DESIGN THINKING PARA NEGÓCIOS

design-thinking-Cysneiros-E-Consultores-Associados-006Infográfico mostra os processos e as abordagens de como aplicar os conceitos no nosso dia a dia.

 

O design thinking ajuda na imersão e no entendimento de parâmetros e padrões essenciais para criar projetos de melhor qualidade.

Veja alguns casos práticos no infográfico abaixo.

 

design-thinking-Cysneiros-E-Consultores-Associados-000

 

Fazer escolhas e resolver problemas. Esse é um dos principais desafios na vida de um empreendedor. Para facilitar essa tomada de decisões, muitos estão buscando a ajuda do design thinking, um conjunto de métodos e processos para lidar com obstáculos e analisar soluções. “A abordagem é focada no ser humano. Isso significa que partimos sempre do que é ‘desejado’ pela pessoa”, afirma Mônica Puoli, especialista no assunto e responsável pela Escola Design Thinking. “Procuramos descobrir as reais necessidades em vez de criar soluções ou produtos a partir de pressuposições.”

Proceso-Design-Thinking11.png

Você também pode aplicar algumas dessas práticas à sua startup. Veja como:

Crie um ambiente adaptável
Um ambiente de trabalho baseado no modelo mental de design thinking deve se adaptar às necessidades do time no momento e não o oposto. ‘’Hoje nós nos adaptamos aos ambientes, quando o que deveria acontecer é o contrário: os ambiente deveriam facilitar os processos que acontecem ou acontecerão nele’’, diz a Mônica.

Pense com empatia
Isso significa refletir sobre suas decisões levando em consideração as perspectivas dos outros. “A maior dica aqui é despir-se dos seus pressupostos e estar disponível para o outro, para o inesperado e o acaso”, afirma Mônica. Ao gerar empatia abrimos as portas para insights poderosos, que possibilitam a criação de soluções, produtos e serviços que realmente façam sentido e impactem a vida das pessoas.

Trabalhe em conjunto
Inteligências somadas têm uma força muito maior do que cada uma delas individualmente. “Um dos pilares do design thinking é estar em uma equipe multidisciplinar que possa gerar trazer perspectivas diferentes, para depois chegar a uma solução comum”, diz Mônica.

Vá para a prática
Os adeptos do design thinking acreditam no aprendizado pela prática, ou seja, experimente transformar as suas ideias em soluções o quanto antes. ‘’Ao transpor o papel para o mundo real, evitamos os grandes erros, cometendo pequenos erros constantemente’, afirma Mônica.

People in a Meeting and Think Concepts

People in a Meeting and Think Concepts

Assim, um processo de design thinking pode ser dividido, mas não sequenciado, em:

Imersão Dividida em duas parte, preliminar e em profundidade, é quando uma equipe se aproxima de um problema, a partir das mais diversas perspectivas e pontos de vistas. A imersão preliminar é quando o problema é entendido, a partir de um enquadramento e de pesquisas, tanto de campo inicial (pesquisa exploratória) quanto de referências, locais e globais (pesquisa desk). Nessa fase, os mais diversos atores do processo são identificados, além do escopos e limites de um projeto, fornecendo insumos para a fase seguinte, a de imersão em profundidade[10] .

A imersão em profundidade inicia-se com um Projeto de Pesquisa, seguindo de uma exploração do contexto do problema, muitas vezes, utilizado técnicas emprestadas da antropologia, como entrevistas, trabalho de campo, etc. A partir dos dados coletados, cria-se cartões de insights com reflexões e conclusões geradas durante a fase de imersão, de forma a facilitar a consulta e o manuseio. Dessa formas, é possível criar insumos para a etapa de análise e síntese.

design-thinking-Cysneiros-E-Consultores-Associados-004

Análise e síntese Os dados coletados na fase de imersão, organizados em cartões de insights, devem ser submetidos a uma fase de análise e síntese, de forma a serem organizadas e criar padrões identificáveis, dentro de uma lógica que permita a compreensão do problema em questão[11] . Nessa etapa, várias ferramentas podem ser usadas como cartões de insight, diagramas de afinidades (organização e agrupamento de cartões de insight com base em afinidades, similaridades, dependências ou proximidades, gerando um organograma),mapas de conceitual (visualização gráfica, construída para organizar dados coletados em trabalho de campo), critérios norteadores (diretrizes balizadores do projeto), etc.

Ideação ou ideation É a fase onde o perfil de um público alvo é definido, daqueles que serão “servidos” pelas soluções criadas, a partir de ideias inovadoras para um tema do projeto em questão. Para tal, utiliza-se como insumo a síntese criadas a partir das fases anteriores. Nessa fase, além da equipe multidisciplinar envolvida em todo o projeto, outro sujeitos são incluídos como usuários (público) e profissionais da área em questão, de forma a obter várias perspectivas e um resultado mais rico e diverso[12] .

Nessa fase, brainstormings são realizadas, além de sessões de co-criação com o público e profissionais da área, gerando ideias que serão capturadas. Aqui ideias ousadas são bem-vindas, de forma que se evita qualquer julgamento de valores. Por isso o senso crítico não pode inibir os sujeitos envolvidos, sendo promovido apenas para o debate de ideias.

design-thinking-Cysneiros-E-Consultores-Associados-003

Prototipação ou prototipagem É o momento que ideias abstratas ganham conteúdo formal e material, de forma a representar a realidade capturada e propiciar a validação de todo o conteúdo apreendido. E apesar de ser apresentado como fase final do processo de design thinking, ele pode permear todo projeto, de forma a acontecer simultaneamente com a imersão, análise e síntese, e ideação[13] . Nessa fase que as soluções inovadoras devem ser criadas, criando oportunidades de negócios, no caso de uma empresa

design-thinking-Cysneiros-E-Consultores-Associados-001

De acordo com Marcos Hashimoto (professor de empreendedorismo da ESPM)

Insight: Aprender com a vida alheia. Quando nos deparamos com um problema, devemos nos livrar das amarras impostas pelas soluções baseadas na forma tradicional de pensar. Os insights são descobertas que surgem repentinamente depois de um momento de reflexão e contemplação sobre a situação que queremos resolver. O insight é decorrente de muita observação do comportamento das pessoas e da forma como elas lidam com a situação problema, como improvisam, como reduzem o impacto, como contornam de diversas formas as limitações impostas. Para transformar essas observações em insights, é preciso também se colocar na pele do outro e tentar “viver” o mesmo problema. Essa empatia ajuda o design thinker a explorar as perspectivas de quem está “dentro” do problema, suas interações com o ambiente e suas limitações na visualização de caminhos inovadores.

● Mapa mental: O paradoxo entre o pensamento convergente e divergente. O design thinking é uma jornada por diferentes estados mentais. Nela, é preciso desenvolver o pensamento divergente, um modelo mental de busca de alternativas, caminhos, soluções, respostas, possibilidades que sejam, sempre que possível, criativas, lógicas, estruturadas, estranhas, factíveis, duvidosas, de todo tipo, para então explorar o pensamento convergente, no qual se usam critérios práticos para decidir entre as alternativas, comparando-as umas com as outras e testando algumas delas. Os modelos mentais são muito diferentes, e o maior desafio é considerar os dois lados do cérebro para pensar, ora de forma analítica, ora de forma sintética.

design-thinking-Cysneiros-E-Consultores-Associados-002

● Prototipagem: Construindo para pensar. Um protótipo é uma versão física de um produto antes de ser fabricado. Ao fazer um protótipo, estamos pensando com as mãos, explorando fisicamente o abstrato, abrindo a mente para novas possibilidades e comparando pontos de vistas diferentes. Muitas coisas surgem a partir de um protótipo, mas não apareceriam numa versão em duas dimensões, no papel. O protótipo pode ser algo malfeito, barato, terminado rapidamente e até improvisado – o que importa é a sua capacidade de aprimorar uma ideia. Coisas intangíveis podem ser prototipadas também. O storytelling da indústria cinematográfica, as experiências simuladas nos ramos de serviços ou as maquetes de projeções do futuro para o desenvolvimento de estratégias organizacionais são bons exemplos.

● Pensamento integrativo: Tirando a ordem do meio do caos. É uma habilidade típica de pessoas que exploram ideias opostas para construir uma nova solução, ao contrário da maioria, que só leva em consideração um modelo por vez. Os pensadores integradores sabem como ampliar o escopo das questões relevantes ao problema e resistem à lógica do “isso ou aquilo” para favorecer a lógica do “isso E aquilo” e veem relações não lineares e multidirecionais como uma fonte de inspiração, não de contradição. Quem se destaca como “pensador integrativo” recebe a desordem de braços abertos, admite bem a existência da complexidade, pois consegue identificar padrões no meio da complexidade e sintetiza novas ideias a partir de fragmentos. Para isso, ele às vezes dá alguns passos atrás para conseguir ver o todo de forma contemplativa, na esperança de que seu cérebro identifique algo que se sobressaia diante da complexidade e do excesso de variáveis que compõe esse todo.
designthinking - cysneiros e consultores
● Pensamento visual: A ciência do guardanapo. Algumas pessoas só conseguem se expressar ou entender a partir de desenhos, gráficos, imagens ou qualquer representação visual que vá além de palavras e números. Muitas grandes ideias de hoje começaram com um esboço de um modelo em um guardanapo de papel numa conversa entre duas pessoas, regada a cerveja ou vinho. Nem é preciso saber desenhar, o importante é conceber uma imagem mental da ideia. É como se fosse uma etapa anterior à do protótipo, só que em duas dimensões apenas.

Através desse conceito e das ferramentas associadas a ele, a Ideo vem ajudando empresas a encontrar soluções para negócios, como formas de aumentar a retenção de clientes, proporcionar experiências inesquecíveis ao saborear um prato ou minimizar o risco de uma excessiva exposição de imagem corporativa. Sempre são situações e desafios que exigem que a solução vá além do óbvio e, de certa forma, surpreenda a ponto de transformar algo extremamente negativo em algo extremamente positivo. Para isso, a Ideo reúne toda a sua capacidade criativa, antes usada para desenhar novos produtos, para agora desenhar novas soluções de negócios, entre elas a forma como esses produtos são usados ou que valor representam.

Quer saber mais e desenvolver um produto ou serviço inovador utilizando o Design Thinking? Entre em contato com a Cysneiros e Consultores Associados

SOLICITE UM ATENDIMENTO GRATUITO

Agende uma visita gratuita com uma equipe de profissionais especializada nas mais diversas áreas de consultoria.

Nesta reunião, será feito um diagnóstico inicial da sua empresa onde serão mapeados os principais pontos para inovar em seu negócio.

http://cysneiros.com.br/fale-conosco/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s