Aplicativo para Orkut permite ‘comprar’ e ‘vender’ seus próprios amigos


 

Um jogo criado para usuários da página de relacionamentos Orkut, do Google, permite que os usuários ‘negociem’ seus próprios amigos. O aplicativo, batizado de ‘Buy your friends’ (compre seus amigos, em português) foi criado pelo programador indiano Divyansh Sharma. 

Internautas brasileiros cadastrados no Orkut podem usar aplicativos criados para o site desde o dia 10 de julho. Em sua estréia no Brasil, haverá apenas 20 ferramentas em português. Mas os internautas do Orkut também poderão acessar os chamados widgets disponíveis em outras línguas, que somam cerca de 300.

Google vai digitalizar jornais históricos na internet


Notícias serão reproduzidas na web seguindo seus formatos originais.

Em um blog da companhia do Vale do Silício, o Google informa que quer tornar os jornais antigos disponíveis de forma on-line através de parcerias com as editoras responsáveis pelas publicações para digitalizar milhões de páginas de arquivos de notícias.

O esforço envolve os arquivos de vários títulos de jornais e amplia o empenho de dois anos do Google em trabalhar com os dois maiores jornais norte-americanos — o “New York Times” e o “Washington Post” — para indexar antigas notícias no Google News Archive.

TV alcança 98% dos jovens e web, 86%, indica estudo


Dados do 4º Dossiê Universo Jovem, estudo promovido pela MTV Brasil, mostram que a TV aberta e o rádio são os meios de comunicação que mais atingem os jovens: 98%. Mas, de 2005 para cá, cresceu de 68% para 86% a fatia de internautas entre esse time. O setor se defende. Argumenta que o consumidor em questão tem o hábito de ligar o computador sem desligar a TV. O estudo da MTV foi encomendado ao Datafolha, que ouviu gente entre 12 e 30 anos pelos quatro cantos do País, das classes A, B e C.

Na TV, o maior alvo de interesse dos entrevistados é a programação de filmes (79%), seguida de jornalismo (64%), novelas (59%), clipes e programas musicais (46%), humorísticos (45%) e seriados (41%).

Um em cinco empresas investiga vida de candidatos na Web


Referências escritas podem se tornar coisa do passado entre os executivos de pessoal, já que um em cinco deles diz usar sites de redes sociais para pesquisar sobre candidatos a empregos, e um terço dos quais descartam candidatos com base naquilo que descobrem.

Uma pesquisa do site de empregos online CareerBuilder.com entre 3.169 executivos de pessoal constatou que 22 por cento deles usam perfis em sites de redes sociais para pesquisar sobre candidatos a emprego, ante 11 por cento em 2006.

Outros nove por cento afirmaram que no momento não usam sites de redes sociais como o Facebook ou o MySpace para verificar possíveis candidatos a emprego, mas planejam começar a fazê-lo. [Leia mais]

Preços de produtos na internet caem 0,23% em setembro


Os preços de produtos na internet tiveram uma queda de 0,23% em setembro em relação a agosto, o que reforça a tendência de redução dos valores na rede. Segundo o índice e-Flation, medido pelo Provar (Programa de Administração do Varejo), a queda foi motivada principalmente pelos itens do grupo “Telefonia e Celulares”, que teve seus preços reduzidos em 3,04%.

No ano, os valores de produtos na rede acumulam uma redução de 6,14% –o índice vinha de quatro meses seguidos de queda até agosto, quando houve uma alta de 1,29%.

Para o Provar, a variação negativa está ligada a lançamentos e promoções em alguns itens. “O grupo ‘Telefonia e Celulares’ encabeça as ações promocionais do período, gerando a ligeira deflação dos valores praticados no comércio on-line”, afirma Cláudio Felisoni de Angelo, coordenador-geral do programa, em nota.

Depois da telefonia, as outras quedas ocorreram no grupos “Cine e Fotos” (1,60%) e “Linha Branca” (0,20%).

Entretanto, houve aumento de preços de livros (1,70%), brinquedos (1,45%), eletroportáteis (0,91%), eletroeletrônicos (0,48%), perfumes e cosméticos (0,39%), informática (0,13%) e CDs e DVDs (0,09%).

O e-Flation de setembro foi avaliado a partir da segunda quinzena de agosto até a primeira do mês em questão. A inflação para automóveis nas vendas on-line não é incluída na pesquisa, pois é elaborada à parte.

Qual é a diferença entre uma web de documentos e outra de dados?


Existem muitas diferenças. Pegue, por exemplo, os seus dados financeiros. Existem duas formas de observá-los. Se olhar numa página normal na web, eles parecem com uma folha de papel. A única coisa que se pode fazer é lê-los. Mas se observá-los num site da Web 3.0, você poderá, por exemplo, usar um mecanismo de busca para alterar a ordem dos dados, obtendo desta forma um acesso muito melhor aos mesmos.

Hoje, antes de realizar uma tarefa como pagar seus impostos, você precisa de um programa de gerenciamento financeiro. Ao fazê-lo, os dados não são carregados como uma página na web, mas como arquivos de dados. Esta é a diferença entre documentos e dados. Quando você procura documentos nos seus dados bancários, só é possível lê-los. Quando procura dados, pode descobrir o quanto de impostos está devendo ou qual é o total das contas a pagar. Não podemos fazer isso na web atual.

Se fosse possível, as informações reunidas nos seus dados bancários seriam convertidas num padrão que só funcionaria com bancos. Mas haverá padrões totalmente diferentes, padrões para uso em agendas, por exemplo. Hoje não se pode perguntar ao computador: “Quando foi que eu preenchi este cheque? Qual é o nome da função? Quando eu fui naquela reunião?” Não se podem conectar itens em diferentes arquivos de dados, a não ser que se use a Web Semântica. Ela é muito mais poderosa, porque nela é possível conectar dados sobre pessoas que tenham a ver com um determinado local e um determinado momento.

Por que cada vez mais as empresas estão investindo na Internet?


NETWORK: Interatividade e Relacionamento.

SEM FORNTEIRAS:. Sua empresa no mundo globalizado, acessível a qualquer pessoa, a qualquer tempo.

INTIMIDADE COM SEU CLIENTE: Canal de comunicação direta C2B – Cliente e Empresa.

DISPONIBILIDADE: 24 horas por dia, 7 dias na semana, 365 dias ao ano.

HSBC lança “Call Centre TV”


A instituição pretende promover e divulgar seus serviços de Call Center

A experiência do HSBC em Swatar, Malta, criando o Call Centre TV criou uma extensa exposição dos serviços que o Call Center da empresa no país presta aos clientes britânicos.

A Call Centre TV é uma iniciativa da rede de Call Centers que o banco mantém em 13 paises. Todos os meses, uma equipe de TV britânica visita um site diferente para destacar os serviços e mostrar o que acontece nas centrais.

Os dois últimos eventos gravados foram o Best Place toTalk Event e o Mata Has Got Talen, onde empregados das empresas de Call Center de Swatar podem mostrar seus outros talentos, como música e culinária.

O The Best Place toTalk é um fórum produzido pelo HSBC em que se discute a performance do setor nos últimos 12 meses e se mapeia o que pode acontecer para o ano seguinte. O evento contou com a presença de Richard Brown, diretor da área de Call Center em Swatar, além de Tony Mahoney, presidente do HSBC International, Teresa  Robson-Capps, gerente da operação de Call Center de Swatar (CTS), e Chris Burgoyne, gerente de operações da CTS.

”Malta é uma importante filial do HSBC no mapa de Call Centres pelo mundo”, disse Brown. “A Call Centre TV mostrou-se um excelente modo de manter os funcionários do HSBC atualizados com o trabalho de seus colegas pelo mundo e na demonstração das práticas que levaram o HSBC a ser considerado o melhor lugar para se trabalhar”, complementou.

Mercado de Call Center cresce 11% em posições de atendimento


Pesquisa aponta que o setor de relacionamento no Brasil contrata mais, mas perde em faturamento por PA

Estima-se que o mercado brasileiro de contact center cresceu aproximadamente 11% entre 2007 e 2008. Além do maior número de contratações, houve aumento do número de Posições de Atendimento (PA), principalmente no que se refere às de cobrança, reflexo da expansão da oferta de crédito no País.

Os dados mostram também a média de dois colaboradores por PA. Apesar das informações positivas que revelam  aumento do número de colaboradores, do número de PAs e a diversificação de serviços, entre outros, as ações não foram suficientes para conter a queda da rentabilidade pelo qual o segmento vem passando nos últimos três anos. Assim como em 2007, o estudo realizado pela Padrão Editorial em parceria com a E-Consulting mostra queda abrupta na rentabilidade das companhias. O faturamento por PA passou de R$ 52.613 em 2006 para R$ 42.823 em 2007, ou seja, diminuição de cerca de 18,6%. A conclusão é que a PA está se tornando economicamente ruim ao longo do tempo.

Para ver os números atualizados, clique aqui.

Quem atende melhor o consumidor via web?


O 9º Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente analisou o atendimento de empresas que possuem um canal de contato com o consumidor. A seleção das melhores foi feita com base na análise dos questionários preenchidos sobre a estratégia de clientividade, cujos dados foram tabulados e avaliados pela consultorai GKF Indicator.

As empresa finalistas foram submetidas ao teste do cliente misterioso no atendimento telefônico e virtual (contato via web ou e-mail) a fim de aferir a eficiência dos serviços oferecidos. Aqui, a consultoria avaliou a qualidade do atendimento, o tempo de retorno e a qualidade das informações prestadas. As ligações e os contatos via internet foram feitos por um grupo de auditores profissionais, treinados pela GFK Indicator, para avaliar objetivamente os atributos definidos para a premiação. Cada organização recebeu dez ligações e dez e-mails e as questões priorizavam situações do dia-a-dia, como dúvidas e informação, além de perguntas sobre ações sociais.

De acordo com a avaliação do atendimento virtual feita pela consultoria, o consumidor ainda encontra dificuldades para interagir com as empresas por meio desse canal. Segundo a pesquisa, o número de respostas dadas às manifestações dos clientes via e-mail diminuiu em relação a 2007. Enquanto no ano passado era de 74%, em 2008 caiu para 64%. Ou seja, boa parte de quem entra em contato com as companhias pela internet fica sem resposta.

A piora no atendimento web não ficou por aí. Segundo o estudo, que também avalia o tempo de retorno, neste ano, somente 24% das empresas responderam antes do prazo-padrão, ou seja, em menos de uma hora ou entre uma e três horas úteis. Em 2007, esse índice foi de 40%. Vale lembrar que a pesquisa desconsidera as respostas automáticas.

Confira abaixo, as 35 companhias que fazem parte do grupo seleto das que responderam ao cliente por e-mail antes do prazo-padrão e obtiveram a melhor pontuação nesse quesito. Essas empresas receberam notas acima de 100, pois obtiveram bônus por responderem todos os e-mails em menos de três horas úteis.

As organizações que pontuaram em 100, responderam às manifestações via internet dentro do prazo considerado “padrão de mercado”, ou seja, entre três e oito horas úteis.

103 AleSat
103 Ampla
103 Amsterdam Sauer
103 Boehringer Ingelheim
103 Chimica Baruel
103 Cia. Hering
103 Coca-Cola Femsa
103 DaimlerChrysler
103 DHL
103 Elektro
103 Eli Lilly
103 Fiat
103 Fleury Medicina e Saúde
103 International Paper
103 Itaú
103 Johnson & Johnson Produtos Profissionais – Divisão LifeScan
103 Marisol
103 Mormaii (calçados)
103 Mormaii (moda)
103 Schering Plough
103 Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia
103 Tecnisa
103 Ticket Serviços
103 Unimed Belo Horizonte
102 América Latina Logística – ALL
102 Câmara dos Deputados
102 CCEE – Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
102 Coca-Cola
102 Dakota
102 Datasul
102 Equifax
102 Mahle Metal Leve
102 NEC
102 Perdigão
102 Ri Happy
100 SulAmérica Seguros
Ações do documento