Google detecta 1 trilhão de páginas na internet


O Google detectou mais de um trilhão de endereços exclusivos na internet, de acordo com o site The Inquirer. Além disso, a companhia diz ter registrado um crescimento de um bilhão de páginas por dia na web.

Os engenheiros de software Jesse Alpert e Nissan Hajaj, integrantes da equipe de infra-estrutura de pesquisa na internet do Google, afirmaram que a companhia não precisou catalogar cada uma dessas 1 trilhão de páginas já que muitas delas são similares, ou representam conteúdo gerado automaticamente.

Segundo o site Adnews, porém, o número de páginas indexadas pelo serviço ainda não tem número preciso. Conforme declara o site Tech.Blorge, em 2000 a companhia afirmou que seu mecanismo indexava um bilhão de páginas.

Já no site TechCrunch, a Google afirma ter em seu cadastro cerca de 40 bilhões de páginas, um número mais baixo para excluir spam e diminuir o custo do processo, que é verificado diariamente, pois segue as páginas do catálogo e realiza as atualizações necessárias.

Segundo o Inquirer, o Google não tornou os anúncios públicos principalmente porque outros sites importantes de busca tendem a criticar sua metodologia.

O TechCrunch, porém,diz que o motivo pelo qual a companhia fez este anúncio é outro: para intimidar um concorrente que será anunciado nesta semana.

Um quinto dos americanos assiste TV pela Internet


Um quinto dos norte-americanos que assiste TV estão deixando de lado seus controles remotos e clicando um mouse em seu lugar para assistir programas no horário nobre, em especial mulheres que trabalham, segundo uma pesquisa.

O estudo mostrou que 50 por cento das pessoas que assistem TV pela Web optam por essa via para ver programas assim que eles se tornam disponíveis e “demonstram estar começando a usar o computador como um substitutio de seus aparelhos de TV”, disse a Integrated Media Measurement Inc. (IMMI), que conduziu o estudo.

A outra metade usa a Internet para assistir programas que eles tenham perdido na TV ou para assistir de novo programas e episódios que eles já tenham visto, segundo a IMMI.

“Este é o primeiro estudo que mostra que há uma quantia significativa de pessoas assistindo programas no horário nobre pela Internet e que não estão assistindo parte desses programas pela televisão”, disse Amanda Welsh, chefe de pesquisas da IMMI, em um comunicado.

O estudo mostra que o maior grupo de pessoas que assistem TV pela Internet é formada por mulheres brancas, de alto poder aquisitivo, de nível escolar elevado e que trabalham, da faixa etária de 25 a 44 anos.

A IMMI disse que as mulheres estão mais ocupadas com seus empregos e vida pessoal e não têm mais tempo para ficar presas à grade de programação das TVs. Por isso, elas apelam aos episódios online para ver os programas que perderam.

Foram pesquisadas 3 mil pessoas em Nova York, Chicago, Los Angeles, Miami, Houston e Denver para a pesquisa, que tiveram sua navegação na Internt monitorada por um software instalado pela IMMI.

Propaganda eleitoral na web extrapola sites oficiais de campanhas


Apesar da restrição do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que só permite a propaganda eleitoral na web nos sites oficiais de campanha, a busca pelos votos dos internautas invade blogs e redes sociais. Em São Paulo, os principais candidatos a prefeitura já iniciaram a batalha judicial para evitar o que consideram excessos.

O primeiro a se manifestar foi o atual prefeito e candidato à reeleição Gilberto Kassab (DEM). Sua coligação entrou com representação contra a campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) por conta de vídeos no site tucano que estavam hospedados no YouTube. A Justiça Eleitoral aceitou a ação e determinou a retirada dos vídeos, que passaram a ser hospedados no próprio site de Alckmin.

A campanha de Marta Suplicy (PT), por sua vez, também recorreu à Justiça para que Kassab retirasse do seu site de campanha links que remetiam o internauta a páginas fora do oficial. Mais uma vez, os juízes aceitaram o pedido.

No entanto, uma busca pelo nome da candidata petista no Orkut, o mais popular site de relacionamentos do país, a pesquisa mostra mais de 500 perfis como sendo da ex-ministra. A busca por nomes de Alckmin e de Kassab também mostram resultados expressivos.

Até em supostas novidades da web, como o miniblog Twitter, são usados como “arma” para angariar mais votos para os candidatos. Marta e Alckmin possuem supostas contas no site, mas sem atualizações constantes.

As assessorias dos candidatos negam que os perfis, tanto no Orkut quanto no Twitter, sejam oficiais.

Segundo a assessoria de Marta, um levantamento realizado antes da campanha identificou cerca de 30 perfis da petista considerados como “fidedignos”. Na ocasião, a coordenação da campanha informa ter solicitado ao Google, que administra o Orkut, a retirada dos perfis.

Rio

Mais flexível com relação à propaganda eleitoral na web, o TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral) divulgou uma resolução no fim de maio ampliando as possibilidades de campanha na web. De acordo com a decisão do tribunal fluminense, candidatos podem utilizar recursos como blogs e redes sociais como ferramentas de propaganda eleitoral.

O candidato a prefeito do PV, Fernando Gabeira, explora bem estas possibilidades. Além da página de campanha, mantém uma página pessoal, com blog, notícias, fotos e vídeos sobre ele.

Eduardo Paes (PMDB) é outro que vai além do site oficial. O candidato possui uma conta no site de fotos Flickr para divulgar imagens de sua campanha.

A maior liberdade concedida pelo TRE-RJ, no entanto, parece ser exceção. Consulta feita ao TSE sobre regras específicas para campanhas em blogs e redes sociais não foi reconhecida pelos ministros do órgão.

A decisão dos ministros é de que as análises durante a campanha devem ser feitas pela Justiça Eleitoral a partir de casos concretos, ou seja, os casos serão analisados um a um.

Internautas do Brasil Passam um Quinto do Tempo em Sites de Comunidades


Fenômeno pode estar relacionado com a violência urbana

O tempo gasto em sites de comunidades no Brasil é muito maior do que em outros países pesquisados. Os espanhóis, por exemplo, gastam apenas 5,1% de seu tempo neles e os americanos, 2,8%.

Segundo o diretor-executivo do Ibope Inteligência, Marcelo Coutinho, a navegação por esse tipo de site costuma ser maior em países de língua latina e, em parte, pode ser explicada culturalmente, já que esses povos tendem a ser mais comunicativos. Mesmo assim, o índice brasileiro não encontra igual no exterior.

Para Coutinho, o fenômeno pode estar relacionado com a violência urbana no Brasil. Ele lembra que aqui os usuários de internet, em geral, moram na cidade e pertencem às classes A e B. Coutinho acrescenta que a internet acaba sendo uma alternativa mais barata a programas culturais.
– No Brasil, a violência urbana e a carência de espaços comunitários pode ter algum reflexo no resultado.

Vou abrir um Bar no Second Life!


A situação a seguir pode se repetir diariamente no seu escritório. Você e seus colegas chegam no horário ou com poucos minutos de atraso, lêem os e-mails importantes e intermináveis, checam recados e verificam as pendências que precisam ser resolvidas até a hora do almoço. O dia anterior foi como de costume: muito trabalho, superiores cobrando resultado, resultado, resultado… e aquela sensação de que seria necessário mais gente para dar conta de tudo ou que seu dia deveria ter mais que 24hs.

Mas.. Pra que? Para trabalhar mais???

Exceto o “bom dia” e o “vou indo até amanhã…” isso é quando você não é o último a sair, quantas palavras trocou com seu colega de trabalho? Já parou para pensar? A caixa de e-mails é e tem sido a maneira mais eficiente de comunicação entre colegas de trabalho.

Porque não sair para tomar aquela cervejinha gelada?

Resposta: Assassinaram o Happy Hour – Lei SECA N. 11705/08

Os happyhours passarão a ser também virtuais??? Na pior das hipóteses…

Vou abrir um bar no Second Life!!!