Redes sociais impulsionam crescimento da web móvel


redes-sociaisUm terço dos usuários de internet móvel na Europa acessam exclusivamente de redes sociais. Serviço tem 12 milhões de usuários.

As redes sociais estão impulsionando novos usuários para a internet móvel. De acordo com pesquisa da comScore, em novembro, 34% dos usuários de celulares na Europa Ocidental que visitaram tais sites de redes sociais acessaram exclusivamente mídia social em seus celulares, deixando de acessar qualquer outro tipo de conteúdo na web móvel.

> Conheça 10 redes sociais móveis

Conteúdo web da USP coloca universidade em 87º lugar em ranking


Metodologia contabiliza conhecimento disponibilizado na internet.
Pesquisa é divulgada duas vezes ao ano.

uspA USP foi considerada a 87ª melhor universidade do mundo pelo Webometrics Ranking of World Universities, que considera os conteúdos disponibilizados na internet, especialmente aqueles relacionados a processos de geração e comunicação acadêmica de conhecimento científico.

Das 500 instituições citadas pelo ranking, a USP, que registrou o crescimento de 26 posições em relação à lista divulgada em julho de 2008, está classificada em primeiro lugar dentre as universidades brasileiras.

A USP também aumentou em dez a sua posição entre os 300 repositórios pesquisados no mundo. Nesta segunda edição, o Ranking Web of World Repositories coloca a Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Universidade na 76ª posição. [Leia mais]

Google integra YouTube ao Google Talk


Usuário não precisa mais clicar em link para ver vídeos enviados por chat.

Mais um recurso foi inserido ao Google Talk existente dentro do serviço de emails da Google, Gmail. Agora, usuários podem assistir vídeos do YouTube diretamente em suas janelas de bate-papo, sem precisar abrir uma nova janela para isso. [Leia mais]

Cisco investe US$ 100 milhões para incentivar PMEs


A Cisco Systems anunciou hoje que investirá 100 milhões de dólares para incentivar pequenas e médias empresas a usar mais a internet e consumir mais produtos de rede.

Segundo a empresa, a quantia será usada no desenvolvimento de tecnologias em seis áreas consideradas prioritárias para incentivar o uso da internet nos negócios: acesso remoto, conectividade, interação com clientes e consumidores, produtividade, segurança e suporte ao cliente.

Os projetos dessas áreas para as PMEs serão coordenados pelo Grupo de Tecnologia para Pequenos Negócios (SBTG), que reúne membros dos departamentos de vendas, marketing, serviços e tecnologia. Eles serão encarregados de pensar em aplicações e produtos próprios para as PMEs, um mercado que a própria empresa estima em 16 bilhões de dólares neste ano. [Leia mais.]

Avaliador de Acessibilidade ASES disponível no Portal do Software Público


“A ferramenta ASES – Avaliador e Simulador de Acessibilidade de sítios permite avaliar, simular e corrigir a acessibilidade de páginas, sítios e portais, sendo de grande valia para os desenvolvedores e publicadores de conteúdo. O principal objetivo da disponibilização do ASES é fornecer instrumentos que viabilizem a adoção da acessibilidade pelos órgãos do governo e, também, pela sociedade.

A solução é resultado da parceria entre o Departamento de Governo Eletrônico e a OSCIP Acessibilidade Brasil [http://www.acessobrasil.org.br/] e tem sua distribuição livre garantida pelo uso da licença GPL, na versão 2.0 em português. [Leia mais]

Relacionamento site-usuário


O relacionamento de um site com seus usuários depende, entre outros fatores, da estrutura conceitual e do enfoque editorial do conteúdo, mas por outro lado também atua como condicionante destes fatores.

-> No caso de sites como digg, flickr, newsvine, Overmundo, a conceituação editorial e comercial leva em conta a realização de tarefas em conjunto pelas usuários das comunidades que agregam.

A sua estrutura conceitual incluem funcionalidades específicas, como a possibilidade do público regular os relacionamentos entre as pessoas e entre as pessoas e o site, bem como a possibilidade do público criar suas próprias normas de publicação de conteúdo.

-> O Overmundo recriou vários modelos existentes de sites de comunidades. Dedicado à divulgação de atividades culturais brasileiras, muitas delas não divulgadas pelos principais canais de mídia convencionais, permite a edição coletiva do conteúdo proposto pelos seus colaboradores.

Os textos, imagens, sons, vídeos, são propostos por seus autores e submetidos à avaliação dos demais usuários cadastrados, que atuam como “editores” ou “redatores”. Estes, depois da edição coletiva, votam se o material deve ou não ser publicado.

Neste site, a conceituação editorial e comercial considera:

A relevância da proposta, que atende à necessidade de muitos produtores culturais de todo o Brasil que ficam à margem dos grandes centros e dos canais de divulgação mais conhecidos.

A inclusão dos colaboradores como co-criadores do site. Os usuários se identificam com o conteúdo publicado. A facilidade de inserção funcional e cadastro, que pode ser realizado fácil e rapidamente a partir de qualquer página, reforça o sentido democrático do ambiente.

Facilidade de entendimento do uso. As explicações sobre o que é o site, como funciona e como participar são facilmente localizáveis, na página de registro (http://www.overmundo.com.br/registro/registro.php) e são redigidas de maneira clara e simples. As regras de funcionamento são explicadas nos “Termos de uso” e uma página de “Alerta” (http://www.overmundo.com.br/estaticas/alerta.php) adverte contra a publicação de conteúdo fora do foco proposto.

Clareza e objetividade nas explicações e rótulos de links. O conteúdo editado pela equipe do próprio site não se confunde com os posts e os textos propostos pelos usuários.

Layout simples e focado na funcionalidade da interface e no fluxo de informações produzidas pelos usuários, facilitando a realização das tarefas.

Moderação da publicação de conteúdo feita pelos próprios colaboradores, que controlam a qualidade. A moderação permite que o conteúdo atenda não só aos interesses pessoais e coletivos dos autores como também do leitor comum.

Clareza sobre os direitos de uso do conteúdo publicado, sujeito a uma licença parcial de reutilização do Creative Commons, que permite o uso e a criação de obras derivadassem exploração comercial. Deste modo tanto os colaboradores quanto os recriadores sabem os limites da sua ação sobre os textos e as imagens.

Co-responsabilidade de cada usuário pela funcionalidade e pelo aperfeiçoamento do programa, através do relato de erros ou da consulta ao fórum técnico, para tirar dúvidas e compartilhar observações e opiniões.

A receptividade do canal pelo público, especialmente quando este tem papel tão relevante para o sucesso da proposta, não pode ser controlada. Não se pode saber antecipadamente se o conteúdo publicado vai atender às necessidades pessoais e coletivas do seu público, a ponto de motivar a formação de comunidades vivas e atuantes.

O que se sabe é que o público é sensível a projetos que privilegiam o atendimento das suas necessidades. E que por isto o projeto editorial e comercial do canal colaborativo precisa, mais do que em qualquer outro ambiente online, estar centrado nas necessidades de expressão, interlocução e crescimento dos seus usuários. Exemplo

Outro aspecto que precisa ser considerado no projeto deste tipo de canal é que a sua evolução não pode ser antecipada com precisão, na medida em muitas diretrizes são conduzidas pela audiência que acessa o site diariamente.

Estudo da USC-Annenberg School Centre for the Digital Future, da University of Southern California, mostra que quase 50% dos americanos que frequentam comunidades virtuais consideram-nas tão importantes quanto o mundo real e se conectam a elas pelo menos uma vez ao dia, para trocar ideias ou realizar trabalhos e projetos com colegas e pareceiros (Estudo equipara comunidades online com vida real, Geek, acesso em 5.12.2006).

O uso praticamente cotidiano do site pelos membros das comunidades exige o monitoramento das tendências, mudanças, demandas do público (interno e de outros sites com objetivos semelhantes), que não podem ser previstos a priori no plano de projeto e vão surgindo dos encontros e desencontros das trocas e interlocuções.

Assim, algum descontrole e respeito às soluções casuais está sempre presente no dia-a-dia da manutenção e suporte destes sites, como propulsores da recriação permanente dos conceitos editoriais e comerciais, a partir da interlocução e da sensibilidade em relação às necessidades do público.

Por Claudia Duarte

Investimento estrangeiro no País em 2008 é o maior em 61 anos


Fluxo de IED no País chega a US$ 45,060 bilhões no ano passado, o maior da série histórica do Banco Central

Os Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) no Brasil bateram novo recorde histórico em 2008, apesar do agravamento da crise financeira mundial a partir de setembro. O ingresso de IED somou US$ 45,060 bilhões em 2008, o maior nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1947. O recorde anterior era de 2007, quando o ingresso totalizou US$ 34,585 bilhões. [Leia mais]

Veja também:

linkPaís fecha 2008 com déficit de US$ 28,3 bi na conta corrente

especialDesemprego, a terceira fase da crise financeira global

especialDe olho nos sintomas da crise econômica

especialDicionário da crise

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

Brasil realiza missão comercial ao Norte da África


O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Miguel Jorge, chefiará missão comercial ao Norte da África – Líbia, Argélia, Tunísia e Marrocos -, de 25 a 30 de janeiro próximo. A missão pretende promover o aumento dos investimentos bilaterais e elevar a corrente de comércio entre o Brasil e esse grupo de países.

Participam do grupo que viaja à África, nove órgãos do Governo Brasileiro e 92 representantes de empresas e entidades setoriais, agrupando 10 segmentos econômicos: agronegócio, energia, mineração, tecnologia da informação, máquinas e equipamentos, automotivo, logística, têxteis e calçados, construção civil e defesa.

Na programação da missão, estão previstos, em cada país, um seminário sobre oportunidades de investimentos e de comércio bilateral e reuniões entre empresários brasileiros e dos países visitados. Dia 25 de janeiro, a missão estará em Trípoli (Líbia); dias 26 e 27, em Argel (Argélia); dias 27 e 28, em Túnis (Tunísia); e, no último dia da viagem (30/1), em Casablanca (Marrocos).

A missão está sendo organizada pelo MDIC, com o apoio do Ministério das Relações Exteriores (MRE) e da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

Tunísia

Dos quatro países a serem visitados, a Tunísia é o único com o qual o Brasil possui superávit no comércio bilateral – US$ 5 milhões, em 2008. Número bem inferior ao registrado em 2007, de US$ 48 milhões. Em 2008, as exportações brasileiras para o país somaram US$ 221 milhões, um aumento de 30,7% sobre o ano anterior, quando chegaram a US$ 169 milhões.  As importações brasileiras cresceram 78,8%, na mesma comparação, passando de US$ 121 milhões para US$ 216 milhões.

A Tunísia ocupou, em 2008, a 80ª posição entre os mercados de destino de produtos brasileiros, uma posição acima de 2007 (79ª). No ano passado, foi o 59º entre os fornecedores de produtos para o mercado brasileiro – foi o 64º, em 2007.

Leia aqui para mais informações sobre o comércio Brasil-Tunísia.

Líbia

Para a Líbia, o Brasil exportou US$ 372,9 milhões no ano passado – aumento de 56,2% em relação a 2007, quando as vendas foram de US$ 238,7 milhões. No mesmo período, as importações brasileiras de produtos líbios cresceram 40,5%, de US$ 997,7 milhões para US$ 1,4 bilhão.  Desta forma, em 2008, o saldo comercial foi superavitário para a Líbia em pouco mais de US$ 1 bilhão, contra os US$ 759 milhões de 2007.

A Líbia ocupou, em 2008, a 62ª posição entre os mercados de destino de produtos brasileiros, sete posições acima de 2007 (69ª). No ano passado, o país foi o 29º entre os países fornecedores de produtos para o mercado brasileiro, a mesma de 2007.

Outras informações sobre o comércio Brasil-Líbia podem ser conferidas aqui.

Argélia

A Argélia também teve superávit com o Brasil, em 2008. O saldo comercial foi superavitário em quase US$ 1,9 bilhão, ultrapassando o superávit argelino de US$ 1,7 bilhão, registrado em 2007. Ano passado, as exportações do Brasil para o país somaram US$ 632,5 milhões, com aumento de 26,2% na comparação com 2007, quando as vendas foram de US$ 501 milhões. As importações de produtos argelinos, em igual período, cresceram 11,7%, de US$ 2,24 bilhões para US$ 2,5 bilhões.

Em 2008, a Argélia ocupou a 46ª posição entre os mercados de destino de produtos brasileiros, duas posições acima da registrada em 2007 (48º). O país foi o 19º fornecedor ao mercado brasileiro em 2008, sete posições abaixo da ocupada um ano antes (12º).

Clique aqui para detalhes sobre o comércio Brasil-Argélia.

Marrocos

Em 2008, as exportações brasileiras para o Marrocos foram de US$ 511,1 milhões, um aumento de 16,7% sobre o ano anterior, quando as vendas chegaram a US$ 438,1 milhões. As importações brasileiras cresceram 114,9%, de US$ 532,4 milhões para US$ 1,14 bilhão. Assim, em 2008, o saldo comercial foi superavitário para o Marrocos em US$ 632,9 milhões, contra um superávit marroquino de US$ 94,3 milhões registrado em 2007.

O país ocupou, em 2008, o 51º destino mundial das exportações brasileiras, ficando uma posição acima da verificada em 2007 (52ª). No mesmo período, o Marrocos foi o 34º exportador, quatro posições acima da verificada em 2007 (38ª).

Outros dados sobre o comércio Brasil-Marrocos podem ser conferidos aqui.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação Social do MDIC
61 2109-7190 e 2109-7198
ascom@desenvolvimento.gov.br

Wikipedia estuda limitar número de editores


Dilema opõe agilidade e correção da informação.

A Wikipedia está discutindo novos critérios editoriais que poderá limitar seu número de editores.

O tema voltou ao debate após informações claramente equivocadas terem sido publicadas no verbete do senador americano Ted Kennedy. Em nota à comunidade, o fundador da Wikipedia, Jimmy Wales, disse que erros sobre biografias devem ser “100% evitados por meio de critérios mais rigorosos”.

A ideia em discussão é não permitir a atualização automática de verbetes. Assim, o que um usuário comum editar, só pode ir ao ar após passar pelo controle de um contribuinte mais experiente. Uma bandeira ficaria visível nos verbetes recém-atualizados para que um número limitado de editores pudessem revisá-las e aprová-las rapidamente.

A discussão gera controvérsia pois uma das características da Wikipedia é ter agilidade na edição de verbetes o que permite, por exemplo, dar à enciclopédia a mesma velocidade de um serviço de notícias, atualizando informações a media em que ela acontece.

Para ter menor índice de erros, no entanto, a direção da comunidade discute abrir mão de parte de sua grande agilidade.