Ipojuca oportunidades e investimentos


ipojuca-economiaUm município que corre contra o tempo para se adaptar à vasta gama de investimentos que não param de chegar. Ipojuca tem 527 metros quadrados, 70.070 habitantes, fica a 50 quilômetros da capital e tem em seu território a maior parte do que é hoje a área mais cobiçada do Estado, o Complexo Industrial e Portuário de Suape. Nos próximos quatro anos, a cidade, que todos os meses arrecada de R$ 14 a R$ 16 milhões, deve passar por obras estruturadoras. A população não vai parar de ser capacitada, afinal indústrias e setor hoteleiro são grandes geradores de emprego e renda. À frente dessa batalha em prol do desenvolvimento estará o atual prefeito Pedro Serafim de Souza Filho (PDT), 55 anos. Na décima entrevista da série que o JC traz às segundas-feiras no Giro Metropolitano, Serafim fala de projetos como a meta de elevar de 10% para 100% o saneamento do município. Saúde, educação e turismo, principalmente em Porto de Galinhas, estão na pauta do prefeito reeleito.

EMPREGO E RENDA

Para aproveitar as ofertas de emprego do setor industrial e turístico a palavra de ordem é capacitar. “Para tanto, nós vamos fazer, logo no início do ano, um grande programa profissionalizante, onde ofereceremos cursos destinados, sobretudo, a esses empreendimentos que estão chegando a Suape. Estamos fazendo uma radiografia do tipo de operário que eles precisam para a gente contratar”, explica Pedro Serafim, que anuncia estar fazendo parcerias com entidades como Sesi, Senai, Sebrae, Senac e Cefet. Estão previstas duas mil vagas. Para estimular a participação dos jovens, os inscritos ganharão uma bolsa de R$ 500. “Já estão previstos R$ 10 milhões para o ano de 2009”, assegura. Além disso, haverá concursos públicos em 2009. Em março será para guarda municipal, depois, ainda sem data definida, para saúde e educação.

DESENVOLVIMENTO

Para acompanhar o acelerado ritmo de desenvolvimento, Ipojuca terá que investir em infra-etrutura. “O município foi criado ao redor de duas usinas. Então, as casas não têm garagens, as ruas são estreitas. A cidade não foi projetada para isso que está acontecendo. Estamos procurando adequá-la”, reconhece. A meta mais ousada é sanear totalmente o município que hoje tem apenas 10% de área com esgotamento sanitário. “Em quatro anos se faz. Já existe projeto junto à Compesa e a gente pretende sanear a cidade toda.” O ponto de partida será Nossa Senhora do Ó, distrito que ele acredita deixar em ordem, no mais tardar, em 2010. As obras estão previstas para janeiro. Em Camela, o projeto está pronto, garante. Há planos também para construir praças, abrir vias e calçar ruas em locais como o bairro do Campo do Avião.

PORTO DE GALINHAS

O principal destino turístico do Estado receberá atenção especial nos próximos quatro anos. Em janeiro, Serafim assegura retomar obras de saneamento e calçamento de ruas. A previsão é aprontar tudo em dois anos. Para demonstrar a importância do local, o gestor tomou a medida administrativa de transferir a vice-prefeitura para a praia. Técnicos das diversas secretarias também trabalharão à beira-mar. Uma brigada de tratores e caminhões será instalada em Porto de Galinhas para facilitar a limpeza do local. O prefeito acredita que em 15 meses as obras de implementação de ciclovia e duplicação do acesso de Nossa Senhora do Ó a Porto de Galinhas e de Porto a Maracaípe serão concluídas. “Já a partir do próximo ano a vinda do turista para cá será facilitada”, garante. Essas obras viárias são do governo do Estado, que também deve duplicar a PE-60 de Suape até a entrada de Nossa Senhora do Ó. “O projeto está pronto. Em 2009 já começa.” A correção das curvas da rodovia deve ser concluída em maio.

ORDENAMENTO

Outro fator necessário e que deve ser cumprido nos próximos quatro anos é o ordenamento do município. Na área da habitação, os olhos da prefeitura vão se voltar para Vila Socó e Salinas, ambas em Porto de Galinhas, e para o processo de favelização de Maracaípe. “Nas duas primeiras já fizemos grandes intervenções. Calçamos e saneamos, com recursos próprios, toda a Vila Socó e parte de Salinas. Mas está havendo grande invasão dos mangues. Estamos tentando combater com fiscalização, mas ainda é pouco”, admite. A idéia é buscar parceria com os governos estadual e federal e transferir as famílias dos favelões para áreas próximas, porém adequadas. Até junho o projeto deve ficar pronto. Ordenação também é o que precisa o setor publicitário e de sinalização turística. As placas de propaganda escondem as belezas naturais do litoral. “Vamos ver os locais adequados para as pessoas fazerem suas propagandas. E será implementada sinalização turística. O estudo está quase concluído. Até março tem que ser implementado”, diz Pedro Serafim.

SAÚDE E EDUCAÇÃO

Saúde e educação devem ganhar novo fôlego em Ipojuca. E isso está previsto para acontecer graças à Refinaria Abreu e Lima. Como contrapartida a incentivos concedidos pelo município, em 2009 será construída uma maternidade de médio porte. Na educação, a refinaria colabora com a implementação de complexo esportivo e cultural – com ginásio de esportes, piscina semi-olímpica, pista de atletismo e sede da Secretaria de Educação – e construção de escolas em Porto de Galinhas, Maracaípe e Serrambi, em 2009. O município pretende organizar a saúde. O Hospital Carolzita Brito, em Nossa Senhora do Ó, será ampliado gradativamente. Com isso, duas unidades hospitalares que atendem precariamente na sede e em Camela poderão funcionar como grandes ambulatórios. Outra intervenção é o aumento do número de postos do Programa Saúde da Família (PSF). Serão construídas no próximo ano, nove unidades, ampliando a oferta para 17.

Texto é de Daniel Guedes

Bloqueio de telemarketing começa em 90 dias


nocallA regulamentação da lei que pune as empresas que fizerem ligações para números telefônicos inscritos no Cadastro para Bloqueio do Recebimento de Ligações de Telemarketing no Estado de São Paulo, conhecida como “do not call list”, foi sancionada pelo governador José Serra na última na terça-feira. A lei recebeu o número 13.226 e foi divulgada no Diário Oficial do Estado nesta quarta-feira, 31. O decreto estipula um prazo de 90 dias para que o Procon-SP esteja apto a receber as solicitações.

Esse mesmo tipo de medida, quando aplicado nos Estados Unidos, causou muitas controvérsias e ações judiciais, além de desemprego de operadores de telermaketing. No Brasil o setor de contact center emprega mais de um milhão de profissionais e ainda não existe uma avaliação sobre o impacto dessa medida.
O objetivo da lei é proteger os cidadãos que não desejam receber ligações de empresas de telemarketing ou de estabelecimentos que se utilizem deste serviço. Ela beneficia usuários de telefonia fixa e celular, com DDD do Estado de São Paulo, independentemente da localização da empresa. “Se o número do telefone do consumidor é do Estado de São Paulo, ele estará protegido. Não importa se a empresa que fez a ligação seja de outro estado ou que tenha feito um interurbano”, explica o diretor-executivo da Fundação Procon-SP, Roberto Pfeiffer.

Inscrição

Para fazer parte do Cadastro Estadual para Bloqueio do Recebimento de Ligações de Telemarketing, será necessário que o titular da linha faça a solicitação formal junto à Fundação Procon-SP. Isso poderá ser feito por meio de um formulário que será disponibilizado no site (www.procon.sp.gov.br) ou pessoalmente, nos postos do Poupatempo.

Será necessário fornecer: nome ou razão social (no caso de empresa privada); número do RG ou Inscrição Estadual; número do CPF ou CNPJ; endereço; CEP; telefone a ser cadastrado; e e-mail (quando houver). Após o registro dos dados, o consumidor receberá uma senha para consulta e eventuais alterações do cadastro.

A lei determina que o consumidor passará a ter as ligações de telemarketing “bloqueadas” a partir do 30º dia de ingresso no cadastro. O usuário poderá solicitar a qualquer momento sua exclusão ou inclusão. Os fornecedores e as empresas de telemarketing deverão se cadastrar para poder consultar a lista de inscritos. Terão acesso apenas ao número do telefone – os outros dados serão mantidos sob sigilo.

O consumidor poderá manter o bloqueio às ligações gerais, mas autorizar receber o contato de determinadas empresas, à sua escolha. Para tanto, deverá preencher autorização por escrito e com prazo determinado, conforme modelo a ser definido pelo Procon-SP. Segundo o decreto, cabe à empresa “custodiar o documento durante sua vigência”.

O titular da linha que aderir ao cadastro e, mesmo assim, receber uma ligação de telemarketing poderá comunicar o fato ao Procon-SP no prazo de 30 dias. A empresa que não respeitar o cadastro estará sujeita às sanções previstas no Código de Defesa do Consumidor. A lei não se aplica às entidades filantrópicas que utilizem telemarketing para angariar recursos próprios. Os valores das multas ainda não foram estabelecidos.