Empreender exige aprendizagem


x

“Antes eu mandava e pedia as coisas. Agora, lidero, cobro metas, projetos e planos”. Se você é empresário ou pensa em abrir seu próprio negócio, talvez imagine que a citação anterior seja algo neocapitalista, cafona e que não combina com o perfil de um líder nato. Afinal, sentar atrás da mesa e dar uma infinidade de ordens é o sonho de muita gente que quer virar patrão. Saiba que esse “sonho”, no entanto, pede atualmente uma verdadeira revisão de conceitos quando se trata de liderar equipes.

Mandar, pedir e desconhecer o potencial empreendedor eram características comuns ao empresário André Carvalho, proprietário e diretor de uma empresa especializada em vendas de peças para manutenção de máquinas no setor industrial, localizada no Centro do Recife. Eram. Depois de adquirir o negócio do antigo dono, levou tempo para ele perceber que a forma de administrar e empreender iriam levá-lo à falência bem antes do que imaginava. A solução, inevitavelmente, foi se reciclar. Há doze anos, André participa de cursos motivacionais. Foram mais de 20 neste período.

“Eu não sabia o tamanho do meu potencial e nem tinha ideia da defasagem de informação que tinha em relação ao mercado”, recorda Carvalho. Foram os cursos de capacitação, grande parte deles promovidos pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-PE), responsáveis pela guinada na vida empresarial do hoje patrão. Um deles é o Empretec, uma metodologia para otimizar o talento empreendedor de quem está ou deseja entrar no mundo dos negócios. A ferramenta existe há mais de 20 anos e é reconhecida pela eficácia e resultados práticos, principalmente nas áreas de serviços, comércio e indústria.

O Empretec acontece nas unidades do Sebrae em todo o Brasil e reúne a Agência Brasileira de Cooperação, vinculada ao Ministério das Relações Exteriores, e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Todos os meses, os cerca de 30 participantes trabalham aspectosde comportamento, em três diferentes frentes: realização, planejamento e poder. Os módulos abordam da iniciativa ao conhecimento, das metas à rede de contatos. São 60 horas de atividades, de segunda a sábado, na sede do órgão, com a participação de uma equipe com três facilitadores, alguns deles, inclusive, empresários de sucesso cuja maior bagagem é a visão empreendedora.

Segundo Isabel Noblat, analista do Sebrae-PE e gestora do curso, os benefícios são comprovados para quem ainda duvida ser possível criar e transformar o perfil de liderança. “A metodologia usada, descoberta na década de 1960 nos Estados Unidos, trata da motivação e intenção de melhorar a forma de liderar. Pesquisas nacionais do Sebrae comprovaram que, após passar pelo Empretec, empresários quebraram menos e aumentaram a lucratividade. Cerca de 99% dos participantes aprovam a ferramenta”, explica.

Não há desculpa para os que desejam se tornar um líder reconhecido e empreender estimulando o crescimento empresarial. O custo da participação no curso é acessível, e pode justificar um bom investimento em relação aos prejuízos que muitos empresários enfrentam no concorido mercado. Paga-se R$ 500. Se for o caso, o valor dos módulos pode ser parcelado em três vezes. Tudo para facilitar a vida de quem quer agregar conhecimento e resultados práticos. “No mercado de empresas este valor chega a R$ 2 mil”, afirma Isabel Noblat.

O empresário André Carvalho sabe bem o valor de cada participação nesse tipo de curso. “Após o Empretec, tive não só crescimento no faturamento a médio prazo, 12% um ano depois, mas em outros aspectos. Capacitação significa sobrevivência no mercado”, orgulha-se. Atualmente, Carvalho está fazendo o curso “Ferramentas de gestão avançada”, também do Sebrae-PE. Mais um dos que ele pretende participar. Pelo bem do empreendedorismo.

Fonte: DP

 

Itep terá incubadora em Petrolina


Outra novidade é a tentativa do Itep de reestruturar a Incubadora Tecnológica do Agreste Central (Itac), que está instalada em Caruaru.

Após concluir o estudo de viabilidade econômica que demonstrou bons resultados, o Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep) deverá implantar, até o primeiro trimestre de 2010, uma incubadora em Petrolina. O objetivo é dar suporte tecnológico aos empresários ligados à fruticultura irrigada da região. De acordo com o coordenador de Incubadoras do Itep, Geraldo Magela, agora o segundo passo é definir o local que abrigará a estrutura e, em seguida, será aberta seleção dos projetos. Depois disso, serão realizadas as capacitações e consultorias em comercialização e vendas, gestão, planejamento estratégico e outros.

“Nos reunimos com representantes de diversas entidades, como a Valexport, Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para explicar como funciona o projeto e de que maneira eles podem nos ajudar no empreendimento e, assim, suprir as necessidades e gargalos tecnológicos da região. Inicialmente, a previsão é de abrir vaga para que cinco empresas sejam atendidas pela incubadora”, explicou Magela. Ainda segundo ele, caso o espaço estrutural seja cedido será feito investimento na ordem de R$ 50 mil em equipamentos. Depois que estiver funcionando, a incubadora deve operar com aproximadamente R$ 90 mil ao ano em capacitações e pagamento de funcionários.

Outra novidade é a tentativa do Itep de reestruturar a Incubadora Tecnológica do Agreste Central (Itac), que está instalada em Caruaru. “Em parceria com o Sebrae pretendemos ampliar o atendimento para outras cadeias produtivas da região, uma vez que atualmente a Itac desenvolve projetos para o setor de vestuário, que é o forte de Caruaru e cidades vizinhas”, contou. Até o próximo dia 30, o Itep – que conta com oito incubadoras distribuídas pelo Estado – lançará edital para atender projetos do Recife.
Flammarion Cysneiros - CEO - ICOMUNI ConsultoriaO Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento de Projetos da ICOMUNI Consultoria Flammarion Cysneiros, reforça a importância das micro e pequenas empresas de TI trabalharem em forma de consórcio para suprirem as demandas dos Arranjos Produtivos Locais (APL´s) do Estado. Já que isto é um projeto de lei e de políticas públicas para as Micro e Pequenas Empresas.

“Já temos iniciativas parecidas como esta sendo executadas, e micro e pequenas empresas formalizadas e/ou incubadas têm expertise técnico para suprir tais demandas. A idéia é atender as demandas dos Arranjos Produtivos Locais (APL´s) do Estado, coma substituição das importações, a geração de empregos e renda, absorção da mão de obra assim como a capitalização das empresas locais”, destaca Flammarion.

ICOMUNI Comunicação Mídias SociaisA ICOMUNI Consultoria é especialista em Gestão do conhecimento, em gerenciamento de projetos (PMI), gestão de processos, padronização de metodologias, capacitação e o treinamento, e na metodologia de desenvolvimento ágil de Projetos (SCRUM).

A Empresa Pernambucana ICOMUNI Consultoria sinalizou o interesse em suprir a demanda de projetos de TI desenvolvimento web na região. Para tanto as demandas de projetos de TI, para consultoria, gerenciamento, parcerias, orçamento e consócio de empresas podem ser enviadas através do e-mail: icomuni@icomuni.com.br.
Veja também
Mais informações sobre a empresa a INCUBATIC: