Workshop e Consultoria em Marketing Digital Ferramentas Práticas


Marketing Digital para Negócios - Workshop e Consultoria Ferramentas Práticas

Marketing Digital na prática para atrair novos clientes e alavancar Vendas.

Fatos relevantes:

  • Cresce o número de pessoas conectadas e audiência na internet
  • As pessoas consultam a internet antes de contratar produtos e serviços
  • Importante criar novos canais de relacionamentos de baixo custo com seus clientes.
  • A taxa de sobrevivência das micro e pequenas empresas que investem em marketing digital é maior.
  • A maior dúvida é sempre como começar e quais as ferramentas digitais utilizar. É o que oferecemos com workshops práticos + consultoria.

 

 

Público Alvo:

  • Empreendedores e Empresários que pretendem alcançar e atrair novos clientes para a sua empresa

 

Duração:

  • 1 hora (em casos especiais pode ser até 2 horas)

 

Palestrante:

  • Flammarion Cysneiros Jr.
  • Consultor Sênior de Inovação e Empreendedorismo (SEBRAE)
  • Mestrando em Inovação e Desenvolvimento (FG – Laureate University)
  • MBA em Empreendedorismo e Gestão Empresarial (FGV/SENAC/SEBRAE)
  • Sócio da Cysneiros e Consultores Associados
  • Ministrou mais de 100 palestras em todo Brasil e América Latina.

Flammarion-Cysneiros-Palestrante-Consultor

Recursos necessários:

  • Data-show
  • Flipchart
  • Caixa de som e microfone
  • Internet Wi-fi (Ferramentas práticas de marketing Digital)

Contratação:

  • Boleto ou depósito bancário
  • Banco Itaú: Agência: 3175 | Conta Corrente: 11024-0
  • Cysneiros e Consultores Associados
  • Cnpj: 05.826.156/0001-40

 

Contatos e reservas:

Leve para sua cidade ou empresa.

Tendências e Inovação no Varejo


ACA-Online-Inovacoes-no-Varejo-Flammarion-Cysneiros

ACA

Comércio em Ação ACA | SENAC | SEBRAE

Palestrante: Flammarion Cysneiros

A internet revolucionou muita coisa nos últimos anos. E uma delas foi a forma de encontrar produtos e serviços. O que antes se encontrava pela lista telefônica agora se procura no Google.

O Google, por sua vez, entrega ao internauta uma gama de informações sobre o assunto pesquisado. Isso tem elevado o nível de exigência do consumidor sobre os produtos que compra. O consumidor agora não aceita mais só a informação fornecida pelo vendedor…. agora ele vai às compras munido de informações sobre as especificações dos produtos que quer adquirir.

“E aí apenas ter conhecimento sobre as especificações técnicas dos produtos … já não surpreende o consumidor. E consumidor gosta de ser surpreendido! É preciso inventar, imaginar, inovar na forma de atender esse novo tipo de cliente!” Afirma Flammarion Cysneiros, da Cysneiros Consultores Associados.

Por isso, estar antenado com informações atualizadas sobre a constante evolução das práticas de consumo, é fundamental. Ou seja, é preciso buscar conhecimento sobre o mercado e as formas de abordagens desse consumidor.

Segundo Flammarion, “públicos diferentes tem necessidades diferentes.” E é preciso ficar muito atento a esse conceito para oferecer o produto certo, para o consumidor certo da maneira que ele quer receber. “O que o cliente quer é uma melhor experiência de compra”. Completa Flammarion.

E é aqui onde a inovação se encontra com o varejo:

Como inovar para esse público cada vez mais exigente?

Como inovar para um público que a cada dia tem experiências de compra mais inovadoras?

As perguntas dão difíceis de responder! Mas, o consultor da Cysneiros, deixou 11 dicas básicas que podem auxiliar a formatar ideias inovadoras e possíveis de serem aplicadas.

1 –  Sair para vender – existem várias formas de levar o produto até o cliente.

2 –  Faça reuniões breves com a sua equipe de atendimento – ouça quem está em contato direto com o seu cliente.

3 –  Compre bem – negocie valores com fornecedores.

4 –  Esteja na internet – isso é fundamental nos dias de hoje.

5 –  Expanda o negócio – encontre nichos de mercado que ainda não foram explorados.

6 –  Atente aos mínimos detalhes – pois os clientes estão cada vez mais exigentes.

7 –  Personalize o atendimento para os diferentes públicos que atende.

8 –  De vez em quando, saia da retaguarda e vá conversar e ouvir o que o seu cliente tem a dizer sobre o seu negócio.

9 –  Crie formas inusitadas de se comunicar com o seu cliente.

10 –  Escreva sobre sua empresa- formalize as normas de conduta e atendimento ao cliente.

11 –  Inove! Se renove sempre!

Fonte: http://www.acaonline.com.br/tendencias-e-inovacao-no-varejo/

Leve essa palestra para sua cidade!

Palestra Tendências e Inovações no Varejo
Consultor: Flammarion Cysneiros
Cv. Lattes: http://bit.ly/lattesFlammarion
E-mail: contato@cysneiros.com.br
Fone: (81) 3052-1775
www.cysneiros.com.br

 

A Lógica do Consumo mais emocional que racional.


Neuromarketing consumo flammarion Cysneiros e consultores razao e emocao 001

1. MEDO
Se você não comprar, seu mundo vai acabar. Usar medo e punição para vender é uma arma poderosa, que se enraíza em nossos instintos de sobrevivência e controle do ambiente. Ninguém quer passar por dificuldades por causa de uma decisão errada na hora de gastar. Tocar o terror lembra você disso. E a razão está em um mecanismo do seu cérebro – os chamados “marcadores somáticos”, descritos pela primeira vez pelo neurocientista português António Damásio. Esses marcadores são atalhos que nos ajudam a fazer escolhas com base naquilo que já vivemos ou sabemos, tornando automáticas nossas ações do dia a dia. Por exemplo, não colocamos a mão no fogo porque o cérebro aprendeu que isso provoca dor. O marcador para “fogo” é associado ao marcador “dor”, e isso nos livra de ter que raciocinar toda vez que chegamos próximo a uma fogueira. A estratégia do medo usa esse mecanismo, segundo Martin Lindstrom, autor de A Lógica do Consumo.

“Chega de lágrimas”
Há mais de 50 anos, a Johnson & Johnson usa esse bordão nas campanhas do seu xampu infantil. Já o antisséptico Merthiolate repete o slogan “não arde”, em oposição à sua antiga fórmula dolorosa.

“Pirataria é crime”
A indústria audiovisual brasileira não se atualizou na velocidade dos downloads piratas. Qual a estratégia então? Campanhas voltadas para o medo da punição e para a chantagem emocional: dar o troco para o dvd pirata em balas de fuzil ou mostrar o pai de família ouvindo do filho que copiar a lição do coleguinha não tem problema.

Vai que…”
O bordão da recente campanha da Bradesco Seguros parte para o medo do futuro. Aqui, o importante não é se diferenciar da concorrência, mas lembrar das incertezas da vida – e dizer que está ali pronta para ajudar.

racionais-ou-emocionais consumo flammarion Cysneiros e consultores razao e emocao 001

2. RELIGIÃO
Faça suas orações, pois você está prestes a gastar. Para conquistar consumidores fiéis, algumas campanhas publicitárias atribuem a marcas elementos característicos de uma religião: pertencimento a um grupo, missão definida, histórias e fábulas envolventes, inimigo definido, líder carismático, pregação, mistério, símbolos e rituais. A ideia é simples: o que importa na hora de comprar não são as características do produto, mas a fé na marca e a esperança de ter uma experiência transcendental ao entrar para seu rebanho de consumidores. E a coisa funciona mesmo. Uma pesquisa realizada por cientistas das Universidades de Montreal, Canadá, e Warwick, Inglaterra, com 2 mil pessoas mostrou que marcas fortes desencadeiam na cabeça dos consumidores a mesma atividade cerebral que a reza engatilha em freiras carmelitas.

Pertencimento ao grupo
O slogan “Eu sou brahmeiro”, da Brahma, deixa claro: quem bebe essa cerveja tem comportamento e valores próprios, que o diferenciam de outras pessoas. É algo importante para o brahmeiro, mas que pouco diz, por exemplo, sobre a bebida.

O messias e o templo
Possivelmente a Apple seja a marca que mais se assemelha a uma religião. Vazamentos de informação industrial alimentam uma aura de mistério em torno da próxima iCoisa. Isso só se resolve quando Steve Jobs surge inesperadamente para a grande revelação. Em seguida, consumidores partem em peregrinação às lojas-templo da marca.

Missionarismo
A campanha “Existem razões para acreditar”, da Coca-Cola, divide o mundo entre uma maioria de pessoas boas (com as quais ela se identifica) e uma minoria má, responsável por guerras, poluição e corrupção. Aqui, o foco não é mostrar o produto, mas estar do lado do bem e inspirar otimismo. Para isso, não faltam coral infantil, cenas de aniversário e imagem do sol estourado no céu azul.

 

velvetines consumo flammarion Cysneiros e consultores razao e emocao 0033. PRESSÃO DO GRUPO
Você pode não gostar de um produto, mas basta notar que as pessoas à sua volta acham o contrário para você pensar duas vezes. Somos muito influenciáveis, e mostrar que várias pessoas já aprovam algo é uma maneira de vender sem necessariamente falar do que está à venda, segundo David H. Schaefer, professor de administração e marketing no Sacramento College. Uma das explicações é que certas áreas do nosso cérebro ativadas quando nos sentimos bonitos ou temos dor também são ativadas ao observarmos alguém na mesma situação.

“Beleza real”
A campanha da Dove que mostrava mulheres fora do padrão de beleza de celebridades era um recado da Unilever: você pode usar também, como todas essas pessoas do mundo real.

“Todo mundo adora”
Mais direto que esse bordão de uma campanha recente da montadora Volkswagen, impossível. Ao apelar para a popularidade, ela espera que você se renda também, sem partir para argumentos mais racionais.

“A marca no 1 em recomendação dos dentistas”
O slogan da Oral-B é um clássico das marcas de escovas e pastas de dente. Se os dentistas recomendam, por que nós iríamos discordar? Assim fica fácil a Maria ir com as outras. Mas quem são esses dentistas? Quantos deles recomendam? Isso não fica em primeiro plano.

piramide-nova-maslow - consumo flammarion Cysneiros e consultores razao e emocao 001.png

consumo flammarion Cysneiros e consultores razao e emocao 0014. HUMOR
A publicidade brasileira é craque em fazer anúncios com humor ou coisas absurdas. A intenção é criar uma boa lembrança de seus produtos. Você se lembra da piada, dá uma risada e a associa, ainda que inconscientemente, à marca. Não que você sairá comprando porque achou uma sacada engraçada. Mas a decisão de compra é influenciada por fatores irracionais como essa lembrança. Martin Lindstrom explica em A Lógica do Consumo que todo dia novos marcadores são acrescentados ao nosso cérebro e as empresas estão na disputa para entrar nesse arquivo de atalhos mentais. A estratégia, então, é criar uma situação memorável que será associada ao “marcador” do produto. O único cuidado é para não cair em campanhas em que a piada é memorável, mas a marca, não.

Adocica, meu amor…
Você não precisa nem gostar de cerveja para se lembrar do personagem de blazer de ombreira e sunga de crochê em um churrasco. Claro, falar da cerveja Skol não é o foco – a marca já está associada a algo memorável.

Cachorro-peixe
A história do moço que tem um animal imaginário híbrido de cachorro e peixe é memorável pelo absurdo. Mas o carro Space Fox, que estava sendo anunciado, aparece em ação somente nos últimos 6 segundos.

Tio da Sukita
Um homem de meia-idade tenta, sem sucesso, bancar o galã com sua vizinha mais nova de prédio. O comercial virou febre no final dos anos 1990, e o personagem do “tio” continua sendo lembrado.

cerebro consumo flammarion Cysneiros e consultores razao e emocao 0015. DESVIO DA ATENÇÃO
Quem anuncia quer atenção, certo? Nem sempre. Uma técnica importante para quem quer vender é desviar a atenção do produto. Isso acontece porque alguns deles têm algo de desagradável ou inconveniente. Em As Mentiras na Propaganda e na Publicidade, Guy Durandin, professor de psicologia social da Universidade Paris 5, diz que, no final dos anos 1970, as companhias aéreas descobriram, por meio de estudos psicológicos, que seus passageiros tinham sentimentos angustiantes de separação e perigo. Elas passaram, então, a focar em outros aspectos não relacionados ao voo, como o conforto da classe executiva e a ausência de escalas. Isso pode acontecer com qualquer produto. A ideia é diluir coisas que possam estimular sentimentos negativos.

Estilo de vida
Nos anos 1980 e 1990, as campanhas do cigarro Free incluíam frases que beiravam a filosofia de boteco e imagens de um estilo de vida bacana – pintores e músicos em seus estúdios, jovens na praia… Nisso, o lado negativo do cigarro ficava em segundo plano.

Alfredo…
A imagem de um cachorrinho comunica muito mais fofura do que qualquer descrição de papel higiênico. Mas pétalas de rosa, coelhinhos, elefantinhos e o Reynaldo Gianecchini vestido de mordomo também desviam o consumidor da, digamos, finalidade do produto.

apple consumo flammarion Cysneiros e consultores razao e emocao 0026. REFLEXO
Se você comprar, vai se sentir como as pessoas da propaganda. O mecanismo usado pelos anúncios com celebridades é o dos neurônios-espelho – aqueles que fazem refletir na gente aquilo que outros experimentam. Aqui, pouco importa o que o produto tem a oferecer em termos práticos, mas sim a capacidade do anúncio de reproduzir sentimentos. Para a publicidade, portanto, a importância de quem aparece é grande. Os garotos-propaganda têm que ser modelos não só de beleza, mas de sucesso, talento e ficha-limpa. Ídolos por definição.

O craque
Kaká é usado como garoto-propaganda da Gillette para homens se espelharem no meia do Real Madrid. Diante disso, pouco importa saber em que a marca é melhor que a concorrência.O virtuose
Em anúncios de instrumentos musicais, quase todas as marcas usam a imagem e o testemunho de músicos consagrados – os chamados endorsers, como o falecido Jimi Hendrix, no caso das guitarras Fender. A ideia não é apenas que esses ídolos aprovam a marca, mas que você também poderá se sentir um virtuose da música se comprar seus instrumentos.

A musa
Anúncios de produtos para cabelo, como este da linha Clear, mostram modelos com fios que nenhum ser humano normal é capaz de manter.

Saiba mais
A Lógica do Consumo
Martin Lindstrom, Nova Fronteira, 2009

 

Palestra:

Tendências e Inovações no Varejo no Brasil e no Mundo

Palestra Tendencias e Inovacões no Varejo 2016 - ACA - Flammarion Cysneiros

Contatos e reservas:

Leve para sua cidade!

Palestra: Tendências e Inovações no Varejo no Brasil e no Mundo


Palestra Tendencias e Inovacões no Varejo 2016 - ACA - Flammarion Cysneiros

Fatos relevantes:

  • O Varejo precisa se reinventar
  • Os clientes ditam como querem consumir
  • Precisamos fazer diferente
  • Novos nichos de mercado e oportunidades surgem a todo instante
  • Você está preparado?

 

Temas abordados:

Essa palestra se aplica perfeitamente para o momento em que os empreendedores precisam usar a criatividade e de inovações para reinventar a forma de vender no varejo.

 

» 5 lições do varejo americano para empreendedores brasileiros

» Menos crise e mais readequação

» 3 Tendências Definitivas para o varejo brasileiro

» As 5 Tendências de Consumo de 2016

» As 6 Tendências do Varejo para 2016

 

Público Alvo:

  • Empreendedores e Empresários que pretendem, inovar para um varejo mais eficiente que possibilite alcançar e atrair novos clientes e converter vendas.

 

Duração:

  • 1 hora (em casos especiais pode ser até 2 horas)

 

Palestrante:

  • Flammarion Cysneiros Jr.
  • Consultor Sênior de Inovação e Empreendedorismo (SEBRAE)
  • Mestrando em Inovação e Desenvolvimento (FG – Laureate University)
  • MBA em Empreendedorismo e Gestão Empresarial (FGV/SENAC/SEBRAE)
  • Sócio da Cysneiros e Consultores Associados
  • Ministrou mais de 100 palestras em todo Brasil e América Latina.

Flammarion-Cysneiros-Palestrante-Consultor

Recursos necessários:

  • Data-show
  • Flipchart
  • Caixa de som e microfone
  • Internet Wi-fi (Para divulgação marketing Digital)

Contratação:

  • Boleto ou depósito bancário
  • Banco Itaú: Agência: 3175 | Conta Corrente: 11024-0
  • Cysneiros e Consultores Associados
  • Cnpj: 05.826.156/0001-40

Contatos e reservas:

Leve para sua cidade!

Consultoria em Design Thinking para Criar e Inovar nos Negócios


Você quer otimizar a sua Gestão em apenas 4 fases?

 

Experimente o DESIGN THINKING

 


Por que DESIGN THINKING?

 

Adotado por indivíduos e organizações no mundo dos negócios, o Design Thinking tem visto sua influência crescer entre diversas disciplinas na atualidade, como uma forma de abordar e solucionar problemas.

 

No Brasil sua influência na maneira de grandes empresas pensarem a inovação tem crescido, com grandes players como o Itaú, Bradesco, Whirlpool, Mapfre e outros desenvolvendo capacidades de gestão empresarial.

 

“Métodos gráficos ajudam empresário a testar negócio
Ferramentas de baixo custo identificam gargalos, possibilidades e lacunas”
FSP de 2/12/2013
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/12/1379321-metodos-graficos-ajudam-empresario-a-testar-negocio.shtml

 

Como surgiu o DESIGN THINKING?

 

O DESIGN THINKING (“modo de pensar graficamente”) foi desenvolvido pela SAP em parceria com a Universidade de Stanford/EUA, como abordagem que coloca as pessoas no centro da geração de soluções e resultados de impacto.

 

O que é o DESIGN THINKING?

 

DESIGN THINKING implica em quebrar mesm!ce

 

DESIGN THINKING ajuda a “pensar e atuar fora da nossa caixa”

 

DESIGN THINKING utiliza a criatividade de forma colaborativa em equipes multidisciplinares, na busca de diversas perspectivas para a solução de problemas.

 

DESIGN THINKING é uma abordagem que eleva o nível de inovação.

 

Para detalhes vide o Artigo “Como inovar a inovação”
http://www.wkprisma.com.br/treinamento-empresarial/educacao-corporativa/inovar-e-agora-1.html
“Uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias”
Tim Brown

 

O que diferencia o DESIGN THINKING?

 

DESIGN THINKING tem como fim(!) a otimização de uma solução, em vez de começar com análise das causas de um problema; é uma forma de pensar baseada em soluções, com um objetivo inicial, em vez de começar com um determinado problema.

 

Fonte: BIOLCHINI, Clarissa, PIMENTA, Marcelo e OROFINO, Maria Augusta et al. São Paulo, 2012
Disponível em http://www.bmgenbrasil.com, Licença Creative Commons.

 

DESIGN THINKING busca soluções a partir das necessidades dos stakeholders – é a sua situação real que deve estimular o pensamento divergente entre os colaboradores.

Qual é o papel do DESIGN THINKING?

 

Design Thinking é um método prático-criativo de solução de problemas.

 

Design Thinking estimula a criatividade para adaptar as soluções às necessidades reais dos stakeholders.

 

Qual é a sacada do DESIGN THINKING?

 

Design Thinking coloca as pessoas no centro da geração de soluções, criando assim resultados que são mais desejáveis para elas, mas que, ao mesmo tempo, são financeiramente interessantes e tecnicamente possíveis de ser transformados em realidade.

 

Design Thinking busca diversos ângulos e perspectivas para solução de problemas, priorizando o trabalho colaborativo em equipes multidisciplinares em busca de soluções inovadoras.

 

Pessoas de formação e experiência diferentes fornecem maneiras diferentes de pensar e agir; é uma forma inteligente para valorizar as pessoas num ambiente colaborativo.

 

O grupo mapeia os processos no dia a dia das organizações para ganhar uma visão mais completa e, assim, melhor identificar as barreiras e gerar alternativas para transpô-las.

 

As organizações orientadas pelo Design Thinking colocam esse mindset no coração da gestão empresarial, visando orientar a melhoria contínua das práticas empresariais, reconhecendo que essa orientação conduz à diferenciação.

É na paixão pela diferenciação que as organizações devem e podem maximizar o seu potencial produtivo.

 

Qual é o processo do DESIGN THINKING – aplicado para a construção de um Modelo de Gestão?

 

 

 

 

Fase 1 – Discover: Mobilizar para um projeto bem sucedido

 

Passo 1 – Nomear o líder do projeto com ampla experiência em gestão empresarial, capaz de articular ideias, de bom relacionamento com pessoas e com um profundo comprometimento com a inovação através de um Modelo de Gestão Empresarial.

 

Passo 2 – Antes de tudo, envolver um membro da alta direção para patrocinar o projeto – um apoio visível para sinalizar a importância do Modelo de Gestão Empresarial.

 

Passo 3 – Reunir uma equipe multidisciplinar composta por pessoas das áreas chave da organização (marketing/vendas – engenharia/produção – materiais – serviços/logística – administração/finanças – tecnologia de informação e comunicação), de diferentes níveis hierárquicos; uma equipe multidisciplinar ajuda a otimizar ideias e superar eventuais resistências à implantação.

 

Passo 4 – Sensibilizar a equipe da necessidade de um modelo de gestão empresarial, orientando sobre o papel de Modelos de Gestão Empresarial e sua importância sobre o processo de inovação; seja prático, embasando sua mensagem com casos, fatos e números de sucesso (ao invés de conceitos).

 

Passo 5 – Descrever, numa linguagem comum, a justificativa por trás do trabalho.

 

Passo 6 – Entender o contexto do problema da não existência de um Modelo de Gestão Empresarial através de entrevistas com membros-chave da Organização (Inspiração).

 

Passo 7 – A partir dos dados coletados, criar insights para análise e síntese para compreender o problema; é essencial fazer perguntas ( “e se”, “por que não”, “e senão” ) e gerar ideias para identificar uma grande variedade de soluções.

 

 

Fase 2 – Define: Compreender os elementos necessários para o desenho de um modelo de gestão empresarial

 

Passo 1 – Estimular a equipe para desenvolver uma boa compreensão do contexto, onde o Modelo de Gestão empresarial deve evoluir, definindo o que é Gestão Empresarial.

 

O GOOGLE traz mais de 600.00 respostas; sugerimos entender gestão empresarial como o processo de alinhar (apenas) seis passos: Definir Objetivo – Elaborar Estratégia – Estabelecer Prioridades – Desenvolver Pessoas – Desenhar Organização – Monitorar Resultado.

 

Passo 2 – Entrevistar os stakeholders da organização para identificar problemas, necessidades e expectativas deles de uma “boa” Gestão Empresarial.

 

Passo 3 – Realizar sessões de co-criação (brainstorming) com o público acima para gerar ideias ou sugestões.

 

Passo 4 – Enxergar além dos padrões e estudar cases de Modelos de Gestão Empresarial inovadores bem sucedidos.

 

Passo 5 – Analisar a viabilidade de ideias (Feasibility Review).

Para ganhar adesão das soluções às suas expectativas reais perguntar profissionais da área em questão se:

a) As ideias são interessantes para eles que serão “servidos” pelas soluções criadas?

b) As ideias são viáveis (técnica- e financeiramente)?

 

Passo 6 – Documentar as ideias consensadas (Brief)

 

 

Observação: Evite análise excessiva (“paralisia da análise), demonstrando progresso e aprendizado para a Alta Direção.

Fase 3 – Develop: Adaptar o Modelo de Gestão Empresarial em resposta à reação da Organização.

 

É a fase de revisar ideias, onde for necessário (Concept Review).

 

Passo 1 – Desenvolver a capacidade de quebrar mesm!ce, simulando caminhos para chegar na melhor alternativa; organizações estabelecidas tendem a barrar ideias ousadas; para enfrentar, articule as vantagens da proposta: potencial de mais receita/lucro, etc.

 

Passo 2 – Consultar especialistas externos; comentários como “isso não vai dar certo” ou “os stakeholders não precisam disso” indicam resistência potencial; questionamentos adicionais podem ajudar a refinar o Modelo de Gestão Empresarial.

 

Passo 3 – Transformar as informações acima em soluções pilotos que possam ser testadas.

 

Passo 4 – Após um questionamento intensivo de cada protótipo, selecionar os mais satisfatórios.

 

 

Fase 4 – Deliver: Colocar as soluções validadas em prática e testá-las até acertar – o que funciona (“energiza”) e o que não funciona (“mata”) – Prototipagem.

 

Passo 1 – Implementar na Organização o protótipo do Modelo de Gestão Empresarial.

 

– Definindo os mapas dos projetos,

 

– Especificando marcos,

 

– Conduzindo uma comunicação interna e de alta visibilidade, anunciando o novo modelo.

 

Passo 2 – Adaptar o Modelo de Gestão Empresarial em resposta à reação dos stakeholders.

 

– Avaliando de forma contínua como se comporta o modelo no dia a dia da Organização,

 

– Promovendo workshops regulares com membros chave da Organização, para avaliar se o modelo precisa de ajustes.

 

 

Note que cada etapa do Design Thinking permeia a outra, fazendo parte de um todo, coerente entre si.

 

 

 

Caso de Sucesso

 

Um caso de sucesso recente é a SAP, que vem usando globalmente a metodologia de DESIGN THINKING e, desde 2011, utiliza a mesma na SAP Brasil, na criação de soluções específicas para clientes.

 

Para Alberto Oppenheimer, diretor de soluções da SAP Brasil, o uso da metodologia DESIGN THINKING ajuda a descobrir os desafios do cliente de forma colaborativa, identificando o valor oculto para o negócio dele e alavancando o portfólio de inovação da SAP para transformar as ideias em soluções tangíveis. “No modelo tradicional, tínhamos sapatos em nosso estoque e o cliente tinha que escolher qual servia nele. Com o DESIGN THINKING fabricamos o sapato mais confortável para os pés de nossos clientes, baseados na experiência deles”, compara.

 

Observação: O DESIGN THINKING pode ser utilizado em qualquer empreendimento, em qualquer segmento, de qualquer porte.

 

Por que  adotar o DESIGN THINKING?

O DESIGN THINKING é a melhor forma para aproveitar soluções.

 

Para otimizar a visualização deste processo, utilize o CANVAS, uma ferramenta prática em formato de cartaz, com uma sequência lógica de passos para criar, revisar ou avaliar um Modelo de Gestão Empresarial

Com o CANVAS você é capaz de alinhar os elementos da gestão empresarial de acordo com os interesses dos stakeholders da Organização – tudo de forma flexível, de mente aberta, erro e acerto para agilizar o aprendizado e facilitar a aplicação.

 


 

 

Você quer visualizar sua Gestão Empresarial
em apenas 6 módulos?

 

Experimente uma nova aplicação do CANVAS

do brainstorming
para um gamestorming

Pesquisas revelam que 45% da receita de uma organização
são gerados pelos melhores gestores da empresa.

Um dos maiores problemas para os gestores empresariais vem sendo a excessiva ocupação voltada para as operações do dia a dia, ou seja, menos orientada para a gestão executiva – mais voltada para resultado.

 

Do outro lado existe um consenso:

O gestor empresarial capacitado faz toda a diferença.

 

“Nenhuma empresa é melhor do que o seu administrador permite.”
Peter Drucker

 

Como sair disso?

 

Assim como um arquiteto utiliza uma planta para construir uma casa, um gestor empresarial deve desenhar um Modelo de Gestão Empresarial – antes de gerenciar.

No mundo dos negócios, modelos inovadores são emblemáticos nos dias de hoje; apesar disso, continuam pouco compreendidos.

Alguns gestores empresariais têm telas cheias de avisos e lembretes; outros têm quadros na parede e têm aqueles que têm mapas cheios de alfinetes coloridos

Mas o que é cada vez mais comum encontrar nas paredes é o Business Model Generation – BMG(Geração de Modelo de Negócio) – Canvas, inicialmente proposto por Alexander Osterwalder.

 

O BMG é uma ferramenta que permite desenvolver e esboçar modelos de negócio.

O Canvas é um mapa visual pré-formatado, contendo os blocos do respectivo modelo de Negócios.

Em 2011, Alex Osterwalder e Yves Pigneur publicaram o livro “Business Model Generation”, apresentando uma nova forma de descrever e visualizar Modelos de Negócios.

 

2 – Gostaria de apresentar aqui o Modelo de Gestão Canvas uma nova forma de visualizar Modelos de Gestão Empresarial.

Partimos da premissa de que gestores empresariais são cobrados por resultados.

Se você está sentindo a crescente pressão para que a geração de resultado se torne prioridade na sua agenda, sugerimos aplicar o Modelo de Gestão Canvas; um modelo que estimula o gestor e sua equipe a remarem na mesma direção: planejar, atuar e monitorar de maneira a atrair e reter os seus stakeholders (colaborador – cliente – fornecedor/parceiro – comunidade – investidor).

 

O Modelo de Gestão Canvas é uma ferramenta simples na sua utilização, apesar de ser eminentemente estratégica, fácil para resumir as práticas principais da gestão empresarial e implementar modelos de gestão empresarial; ou seja, ideal para auxiliar o gestor empresarial ao elaborar a “bússola” da sua gestão empresarial.

 

O que é Gestão Empresarial?

Como Gestão Empresarial podemos entender o processo de alinhar (apenas) 6 passos: Definir Objetivo – Elaborar Estratégia – Estabelecer Prioridades – Desenvolver Pessoas – Desenhar Organização – Monitorar Resultado.

 

Por que utilizar o Canvas?

 

Adotado com êxito por organizações na Educação Corporativa e Educação Executiva, o CANVAS está crescendo como metodologia avançada para elevar o nível de inovação em soluções na Gestão Empresarial.

No Brasil sua influência na maneira de grandes empresas pensarem a inovação tem crescido, com grandes players como o Itaú, Bradesco, Whirlpool, Mapfre e outros, desenvolvendo capacidades de gestão empresarial.

“Métodos gráficos ajudam empresário a testar negócio
Ferramentas de baixo custo identificam gargalos, possibilidades e lacunas”
FSP de 2/12/2013
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/12/1379321-metodos-graficos-ajudam-empresario-a-testar-negocio.shtml

 

 

Qual é o papel do CANVAS?

O mais importante é entender cada parte do Modelo de Gestão Canvas e compreender como ele pode ajudar nos questionamentos da sua gestão empresarial.

O conceito do CANVAS baseia-se na ideia do LEGO, onde peças se encaixam, permitindo inúmeras combinações, aqui na hora de criar os seus modelos de gestão empresarial.

Podemos destacar as características do CANVAS como segue:

CANVAS é uma abordagem para resolver problemas complexos,

CANVAS é uma aplicação estruturada e instigante,

CANVAS é um exercício interativo na busca de resultados de impacto.

 

 

 

Enfim, você consegue entender muito rápido o que quer dizer Gestão Empresarial, só olhando no Modelo de Gestão Canvas.

 

O que diferencia o CANVAS?

 

O CANVAS visualiza sua gestão empresarial em uma única(!) folha.

 


O CANVAS é a melhor forma para modular práticas de gestão empresarial até as peças se encaixarem.

 

O CANVAS é uma ferramenta que fomenta o entendimento, a discussão, a criatividade e a análise.

 

O CANVAS é um puzzle instigante, efetivo e lúdico.

 

O Modelo de Gestão Canvas permite aos gestores empresariais planejar, desenhar, visualizar, atuar e monitorar resultados de impacto para os stakeholders, de forma colaborativa.

 

Como aplicar o Modelo de Gestão Canvas?

Para aproveitar o máximo esta ferramenta, aqui algumas dicas na busca de um trabalho efetivo na sua equipe:

 

Fase 1 – O Modelo de Gestão Canvas, na sua formatação base, sugere montar um quadro com seis vigas distintas, que servem de ponto de partida para que gestores empresariais possam descrever sua gestão empresarial, gerando seu modelo de gestão empresarial.

 

> Objetivo: Crescer – com lucro – de forma sustentável

> Estratégia: Obter vantagem competitiva a partir da diferenciação

> Prioridades: Montar uma Agenda de Prioridades – de impacto

> Pessoas: Tornar se um Gestor cobiçado

> Organização: Desenhar uma Organização que aprende

> Monitoramento: Gerenciar resultado – com soluções de TIC

 

São estes os blocos, seqüenciado como o processo da gestão empresarial, com sua respectiva interpretação, prontos para que a equipe envolvida possa desenvolver elementos inovadores que garantam que a empresa crie ou mantenha vantagens competitivas.

 

Fase 2Imprima o quadro do Modelo de Gestão Canvas numa grande superfície, recomendo tamanho A 1, para grupos de pessoas começarem a esboçar e discutir elementos do modelo de gestão empresarial.

Estruturados em uma única(!) tela, de maneira visual e objetiva, os seis blocos dão uma visão geral de todos os aspectos envolvidos no dia a dia da gestão empresarial.

 

Fase 3 “Pense com as mãos”, partindo de perguntas-guia, descrevendo o que imagina para cada um dos blocos em adesivos (tipo post-it ou os modernos stattys notes magnéticos – vide WWW.stattys.com) que permitem que as ideias sejam colocadas, movidas ou descartadas;

 

 

Fase 4 – Use cores e desenhos para construir uma narrativa que ajude a compreender o seu modelo de gestão empresarial (storytelling);

 


Fase 5 – Use técnicas como brainstorming para gerar o máximo de ideias sobre como buscar resultados de impacto e como se diferenciar dos seus concorrentes, para construir, alterar ou avaliar sua gestão empresarial; não é necessário responder todas as perguntas, mas responder o suficiente para visualizar a sua gestão empresarial de forma macro; não tenha medo de colocar ideias “loucas” no quadro.

 

Fase 6Analise criticamente o modelo criado para refiná-lo e torná-lo prático o suficiente para implementá-lo.

O melhor de tudo: você vai vivenciar um momento instigante e envolvente – maios do que um brainstorming é um gamestorming!

Não há uma versão final – a ferramenta é dinâmica e será constantemente revisada ao longo do tempo.

 

O Modelo de Gestão Canvas é uma ferramenta viva, que pode mudar todos os dias, variando conforme mudanças no ambiente externo e interno da empresa ou expectativas do stakeholders.

A montagem do Modelo de Gestão Canvasé só o primeiro passo para criar o modelo de gestão empresarial da sua empresa, unidade, área ou projeto.

Depois de colocar as ideias, elas precisam ser validadas; é o momento de sair do escritório e conhecer os seus stakeholders.

 

Como a aplicação do Modelo de Gestão Canvas pode ajudar na carreira do gestor empresarial ?

A cada aplicação do Modelo de Gestão Canvas você vai aprendendo com a realidade e não somente com seus pensamentos.

A partir de questionamento contínuo, é possível aprender – sempre.

Não devemos ter medo de tentar o novo. Pode dar certo como pode dar errado. Seja como for, tentando é que se gera aprendizado.

Através do aprendizado podemos descobrir coisas que nos fazem deixar de ganhar dinheiro e coisas que permitem ganhar mais dinheiro – ponto de partida para incrementar a nossas ideias – plataforma para inovar – sempre….

 

O CANVAS é a melhor forma para visualizar soluções

Convidamos você para uma vivência instigante e envolvente para construir, alterar ou avaliar sua Gestão Empresarial.

“Saber o que fazer, mas não saber COMO, significa não saber”
Sabedoria Oriental

 

O que presumimos

1 – A empresa precisa escolher seu Modelo de Gestão.

2 – Pessoas empreendedoras fazem toda a diferença.

3 – O Mercado Internacional abre espaços lucrativos.

4 – O homem de negócios internacionais busca domínio intercultural.

5 – As soluções da TIC facilitam a gestão de resultado.

 

Pergunte a si mesmo se tem problemas quando o assunto é:

1 – Gerar resultado.

2 – Facilitar a sua carreira.

3 – Internacionalizar marketing e vendas.

4 – Negociar com interlocutores interculturais.

5 – Maximizar lucratividade.

 

Links:

Modelo de Gestão Empresarial – CANVAS

Aqui uma amostra
http://pt.slideshare.net/wkprisma/modelo-de-gestao-empresarial-mge-canvas

 

2 – Como facilitar a sua Carreira

Modelo de Gestão VOCÊ – CANVAS

Aqui uma amostra
http://pt.slideshare.net/wkprisma/modelo-de-gesto-voc-canvas

 

3 – Como internacionalizar Marketing e Vendas

Modelo de Internacionalização de Marketing e Vendas – CANVAS

Aqui uma amostra
http://pt.slideshare.net/wkprisma/modelo-de-internacionalizao-de-marketing-e-vendas

 

4 – Como negociar com interlocutores interculturais

Modelo de Negociação Intercultural – CANVAS

Aqui uma amostra
http://pt.slideshare.net/wkprisma/modelo-de-negociao-intercultural

 

5 – Como maximizar a lucratividade

Modelo de Gestão de Resultados através do Balanced ScoreCard – CANVAS

Aqui uma amostra
http://pt.slideshare.net/wkprisma/modelo-de-gesto-de-resultado-atravs-do-bsc

 

 

Observação

Caso você tenha um tema específico, que não esteja relacionado acima, entre em contato conosco para que possamos desenvolvê-lo especialmente para sua necessidade.

 

A Cysneiros e Consultores Associados desenvolve consultoria em Design Thinking.

 

Palestra on-line: Você ao Vivo com seu Cliente.


Periscope e YouTube - Facebook Flammarion

Vídeos para atrair novos clientes e alavancar Vendas. Apps de transmissão em tempo real é a mais nova tendência digital. Pré-Inscrição gratuita em: bit.ly/voceaovivo

Fatos relevantes:

  • Os APPs de vídeos atingiram a marca de 10 milhões de usuários.
  • Cresce o número de visualizações de videos na internet
  • Internautas preferem vídeos a fotos ou textos
  • Importante criar novos canais de relacionamentos de baixo custo com seus clientes.
  • Os APPs de vídeos atingiram a marca de 10 milhões de usuários.
  • A taxa de sobrevivência das micro e pequenas empresas que investem em marketing digital é maior.
  • A maior dúvida é sempre como começar. É o que veremos nessa palestra.

 

Temas abordados:

Essa palestra se aplica perfeitamente para o momento em que os empreendedores precisam usar a criatividade e de inovações para divulgar sua Marca junto aos seus clientes. Gerar resultados a partir do marketing digital.

 

» Novidades facebook Live , Periscope e Youtube

» A primeira transmissão ao vivo

» Como chegar a mais fãs?

» Criar vídeos atrativos para ter grande alcance

» Aumentar fãs e  Vendas

» Análise estratégica das estatísticas

» Publicidade eficiente

» Redes Sociais

» Interação com os fãs

 

Público Alvo:

  • Empreendedores e Empresários que pretendem alcançar e atrair novos clientes para a sua empresa

 

Duração:

  • 1 hora (em casos especiais pode ser até 2 horas)

 

Palestrante:

  • Flammarion Cysneiros Jr.
  • Consultor Sênior de Inovação e Empreendedorismo (SEBRAE)
  • Mestrando em Inovação e Desenvolvimento (FG – Laureate University)
  • MBA em Empreendedorismo e Gestão Empresarial (FGV/SENAC/SEBRAE)
  • Sócio da Cysneiros e Consultores Associados
  • Ministrou mais de 100 palestras em todo Brasil e América Latina.

Flammarion-Cysneiros-Palestrante-Consultor

Recursos necessários:

  • Data-show
  • Flipchart
  • Caixa de som e microfone
  • Internet Wi-fi (Para divulgação marketing Digital)

Contratação:

  • Boleto ou depósito bancário
  • Banco Itaú: Agência: 3175 | Conta Corrente: 11024-0
  • Cysneiros e Consultores Associados
  • Cnpj: 05.826.156/0001-40

Contatos e reservas:

Leve para sua cidade!

PALESTRA Bela - Recatada e Empreendedora Cysneiros

Palestra: Bela, Recatada e Empreendedora


PALESTRA Bela - Recatada e Empreendedora Cysneiros

Fatos relevantes:

  • Cresce o número de mulheres empreendedoras no Brasil. Entre os novos negócios, participação das mulheres chega a quase 50%.
  • Brasil tem mais de 5 milhões de mulheres empreendedoras.
  • Um dos motivos para o empreendedorismo feminino é a maternidade.
  • A taxa de sobrevivência das micro e pequenas empresas lideradas por mulheres também é maior.
  • A maior dúvida é sempre como começar. É o que veremos nessa palestra.

 

Temas abordados:

Essa palestra se aplica perfeitamente para o momento em que as mães têm que conciliar o trabalho, empreendedorismo com seu tempo de mãe. Para você “mãe” se conhecer melhor e crescer na vida pessoal e no trabalho. Dicas de empreendedorismo, trabalho e comportamento.

Público Alvo:

  • Mulheres e Mães que têm que conciliar a vida profissional com a pessoal

 

Duração:

  • 1 hora (em casos especiais pode ser até 2 horas)

 

Palestrante:

  • Flammarion Cysneiros Jr.
  • Consultor Sênior de Inovação e Empreendedorismo (SEBRAE)
  • Mestrando em Inovação e Desenvolvimento (FG – Laureate University)
  • MBA em Empreendedorismo e Gestão Empresarial (FGV/SENAC/SEBRAE)
  • Sócio da Cysneiros e Consultores Associados
  • Ministrou mais de 100 palestras em todo Brasil e América Latina.

Flammarion-Cysneiros-Palestrante-Consultor

 

 

Recursos necessários:

  • Data-show
  • Flipchart
  • Caixa de som e microfone
  • Internet Wi-fi (Para divulgação marketing Digital)

 

Contratação:

  • Boleto ou depósito bancário
  • Banco Itaú: Agência: 3175 | Conta Corrente: 11024-0
  • Cysneiros e Consultores Associados
  • Cnpj: 05.826.156/0001-40

 

Contatos e reservas:

 

Leve para sua cidade!

Mae Empreendedora

Flammarion Cysneiros  e Consultores - Mulher Empreendedora - Bela Recatada

Leve para seu evento! Solicite orçamento: contato@cysneiros.com.br | (81) 3445-2956 | www.cysneiros.com.br