Soluções de VoIP atraem pequenas e médias empresas


VoIP

VoIP

Blowtex e Credeal são exemplos de empresas de pequeno porte que buscaram soluções de VoIP para reduzir custos com telefonia

Seja para aumentar as importações ou exportações de produtos, o uso das soluções de voz sobre IP (VoIP) está cada vez mais atrelado às economias estratégicas das pequenas e médias empresas brasileiras. A fabricante de preservativos Blowtex e a companhia do ramo de impressão de cadernos Credeal são prova disto. As duas têm produtos genuinamente nacionais que ganharam espaço tanto no País como fora dele. O aumento das vendas, e em conseqüência da comunicação com vários lugares do Brasil e do mundo, fez com que as empresas adotassem o sistema de telefonia via protocolo IP e conseguissem redução de gastos com ligações em média de 50% – e com retorno sobre investimento logo nos primeiros meses.

Fabricando preservativos no Brasil desde 1988, a Blowtex passou a pertencer ao grupo australiano Ansell em maio de 2007 e intensificou ainda mais a comunicação comercial que já mantinha com países estrangeiros. Apesar de ter a fábrica na pequena cidade de Alumínio, interior de São Paulo, tem sede corporativa na capital paulista e de lá controla toda a produção e contatos com parceiros comerciais em todos os Estados do País, na América do Sul, Europa, Ásia, Oceania e EUA. Foi por isso que, em junho de 2007, um mês após a compra, decidiu implantar o sistema de VoIP da Trellis.

Com o controle da multinacional, a tendência é que as exportações sejam feitas também para outras regiões, como leste europeu e Ásia. “Com VoIP estamos preparados para isto e pretendemos atingir a marca de 55% em economia mensal com telefonia”, afirma Márcio Petriaggi, gerente de tecnologia da Blowtex. “Também queremos expandir o sistema para a nossa fábrica ainda neste ano”, completa.

O investimento baixo, de R$ 1 mil na instalação do equipamento hIPer VoIP e a mensalidade fixa de R$ 1.350 em ligações, foram compensados no primeiro mês de adesão, com a redução de 40% dos custos com ligações locais, DDD e DDI. O custo da solução é reflexo da simplicidade de sua instalação. Foi preciso apenas a ampliação e configuração do tronco do PABX para trabalhar em conjunto com o gateway e roteador, alocados pela Trellis para garantir um link exclusivo para uso em telefonia IP com qualidade na comunicação de voz. “A economia que temos em ligações representa novos investimentos em outras áreas da empresa”, diz Petriaggi.

Solução híbrida

Também é em uma pequena cidade interiorana, Serafina Corrêa, no Rio Grande do Sul, que fica a fábrica e a distribuição de cadernos da Credeal, e de onde são recebidas todas as ordens de vendas emitidas por representantes comerciais da empresa em todo País. A outra planta fica em Astorga, no Paraná, e ainda há uma divisão voltada a equipamentos de tecnologia para educação, como quadros interativos e canetas digitais. Além disso, a Credeal pretende, neste ano, criar mais um braço comercial para entrar no mercado de importação de mochilas por meio de parceiras na Malásia e China. Tais motivos levaram a empresa a adotar o uso de VoIP. “Reduzimos nossas contas de telefone em 60% logo no início, principalmente com interurbanos. Temos atuação forte em São Paulo e na região Sul do país, boa parte de nossas ligações eram para esses lugares”, conta Mauro Piva Jr., gerente de negócios e TI da Credeal.

Depois de estudar e testar quais seriam as necessidades da empresa, o sistema adotado pela Credeal, no início de 2007, com o investimento total de R$ 30 mil, foi o de uma telefonia híbrida, instalando um gateway com 60 canais, sendo 30 para uso digital, destinado à telefonia sobre IP, e os outros 30 para uso analógico, com o PABX antigo. Com isto, por meio dos serviços prestados pela operadora Transit, podem ser traçadas rotas de comunicação com as operadoras no momento das ligações via VoIP, com a segurança de manter a comunicação de forma convencional no caso de alguma queda do link IP. “Escolhemos dessa forma porque não podemos perder comunicação. Assim, economizamos com VoIP e, se um dia houver falhas, não ficamos descobertos”, diz Piva.

O acesso virtual ao gateway por meio de rede privada (VPN) permite que os 56 representantes e 900 gerentes comerciais da empresa espalhados pelo País tenham ramais móveis para quando estiverem fechando negócios fora da empresa, sem custos com interurbanos. O gerente atribui à implantação passo a passo o sucesso da solução. “Primeiro arrumamos a estrutura. Garantimos um mega da banda apenas para as 30 linhas, que funcionariam por VoIP, e escolhemos bem a operadora. Tudo para que nenhum imprevisto acontecesse sem sabermos identificar de onde vinha o erro”, completa ele.

Orientador Empresarial