Firefox já detém quase 20% dos usuários de internet no mundo


Navegador da Mozilla vem ganhando espaço no mercado; Internet Explorer continua sendo líder, com 73,02%

O Firefox já detém quase 20% da preferência dos usuários de internet, segundo dados da empresa NetApplications. De acordo com as informações, o navegador da Mozilla terminou o mês de julho com 19,22% do mercado, levando alguns usuários do Internet Explorer, que se mantém como grande líder da lista, com 73,02% do mercado.

Veja também:

linkGráfico das participações de cada navegador no mercado

O instituto aponta que após a estréia do Firefox 3.0, em junho do ano passado, o navegador ganhou quase 5 pontos percentuais de participação de mercado, saltando de 14,63% para os atuais 19,22%.

O terceiro navegador mais popular é o Safari, da Apple, que há alguns meses conta também com versão para Windows e detém 6,14% dos usuários.

Ex-líder de audiência na web nos anos 90 e já descontinuado pela empresa que detém seus direitos, a America Online, o Netscape aparece com 0,69% dos usuários. Em quinto lugar, também com 0,69% de market share, aparece o browser Opera.

Atendimento ao consumidor na web


O processo de escolha dos vencedores do 9º Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente aconteceu em três etapas. Na primeira, houve o envio do convite de participação para todas as empresas que possuem um canal de contato com o consumidor e seleção das companhias com base na análise dos questionários preenchidos sobre a estratégia de clientividade, cujos dados foram tabulados e avaliados pela consultoria GKF Indicator.

Na segunda e terceira etapa, as empresas finalistas foram submetidas ao teste do cliente misterioso no atendimento telefônico e virtual (contato via web ou e-mail) a fim de aferir a eficiência dos serviços oferecidos. Aqui, a consultoria avaliou a qualidade do atendimento, o tempo de retorno e a qualidade das informações prestadas. As ligações e os contatos via internet foram feitos por um grupo de auditores profissionais, treinados pela GFK Indicator, para avaliar objetivamente os atributos definidos para a premiação. Cada organização recebeu dez ligações e dez e-mails e as questões priorizavam situações do dia-a-dia, como dúvidas e informação, além de perguntas sobre ações sociais.

De acordo com a avaliação do atendimento virtual feita pela consultoria, o consumidor ainda encontra dificuldades para interagir com as empresas por meio desse canal. Segundo a pesquisa, o número de respostas dadas às manifestações dos clientes via e-mail diminuiu em relação a 2007. Enquanto no ano passado era de 74%, em 2008 caiu para 64%. Ou seja, boa parte de quem entra em contato com as companhias pela internet fica sem resposta.

A piora no atendimento web não ficou por aí. Segundo o estudo, que também avalia o tempo de retorno, neste ano, somente 24% das empresas responderam antes do prazo-padrão, ou seja, em menos de uma hora ou entre uma e três horas úteis. Em 2007, esse índice foi de 40%. Vale lembrar que a pesquisa desconsidera as respostas automáticas.

Confira abaixo, as 35 companhias que fazem parte do grupo seleto das que responderam ao cliente por e-mail antes do prazo-padrão e obtiveram a melhor pontuação nesse quesito. Essas empresas receberam notas acima de 100, pois obtiveram bônus por responderem todos os e-mails em menos de três horas úteis.

As organizações que pontuaram em 100, responderam às manifestações via internet dentro do prazo considerado “padrão de mercado”, ou seja, entre três e oito horas úteis.

Memória flash avançará com a Web 2.0


Sun defende união de fabricantes para padronizar, por exemplo, medidas de performance dos SSDs em relação aos HDs. A indústria de memória flash precisa se unir e criar uma organização que estabeleça padrões para definir a tecnologia SSD (Solid-state Drive) declarou Michael Cornwell, especialista em tecnologia de memória flash da Sun Microsystems.

“Não vemos um foco entre os fornecedores e vendedores como nós porque cada um olha sua implementação [individualmente] em vez de observá-la como uma implementação da indústria”, disse Cornwell na segunda-feira (04/08).

A idéia de criar uma organização de padrões é ajudar o usuário a medir a performance da memória flash e suas aplicações em relação ao disco rígidos, por exemplo, disse o especialista.

A adoção da memória flash será impulsionada pelas aplicações de Web 2.0, avalia Cornwell. Estas aplicações basicamente estão nos data centers e as aplicações distribuídas em SSDs em diferentes nós de rede podem oferecer uma performance “fenomenal”, na opinião do especialista. Por exemplo, acessar uma foto armazenada via web em um SSD pode ser mais rápido do que acessá-la pelo disco rídigo, ele comparou.

A Sun anunciou recentemente que irá incluir a tecnologia SSD em seus equipamentos de armazenamento em 2009.

O preço por Gigabyte continua sendo um problema quando se compara a memória flash ao HD, disse Cornwell lembrando que SSDs não têm a capacidade dos discos rígidos, mas ganham em performance em certos ambientes. Em data centers, os SSDs são mais rápidos e economizam mais energia em relação aos HDs.

Estudo mostra que 50% dos correntistas usam a internet


Estudo realizado pelo Instituto de Pesquisas Fractal aponta que cerca de 50% dos correntista de bancos acessam o Internet Banking uma ou duas vezes por semana, principalmente, para consultas de saldos e extratos. Intitulada Painel Internet Banking, a pesquisa mostrou que 90% dos internautas consideram os serviços online prestados pelas instituições suficientes para atender suas necessidades e desejos. Na amostra, foram ouvidas 14.540 pessoas, em maio de 2008, com pessoas de todas as idades.

Realizado com pessoas das classes A, B e C, o estudo aponta um aumento do uso de Internet Banking em quase 20% ao ano, principalmente no público com renda inferior a R$ 2,5 mil, correspondente a 50% da amostra.

A freqüência também é elevada, quase 50% dos usuários utilizam esse serviço de uma a duas vezes por semana. Os maiores usos são para consultas a extratos. Em segundo lugar estão as consultas a saldos. Os pagamentos de contas ficam com terceiro uso mais relevante da Internet.

De 15% a 20% dos entrevistados realizam aplicações financeiras via web. Nos empréstimos, cerca de 40% têm o hábito de simular suas transações, mas um percentual baixo as realiza, de fato, via Internet.

(Redação – InvestNews)