão quatro passos para a sua loja se destacar em meio à multidão.

1. Invista em tráfego pago: as mídias pagas são muito importantes para trazer volume de tráfego qualificado. Uma grande vantagem para quem esta começando é que você pode ter bons resultados desde o primeiro dia de campanha. Os principais canais para se comprar mídia são o Google Adwords e o Facebook Ads.

No Google o usuário demonstra claro interesse no seu produto, enquanto no Facebook você busca despertar esse interesse em um grupo segmentado para o seu nicho de mercado.

Um ponto chave aqui é sempre medir os resultados. Você tem de ter consciência de quantas pessoas está atraindo e o lucro que elas estão efetivamente trazendo. Com isso em mãos, você poderá testar e ajustar as suas campanhas, cortando o que não for realmente lucrativo.

Em ambos os casos é interessante usar o retargeting, com isso você consegue “marcar” os usuários que já demonstraram interesse em algum produto da sua loja e começar a expor para eles ofertas relacionadas em outros sites.

2. Produza conteúdo e seja uma referência: a informação hoje vale muito, tanto para o usuário como para os mecanismos de busca. Apenas 5% das lojas online trabalham estratégias de conteúdo. Trazer comparações entre produtos e outras informações que agreguem valor para o consumidor irá te colocar como autoridade no tema.

É importante que os novatos foquem a produção de conteúdo. Ser referência em um nicho de mercado te posicionará bem nos motores de busca e atrairá mais tráfego para a sua loja.

3. Aposte em mídias sociais: as redes sociais possibilitam que você tenha um contato direto com os consumidores. Use-as para criar um relacionamento e gerar vendas.

Aproveite para criar promoções e conteúdos interessantes, que tenham apelo e estimulem a viralização. Clientes satisfeitos devem ser incentivados para que virem evangelizadores da sua marca. Premie as pessoas por exporem suas boas experiências de compra. Dessa forma você pode criar uma relação de lealdade e ainda crescer a sua base de contatos exponencialmente.

4. E-mail e automação de marketing: ao contrário do que muitos pensam, o e-mail marketing ainda traz ótimos resultados, tendo uma taxa de cliques muito maior do que as redes sociais (desde que feito adequadamente). No e-commerce ele deve ser usado para se relacionar e fidelizar. Clientes que compram com você mais de uma vez trazem lucro a um custo de aquisição muito menor do que um cliente novo. Use as informações que você tem para ofertar outros produtos e manter esses clientes ativos.

Uma boa prática para crescer sua base é oferecer algum benefício para o consumidor em troca do seu contato. Ferramentas de automação de marketing te possibilitam interagir de forma coerente e personalizada, trazendo um ótimo retorno sobre investimento se devidamente utilizado. O importante é utilizar os e-mails de forma segmentada e inteligente, entendendo o perfil e o momento de compra dos seus contatos. Interações não pensadas e fora de timing viram spam e prejudicam o relacionamento.

Eric Santos é especialista em marketing digital e CEO da Resultados Digitais.

 

*Fonte: Exame-PME

Interessado?

Serviço: http:www.cysneiros.com.br (formulário de contato)

Fone: (81) 3445-2956
claudia@icomuni.com.br

6 passos para vender mais pela internet 10 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Inovação.
add a comment

vender

6 passos para vender mais pela internet
Respondido por Eric Santos, especialista em marketing digital

 

“O que fazer com os leads que minha empresa gerou?” “Temos o contato de várias pessoas, mas qual é o próximo passo para torná-las clientes?” Essas dúvidas são bastante recorrentes empequenas empresas que usam estratégias de marketing digital e já têm – ou estão construindo – uma boa base de leads.

Isso acontece porque conseguir que pessoas deixem seus contatos no seu site não é o suficiente para garantir vendas – e contar apenas com o talento dos seus vendedores também é uma estratégia arriscada. É preciso criar um processo bem definido para atingir os resultados esperados.

Uma pessoa que preencheu um formulário no site da sua empresa pode estar em qualquer um dos seguintes estágios do processo de compra: interesse pelo tema/aprendizado, descoberta do problema/oportunidade, avaliação de soluções e comparação de alternativas/fechamento. Bons vendedores – com a ajuda de ferramentas adequadas – conseguem entender rapidamente o estágio e adequar a sua abordagem para garantir máxima receptividade no contato.

1. Filtro (Lead Scoring): Se a sua empresa gera um bom número de leads mensalmente, é preciso estipular um filtro e alinhar entre as equipes de marketing e vendas qual é o perfil adequado para um lead estar pronto para ser abordado para a venda. Com isso, evitamos passar para os vendedores Leads ruins ou muito imaturos.

2. Pesquisa: O vendedor precisa saber com quem estará falando para elaborar uma abordagem mais direcionada para cada potencial cliente. É importante procurar informações na internet sobre a pessoa (seu cargo, interações com a sua empresa, número de conversões) e sobre o seu negócio.

3. Conexão: Estabeleça uma conversa rápida, primeiramente para avaliar melhor se o lead realmente tem potencial e quais são seus problemas e necessidades.

4. Avaliação: O vendedor entende mais a fundo as dúvidas, interesses e a situação do lead e explica como o seu produto ou serviço pode ajudá-lo a resolver suas necessidades.

5. Apresentação: Aqui é feita a apresentação da solução (produto ou serviço). Em alguns casos pode ser feita uma demonstração, acordado um período de amostra grátis para teste, entre outras possibilidades.

6. Negociação e Fechamento: comece as conversas sobre pacotes, valores, opções de pagamento, etc. Se tudo correr bem, a venda é realizada.

Eric Santos é especialista em marketing digital e CEO da Resultados Digitais.

 

*Fonte: Exame-PME

Interessado?

Serviço: http:www.cysneiros.com.br (formulário de contato)

Fone: (81) 3445-2956
claudia@icomuni.com.br

Como as mídias sociais revolucionaram o SAC 10 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Inovação.
add a comment

call

Como as mídias sociais revolucionaram o SAC 
Respondido por Eric Santos, especialista em marketing digital

 

Por muitos anos o canal padrão para os clientes fazerem reclamações ou tirarem dúvidas com as empresas foi o teleatendimento. Todos nós já vivemos várias frustações sendo atendidos por serviços que tomam nosso tempo, ineficientes e, por vezes, até desonestos.

As redes sociais têm afetado bastante essa dinâmica. Temos inúmeros casos em que as experiências dos clientes com as empresas – para o bem ou para o mal – são amplificadas e viralizadas. Levadas principalmente pelo medo de uma reação negativa, as empresas estão aprendendo a monitorar com afinco as redes sociais e agir de forma mais adequada para resolver o problema do cliente.

Os consumidores também estão aprendendo que usar as mídias sociais como canal de atendimento tem sido muito mais eficiente do que ligar para o 0800 da empresa. Resultados: as redes sociais viraram um dos principais canais de Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC).

Essa mudança impõe às pequenas empresas um desafio: saber utilizar a oportunidade para atender com excelência, tirar dúvidas e reconhecer os erros.

Lidar com a disseminação da informação em um ritmo mais rápido do que nunca faz com que as empresas se forcem a ser bem mais eficientes na resolução do problema. Agir rápido, além de agradar ao cliente, evita manchar a reputação bem como conviver com as implicações judiciais que o mal atendimento poderia provocar.

Quem explora bem esse dinamismo larga na frente. O atendimento bem feito nas redes sociais possibilita uma conexão no nível emocional, podendo transformar a impressão de um problema em uma ótima experiência de atendimento.

Na prática, o que a empresa precisa fazer é garantir um bom monitoramento dos diferentes canais através de um software adequado, estabelecer uma prática de atendimento rápido e eficiente (e realmente resolver o problema do cliente) e ter uma forma pré-definida de lidar com situações onde a reclamação pode fugir do controle.

Há diferenças entre o monitoramento de grandes marcas e pequenas empresas. As grandes geralmente precisam medir enormes volumes de menções, fazer análises quantitativas de “sentimento”, tirar relatórios detalhados, entre outros. Em essência o que uma PME precisa fazer é garantir um bom monitoramento e agir quando for necessário, já que o número de interações diárias é muito menor. Mantenha a prática simples para garantir a sua aplicação no dia a dia.

Eric Santos é especialista em marketing digital e CEO da Resultados Digitais.

 

*Fonte: Exame-PME

Interessado?

Serviço: http:www.cysneiros.com.br (formulário de contato)

Fone: (81) 3445-2956
claudia@icomuni.com.br

Sua empresa precisa de uma equipe de marketing digital? 10 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Inovação.
add a comment

iphone

Sua empresa precisa de uma equipe de marketing digital?
Respondido por Eric Santos, especialista em marketing digital

Muitas pequenas empresas que estão vendo o potencial do marketing digital se perguntam o que vale terceirizar ou não fazer e o que vale absorver e criar com uma equipe própria. Para responder a essa dúvida, é importante quebrarmos e analisarmos separadamente algumas das principais atividades do marketing digital.

Há empresas que confiam praticamente 100% do seu marketing digital a uma agência e se limitam a acompanhar alguns relatórios periódicos. Esse é um risco grande. Normalmente nenhum terceiro tem o conhecimento de mercado que sua empresa tem e essa falta de suporte pode ser desastrosa.

De forma geral, recomenda-se que algum gestor dedique-se pelo menos parcialmente à área de marketing digital. A gestão e estratégia sempre precisam de um direcionamento que vem de dentro da empresa.

Em mídias sociais, é improvável que alguém de fora toque perfeitamente o relacionamento por conta própria. Se a empresa já possui uma audiência grande e essa necessidade de interação é muito recorrente, faz sentido fazer internamente, mesmo que um funcionário se dedique apenas parcialmente a isso.

A produção de conteúdo é uma tarefa que exige tempo e, quando não é central na empresa, pode acabar sendo terceirizada sem muitos problemas.

Vale a pena cuidar internamente quando é necessária uma profundidade técnica grande. Se o budget for problema para ter alguém na função ou contratar um terceiro, uma saída é distribuir a responsabilidade de escrever para vários funcionários da empresa, tornando a tarefa mais viável para todos. Ter alguém experiente na empresa fazendo o papel de editor é essencial para bons resultados.

De todas as tarefas do marketing digital, a compra de mídia provavelmente é a opção mais terceirizada entre as empresas. Como não é fácil encontrar profissionais com essa experiência, a escolha faz bastante sentido. Vale internalizar quando a empresa está investindo uma quantia extremamente alta.

Se o modelo de negócios se baseia muito em marketing digital para aquisição de clientes, pode ser muito arriscado manter a operação terceirizada. Também vale pensar na questão de custos: quando a demanda é relativamente pequena, é mais barato contar com a estrutura de um terceiro.

Nos casos em que a empresa decide internalizar, contar com o apoio de consultorias especializadas e treinamentos é essencial para tornar a equipe 100% capacitada, já que nem sempre é simples encontrar profissionais prontos para essas funções.

Eric Santos é especialista em marketing digital e CEO da Resultados Digitais.

*Fonte: Exame-PME

Interessado?

Serviço: http:www.cysneiros.com.br (formulário de contato)

Fone: (81) 3445-2956
claudia@icomuni.com.br

8 ferramentas para medir seus resultados em marketing 10 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Inovação.
add a comment

marketing

 

Passei boa parte da minha vida profissional ouvindo a máxima que Informação é poder, se fosse verdade os bibliotecários(as) seriam as pessoas mais poderosas do mundo. Nos dias atuais Execução é poder. Li um interessante livro cujo título é: Obrigado pela informação que você me não me deu.

Pura verdade… As empresas produzem relatórios cada vez mais sofisticados com um conjunto cruzado e variado de informações que não temos condições mentais de processá-los, sobretudo de agir sobre estas informações e promover ações imediatas. Como executivo, planejo investimentos em marketing para capturar clientes e me deparo com a necessidade diária de mensurar estes investimentos.

Hoje não tem desculpa para não medir a origem de todos os clientes que se relacionam com sua empresa, existem dezenas de programas gratuitos e alguns pagos que lhe relatam a origem de cada centavo investido em marketing. Os programas que estou recomendando produzem uma infinita possiblidade de informações, no entanto não se deixe seduzir pela amplitude, defina no máximo 10 métricas que você julgue estratégicas e que possa atuar sobre elas, melhorando a otimização dos investimentos.

Estas informações não devem lhe servir somente de apoio, mas sim de iluminação e inspiração para deixar os seus investimentos de marketing cada vez mais eficientes. Vamos a elas:

1. Google Analytics (Gratuito): Ferramenta para acompanhamento dos fluxos de navegação e interações dentro das plataformas digitais da marca, como sites e hotsites. Através de seus relatórios é possível identificar as páginas mais acessadas, áreas de maior interesse, desempenho do processo de compra e frequência do acesso, por exemplo. Uma das possibilidades mais interessantes é a de identificação da origem do acesso – seja de mídia paga ou orgânica.

2. Adservers (Pago): São ferramentas para tracking de mídia online que permitem acompanhar o volume entregue, identificar a cobertura, alcance e frequência dos impactos, além de permitir realizar otimizações em tempo real. Comumente possuem negociações baseadas no volume de entrega da mídia (CPM).

3. Facebook Insights (Gratuito): Ferramenta do próprio Facebook disponibilizada para quem gerencia uma página corporativa na rede social. Permite o acompanhamento do alcance das ações, número de interações e performance das publicações.

4. Seekr (Pago): Ainda relacionado às redes sociais, existem ferramentas que auxiliam na gestão dos canais sociais da marca, controle das interações com os usuários e mapeamento das menções espontâneas sobre a empresa, como o Seekr, que tem como modelo negócio a assinatura mensal/anual.

5. comScore (Pago): Ferramenta de planejamento de mídia online que permite acompanhamento da audiência e avaliação do perfil dos usuários que acessam um determinado site ou página. Auxilia tanto para a escolha de veículos para a compra de mídia, quanto para o acompanhamento dos concorrentes.

6. Google Insights for Search (Gratuito): Serviço do Google que indica tendências de busca de usuários sobre determinados assuntos e palavras-chave. Apesar de bastante simples, pode ser valiosa para identificar comportamentos de busca dos usuários, como sazonalidade e intensidade.

8. Intelimidia (Pago): Serviço de tracking de telefone para avaliação de performance de campanhas offline através do volume de ligações geradas através de um determinado anúncio/veículo.

 

*Fonte: Exame-PME

Interessado?

Serviço: http:www.cysneiros.com.br (formulário de contato)

Fone: (81) 3445-2956
claudia@icomuni.com.br

 

Os primeiros passos para criar uma startup 10 julho, 2014

Posted by robsonicomuni in Empreendedorismo e Gestão Empresarial, Pequenas e médias empresas.
Tags:
add a comment

startup   Os primeiros passos para criar uma startup

Antes de decidir empreender, a primeira coisa que você deve pensar é se você está realmente pronto para começar. Isso está relacionado tanto ao seu momento de vida, uma vez que sua família será totalmente envolvida, quanto ao seu estado financeiro.

1. A fase inicial é basicamente sustentada via bootstrap, e muito provavelmente você passará de 12 a 18 meses sem ganhar dinheiro, o que transcende a questão da empresa e cruza a linha entre sua vida profissional e pessoal.

2. Comece seu processo de aprendizado. Existe um conjunto de livros, blogs e treinamentos pessoais e à distância que pode te ajudar. Mas principalmente faça uma reflexão sobre quais são as suas lacunas e o que você realmente precisa aprender. E isso você não vai descobrir sozinho, é preciso buscar mentoria.

3. Olhe a sua rede de contatos e busque pessoas que estejam ligadas direta ou indiretamente a empresas de tecnologia. Marque quantos cafés e almoços forem possíveis e entenda a trajetória de cada uma delas. Se possível, consiga com que um ou mais deles se torne seu mentor formal.

4. Encontre sócios. É quase impossível empreender sozinho e muito difícil quando se tem os sócios errados (provavelmente seus amigos). Normalmente, a cabeça de sua empresa deve ser formada por um tripé com o hacker, o vendedor e o designer de produto. Entenda qual desses papéis você assumirá e busque outros dois para assumir as responsabilidades restantes, pois equipes sem equilíbrio não saem do lugar.

5. Só agora é o momento de decidir em qual segmento você vai trabalhar. São duas as principais abordagens: a primeira é a chamada arbitragem de ideias, na qual você pega um segmento que já teve crescimento disruptivo fora do Brasil e tenta implementar a ideia por aqui. É o que faz a Rocket Internet, por exemplo. A segunda opção é olhar a sua vida profissional e perceber o que é que você realmente entende. E aqui vale lembrar que não é o que você gosta, mas do que você entende. Se você gosta de moda, mas entende de logística, abra uma empresa relacionada à logística. Faça então uma validação de oportunidade e se pergunte se o mercado é grande o suficiente para que a pequena parte dele que você terá acesso justifique sua startup.

6. Aprenda a fazer descoberta de produto e cliente (customer e product discovery). Você deve encontrar um problema muito sério, que alguém pague para resolvê-lo. Busque fazer antibióticos e não vitaminas. A partir destes testes e respostas, desenvolva protótipos de cada vez mais alta fidelidade até que você chegue ao seu produto mínimo viável. Vá iterando até conseguir tração e lembre-se que não há erro pior do que construir muito bem alguma coisa que ninguém quer usar.

7. Forme sua caixa de ferramentas do empreendedor Lean (enxuto), procurando usar nuvem, software opensource, SaaS (software as a service) e controle de caixa e competência baseado em planilha. Entenda também quais são as variáveis financeiras do seu negócio. Se for varejo, por exemplo, essa variável é a relação entre sua margem líquida e o custo de aquisição. Se for um SaaS, é a relação entre o custo de aquisição e o valor gerado pelo cliente no ciclo de vida dele, considerando a taxa de churn (perda de clientes).

8. Controle seu burn rate, ou seja, a quantidade de dinheiro que você “queima” mensalmente. Faça uma conta simples: divida o tanto que você tem no banco mais o que você potencialmente gerará por mês por este número para saber quantos meses de vida você tem. O processo de busca de uma rodada de financiamento não dura menos que seis meses, e se o dinheiro for acabar você tem que fazer caber um plano de fechamento. E lembre-se de que a trajetória é sempre de aprendizado. Empreender é uma corrida de resistência, e não de velocidade. Pode ser que você quebre, e se isso acontecer, tenha a garantia de que você conseguirá juntar os pedaços e tentar de novo, pois sua chance de sucesso aumenta consideravelmente a cada erro e principalmente depois da primeira viagem.

Font Fonte: Exame .PME 

Interessado?

Serviço: http://www.incubatic.com.br 

Fone: (81) 3224-1259 / (81) 3083-5587
incubatic@incubatic.com.br

10 ferramentas de marketing online para empreendedores 10 julho, 2014

Posted by Flammarion Cysneiros in Inovação, Marketing Digital.
add a comment

Descubra 10 ferramentas de marketing online e as utilize para criar ou reinventar o seu negócio na internet.

Mkt Online Cysneiros

Crescer no mundo digital é um grande desafio. Para quem está começando, os recursos são escassos e, às vezes, não se pode contratar um departamento de marketing inteiro para dar conta de fazer a marca ter voz na internet.

Como achar seus clientes? O que falar com eles? Como gerar tráfego e aparecer nas buscas? Com algumas ferramentas – grátis ou baratas – é possível acertar o tom e alavancar as vendas do seu serviço ou produto. Selecionei 10 softwares que funcionam na nuvem (online), sem a necessidade de instalar no computador, para te ajudar neste serviço importante para projetar sua marca no futuro.

1. WIX – Site fácil

Sua marca está pronta, seu produto ou serviço é de primeira classe, mas você não tem um site para ser encontrado na internet – ou o seu é antigo, ultrapassado. O Wix é um serviço de criação de site, hospedagem e domínio. Oferece muitas categorias de templates e é possível editar ali mesmo, na plataforma. Veja também o Yola!

2. PowToon – Vídeos animados

Às vezes um vídeo com uma animação simples faz milagres para o entendimento do seu produto ou serviço. No PowToon você não precisa de muito talento pra se resolver sozinho. Teste também o Video Scribe.

3. Survey Monkey - Pesquisas

Nada melhor como ouvir seus cientes para oferecer um produto – ou serviço – cada vez melhor a eles. A versão gratuita do SurveyMonkey permite até 100 respostas por questionário. Se você precisar de mais, os planos começam em US$ 24 por mês. Para uso mais geral de formulários online, tente o Wufoo.

4. Quick Sprout - Análise de sites

Não sabe avaliar se seu site está se saindo bem em buscas ou se tem boa performance? O Quick Sprout faz isso para você, aponta erros, sugere correções e ainda compara com três concorrentes para você melhorar seu tráfego orgânico. Use também o MOZ Open site Explorer.

5. Mail Chimp - Envio de e-mails

Você construiu um bom mailing e gostaria de mandar novidades para esse pessoal, mas não sabe como fazer isso sem pagar uma empresa especializada em disparar e-mails marketing. O MailChimp dispara para até 2.000 emails e disponibiliza templates que te ajudam a construir uma newsletter profissional – incluindo testes A/B. Tente também o Mad Mimi.

6. SEM Rush – Análise de palavras chave

Descubra que palavras chave os seus concorrentes estão comprando e monte um plano de Adwords a prova de bala com o SEM Rush. O SpyFu é uma ótima alternativa

7. Resultados Digitais - Marketing digital

Plataforma brasileira completa que ajuda a criar tráfego para seu site, a entender seu público e a criar conteúdos de interesse para ele. Indicado para geração de leads e vendas. Uma alternativa ainda mais completa, e bem mais cara, é o HubSpot.

8. Fábrica de Aplicativos - Para fazer um app mobile

A Fábrica de Aplicativos é uma plataforma online brasileira que te ajuda a criar aplicativos simples (conteúdo, localização, preços, etc.) e você nem precisa entender de código e programação. Assim sua marca estará mais acessível aos clientes. Teste também o Mobile Roadie.

9. Zendesk - Atendimento ao cliente

Montar um sistema de atendimento ao cliente pode sair muito caro, por isso soluções como o Zendesk, uma plataforma de atendimento via múltiplos canais (chat online, e-mail e redes sociais), ajudam a manter um contato cuidadoso com quem faz sua empresa crescer. Tente também oDesk.

10. LaunchRock - Em breve!

Ainda nem começou, mas quer saber o interesse das pessoas pelo seu negócio ou por um conceito. Faça uma página rápida e simples com o Launch Rock e comece a capturar leads. Tem também o Launch Soon.

 

*Fonte: Exame-PME

Interessado?

Serviço: http:www.cysneiros.com.br (formulário de contato)

Fone: (81) 3445-2956
claudia@icomuni.com.br

 

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.019 outros seguidores