“StartOut Brasil é uma iniciativa importante para a internacionalização de Startups”

11/dezembro/2017

StartOut_Brasil_ParisParis (8 de dezembro) – O programa StartOut Brasil é uma iniciativa importante para desenvolver o cenário da inovação no Brasil. A avaliação é do professor Felipe Monteiro, do Instituto Europeu de Administração de Empresas (INSEAD) que, na sexta-feira (8), conversou com os empreendedores que participam do novo programa de internacionalização de startups.

Na avaliação de Monteiro, as grandes empresas devem fazer um trabalho interno para compreenderem como podem trabalhar em conjunto com startups e pequenas empresas inovadoras. “Um dos grandes desafios é fazer a tradução do que as grandes corporações precisam e, depois, fazer o matching. E os empreendedores de startups também têm o desafio de se apresentarem a mercados que não sejam, aparentemente, potenciais clientes. Grandes conexões podem surgir daí”, explicou.

Segundo Monteiro, um programa como o StartOut Brasil poderá contribuir para, nos próximos anos, apresentar novas soluções e tecnologias desenvolvidas por brasileiros em diferentes cenários de inovação. “O programa é importante porque representa a articulação de esforços do MDIC, Ministério das Relações Exteriores, Apex-Brasil, Sebrae e Anprotec”, disse.

Como explicou o professor do INSEAD, as empresas devem trabalhar em três eixos para promover, de fato, soluções e processos inovadores: arquitetura, rotinas e cultura. “Certamente, o último eixo é um dos mais complicados. É um trabalho que deve envolver a empresa inteira”.

StartOut Brasil

O StartOut Brasil selecionará, por ciclo de imersão, até 15 startups com potencial de internacionalização para participar de missões no exterior. As empresas terão acesso à consultoria especializada em internacionalização, mentoria com especialistas no mercado de destino e treinamento de pitch. Além disso, durante a missão, cumprem agenda de trabalho montada para promover a prospecção de clientes e investidores e a conexão a ambientes de inovação. Nos últimos dias da missão, é realizado um demoday para investidores. Quando retornam ao Brasil, as empresas terão apoio para definir sua estratégia de internacionalização e realizar a efetiva instalação no mercado-alvo (softlanding).

No ano que vem, serão realizadas quatro missões de internacionalização. Em maio, as startups brasileiras terão a oportunidade de conhecer o ambiente de inovação de Berlim. No segundo semestre, as empresas irão a Miami e Lisboa, em agosto e novembro.

Catorze startups participam da missão em Paris: Portal Telemedicina (healthtech); Molegolar (arquitetura); Sellead (intercâmbio); N2N Virtual (e-commerce); Asel Tech (IOT no setor de óleo e gás); Aya Tech (saúde); Simbio Bag (varejo); Checkmob (gestão de serviço de campo); Synappse Assist (healthtech); Birmind (indústria 4.0); Biosolvit (biotecnologia); Ergon Projetos (sustentabilidade); Noeh (moda/saúde); e Filho sem fila (educação/segurança).

*Fonte: Assessoria de Comunicação Social do MDIC 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s