Parnaíba constrói sua vocação para tecnologia e o empreendedorismo


parnaiba-620x340

 

A cidade de Parnaíba, no Piauí, a capital do Delta, localizada ao norte do estado a pouco mais de 300 quilômetros de Teresina (Capital) com cerca de 170 mil habitantes, tem a maior taxa de crescimento econômico do Brasil, segundo levantamento realizado pelo anuário Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil, da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) entre municípios do interior. A cidade é a segunda maior do estado do Piauí e a quarta no Nordeste com maiores investimentos.  Com a economia ainda baseada no agronegócio  com produção e exportação de cera de carnaúba, óleo de babaçu, gordura de coco, folha de jaborandi, castanha de caju, algodão e couro, atualmente busca alternativas na tecnologia e no empreendedorismo para fortalecer-se como Polo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Uma delas é a criação do Instituto Delta TIC’s, formado pela união de empresas parnaibanas que já vinham fazendo projetos entre si e que que  busca o desenvolvimento das tecnologias de informação na cidade de Parnaíba e consequentemente em todo estado do Piauí.  Sua fundação compreende a projeção de esforços dos empresários, pesquisadores e agentes do governo, para tornar palpável medidas consideradas ideais para o crescimento do setor, economia, qualidade de vida e campo de trabalho para os egressos de TI.

Já em seu nascimento, o Delta TIC’s, contempla uma série de inovações que se estendem desde de sua estrutura organizacional, funcional e valores almejados. Profissionalizar por meio da adesão de inovação, responsabilidade social e empreendedorismo, as empresas associadas; maximizar e compartilhar resultados do faturamento deste crescimento para que o setor se torne autossustentável gerando oportunidades para nascimento e ascensão de novos negócios; devolver à sociedade por meio de contrapartidas sociais valores humanos, qualidade de vida e oportunidades e ser uma das portas para que a academia possa ter seus resultados aplicados na forma de inovação são algumas delas.

Hoje o instituto tem uma amplo espaço num shopping onde já abriga oito empresas, uma incubadora comercial, uma incubadora acadêmica num espaço compartilhado inspirado na ideia de que todas as empresas possam ajudar-se mutuamente e na prática. As empresas mais experientes e capitalizadas contribuem para que jovens empreendedores também possam gozar de um modelo de incentivo onde todos crescem juntos, fortalecendo o segmento no Estado e desenvolvendo um sistema equilibrado.

A presença da academia nesta arquitetura é outro fator diferencial do projeto. A Academia vincula-se ao polo com a responsabilidade de doar conhecimento e incentivo à pesquisa de novas tecnologias por meio da interação entre professores e alunos e pode aproveitar a estrutura e o potencial do pólo para o desenvolvimento de soluções com aplicações tecnológicas e qualquer área do conhecimento agora poderá interagir com as contribuições que a TI oferece.  A estrutura de suporte de atuação do DELTA TIC´s está configurada assim:

foto2

 

Um diferencial para o aspecto econômico do polo está centrado na organização do fluxo que envolve os agentes empresas, academia e poder público, de forma que as universidades  possam gerar conhecimento a ser absorvido pelas empresas e, por sua vez, as empresas irão gerar inovações mediante a produção de ferramentas inteligentes e desta forma, o poder público pode incentivar o desenvolvimento tecnológico, sendo ele tanto um laboratório como um utilizador direto destas novas ferramentas.

Uma vez que este ciclo ocorra e o fluxo aconteça, os empresários, a comunidade acadêmica e a população são beneficiados diretamente, tanto em aspectos financeiros como educacionais e, consequentemente, há um aumento na qualidade de vida. Para que este diferencial possua um fluxo contínuo, a capacitação dos agentes envolvidos é determinante, pois só mediante planejamento e preparo o sistema pode suportar crescimento e expansão. Além da metodologia inovadora, desenvolve-se no polo um mecanismo de expansão econômica através de um sistema diferenciado de negociação, que consiste em um novo modelo de negócio, o qual originou uma empresa para a Gestão de Negócios: Consultólogo – Rede Brasileira de Consultoria, Marketing e Representação. Mas esse é um tema para uma próxima conversa.

Por Paulo Cesar Coutinho

Workshop: Como captar recursos financeiros em meio à crise.


Workshop

 

Evento organizado pelo NAGI (Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação) que será realizado dia 20/05, às 17:00, no auditório do Instituto Evaldo Lodi – IEL. Este é um evento voltado para empresários de indústrias nos segmentos descritos na arte abaixo. Para participar, os empresários deverão preencher uma ficha de cadastro no qual terão direito além de participar do evento, um diagnóstico e um relatório sobre inovação, gratuitamente. Quem tiver interesse, estarei à disposição para maiores esclarecimentos.

*O NAGI é um projeto do IEL em parceria com o FINEP e a FIEPE para promoção da cultura de inovação nas indústrias em Pernambuco.

III Encontro Aprender para Crescer


III

Aprender para crescer: 24 temas sobre empreendedorismo, trabalho social, tecnologia e inovação serão apresentados no encontro. O encontro acontece em parceria entre o SEBRAE/MS, O Centro de Informação e Recursos para o Desenvolvimento (CIRD), Banco Interamericano de Desenvolvimento, a Organização de estados Ibero-americanos e a cooperação para pequenas empresas.

Polo de Desenvolvimento Tecnológico de Parnaíba/PI


b5a593aebfaf898c5407815bb78d1872

Com sua obra pronta e já entregue aos lojistas o shopping começa a preparação para sua inauguração. Seguindo uma tendência nacional, o Dunnas Shopping cria em suas dependências o “Espaço Serviços”, e fecha uma grande parceria com a Prefeitura de Parnaíba e o Governo Estadual.

Com a presença do Governador do Estado, Wellington Dias e do Prefeito de Parnaíba Florentino Neto, no dia 17 de abril, o shopping ganhará em seu “Espaço Serviços”, a Superintendência de Desenvolvimento Econômico, o Polo de Desenvolvimento Tecnológico integrado a uma Incubadora de Empresas. O objetivo é reunir em um único local empresas que desenvolvam tecnologias, com o intuito de promover empresas incubadoras, fomentar a  pesquisa e gerar inúmeras oportunidades para comunidade local, como absorção de egressos da área de Tecnologia da Informação, geração de renda, desenvolvimento regional e inclusão digital.

O polo também visa o fortalecimento das empresas locais no ramo de Tecnologia da Informação para que estejam preparadas ao atendimento das necessidades das empresas que a Prefeitura de Parnaíba está estimulando instalação na cidade, como por exemplo, aquelas cujo projeto está aprovado  na ZPE de Parnaíba.

 

Fonte: folhadeparnaiba

EMPRESA ARARIPINENSE SE DESTACA NA EXCELÊNCIA EM NEGÓCIOS E RECEBE PRÊMIO INTERNACIONAL


fotocapa

EMPRESA ARARIPINENSE SE DESTACA NA EXCELÊNCIA EM NEGÓCIOS E RECEBE PRÊMIO INTERNACIONAL

 

A EMPRESA INTELSITE SOLUÇÕES foi premiada na categoria OURO no Prêmio “Century International Quality ERA Award”, em reconhecimento ao seu comprometimento com Qualidade, Liderança, Tecnologia e Inovação nos negócios desenvolvidos, atribuído pela B.I.D. Business Initiative Directions, organização internacional da qualidade.

O Prémio Century International Quality ERA é um dos mais conceituados em nível mundial para o setor empresarial e certifica a qualidade, a inovação e a excelência dos recursos humanos, equipamentos e serviços prestados.

A INTELSITE é a primeira empresa do sertão de Pernambuco a receber esta distinção e leva o nome do país a Genebra, cidade onde acontecerá a entrega do prêmio, nos dias 21 e 22 de Março de 2015.

A B.I.D. foi criada em 1984 por José E. Pietro e é uma organização dedicada à promoção da cultura da qualidade e da melhoria contínua nas empresas de todo o mundo, desenvolvendo modelos de qualidade e prêmios que fomentem e identifiquem os méritos das empresas.
Para este fim, tem instituído um procedimento de votação no qual participam 178 países do mundo. A B.I.D. está posicionada entre as quatro principais organizações mundiais que trabalham com a cultura de qualidade, através da inovação e aplicação do modelo QC 100Quality Mix nas empresas.

“Este prêmio é o fruto que colhemos como comprometimento com a cultura de qualidade em tecnologia e respeito para com os colaboradores, clientes e toda a comunidade empresarial,“ destaca Rafael Neri, CEO – Diretor Executivo da INTELSITE SOLUÇÕES.

 

Sobre o prêmio saiba mais: www.worldquality.org | www.bid-org.com

Rede Senai de Inovação alcança R$ 100 milhões em projetos


A rede de Institutos de Inovação criada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) fechou 2014, seu primeiro ano de atuação, com mais de R$ 100 milhões em volume de projetos contratados por indústrias brasileiras que desenvolvem produtos e processos inovadores. Em setembro de 2013, a instituição iniciou as atividades do Instituto SENAI Eletroquímica e, desde então, já colocou em operação outros 12 centros voltados a soluções em automação, tecnologias da informação e comunicação, polímeros, metalurgia, entre outras áreas.

Uma tinta com propriedade autocurativa – que se regenera quando danificada, e a criação do primeiro robô autônomo comercial brasileiro estão entre os projetos inovadores em desenvolvimento nos institutos Senai. A expectativa é que em dois anos o robô esteja pronto para inspeção submarina de estruturas utilizadas no ramo de petróleo e gás. No total, há 70 projetos já contratados e outros 107 estão em prospecção, o que pode já significar mais R$ 160 milhões nos próximos meses.

O impacto desse trabalho para o sistema de inovação, porém, não são apenas os resultados dos projetos. Na opinião do diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, uma das principais implicações disso está no fomento de toda a cadeia de produção de soluções inovadoras. “A cada projeto para uma grande empresa, conseguimos fortalecer outras de pequeno e médio porte da cadeia produtiva, destinadas a prestar serviços para a empresa líder”, afirma Lucchesi.

A rede de institutos é o maior esforço do Senai – desde sua criação, em 22 de janeiro de 1942 – para fortalecer a inovação na indústria brasileira e, dessa forma, torná-la mais competitiva. Para isso, conta R$ 1,5 bilhão de financiamento do BNDES e um investimento próprio de R$ 300 milhões, dentro do Programa Senai para Competitividade Industrial. Além da rede de 25 institutos de inovação e outros 60 de tecnologia, estão previstas também a criação de novas escolas.

 

Fonte: ANPEI

Hernan Chaimovich é indicado presidente do CNPq


O bioquímico Hernan Chaimovich aceitou o convite do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, para ocupar o cargo de presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Chaimovich é coordenador do programa Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

“Trata-se de uma nova responsabilidade e espero que a minha longa experiência em Ciência e Política Científica nacional e internacional possa ser útil para o desenvolvimento harmônico da Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil”, disse Chaimovich.

Chaimovich graduou-se na Faculdade de Ciências Farmacêuticas e Químicas da Universidade do Chile, em 1962. Veio para o Brasil com bolsa da Fapesp, fez doutorado na Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutorado nas universidades da Califórnia, em Santa Bárbara, e Harvard, nos Estados Unidos. Foi professor nas universidades do Chile e livre docente, professor adjunto e professor titular de Bioquímica do Instituto de Química da USP.

Paralelamente à atividade científica, à formação pessoal e à docência, ocupou posições de chefe de Departamento de Bioquímica da USP em duas gestões, implantou e coordenou o curso de Ciências Moleculares da USP, dirigiu o Instituto de Química, integrou o Conselho Universitário por quase 20 anos, ocupou o cargo de pró-reitor de Pesquisa da USP entre 1997 e 2001 e de vice-diretor do Instituto de Estudos Avançados da USP.

Chaimovich foi presidente da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular e é membro da Academia Brasileira de Ciência (ABC), atualmente ocupando a posição de vice-presidente.

Também no exterior tem participação ativa em política científica. Foi diretor do International Council for Science (ICSU) e seu vice-presidente, fundou a Rede Interamericana de Academias de Ciências (IANAS), da qual foi copresidente por seis anos, e tem participado de estudos internacionais sobre biossegurança, biosseguridade e sobre tratados de armas químicas e biológicas.

Em novembro de 2014, a convite da Academia de Ciências da Nicarágua, organizou e copresidiu um workshop com especialistas internacionais para analisar e levantar questões sobre o impacto ecológico, econômico e social de um canal interoceânico que está sendo construído pelo governo da Nicarágua em parceria com um investidor chinês.

Ao longo de sua carreira de pesquisador, publicou centenas de artigos científicos em revistas científicas. Um dos primeiros artigos de sua carreira científica, “Kinetic studies and properties of potato apyrase”, publicado no Archive of Biochemistry and Biophysics, em 1965, junto com Aída Traverso e Osvaldo Cori, é citado até hoje.

Dentre as contribuições se destacam “Conceptual Framework for Ion-Exchange in Micellar solutions”, publicado no Journal of Physical Chemistry em 1979, no qual, junto com Frank H. Quina, descreve a metodologia de análise da velocidade de reações em sistemas complexos, e o artigo “Pumping Plants”, publicado na Nature em 1995, junto com Anibal Vercesi, Iolanda M. Cuccovia e colaboradores, que abriu uma nova forma de ver a função de um grupo de proteínas na função mitocondrial.

 

Fonte: ANPEI

Aldo Rebelo recebe antecessores no MCTI


O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, recebeu em seu gabinete, nesta semana, a visita de três ex-titulares da pasta: Marco Antonio Raupp, Roberto Amaral e Sergio Rezende. Nos encontros, os antecessores falaram de suas experiências à frente do ministério e trataram sobre questões diversas relacionadas à área.

Raupp, que comandou o MCTI no período de janeiro de 2012 a março de 2013, esteve com Aldo no dia 19 de janeiro. Nortearam a conversa assuntos como o desenvolvimento tecnológico no País. Entre os pontos, iniciativas em andamento no Parque Tecnológico de São José dos Campos (PqTec-SJC), no estado de São Paulo, do qual Raupp é diretor-geral. “Uma reunião muito positiva”, definiu.

Também o ex-ministro Roberto Amaral, que se reuniu com Aldo Rebelo no dia 21 de janeiro, aproveitou o encontro para relatar um pouco sobre a sua experiência quando esteve no comando da pasta, de janeiro de 2003 a janeiro de 2004. Entre os temas pelos quais eles passaram está o Programa Espacial Brasileiro.

A conversa com Sergio Rezende girou em torno do sistema de ciência e tecnologia, que, na sua visão, deve ser visto de forma ampla, sem deixar de considerar programas estratégicos para o Brasil, como os das áreas nuclear, espacial e de luz síncrotron. “Temos muitas opiniões convergentes e ele [Aldo Rebelo] tem uma visão bastante ampla e aberta do sistema”, comentou o ex-ministro, que conduziu a pasta entre julho de 2005 e dezembro de 2010.

 

Fonte: ANPEI

Benefícios fiscais para smartphones são prorrogados até 2018


iphone

 

A presidenta Dilma Rousseff sancionou no dia 20 de janeiro a Lei 13.097/2005, que, entre outras medidas, prorroga para 31 de dezembro de 2018 a isenção de PIS/Cofins dos smartphones. A iniciativa faz parte de uma política ampla do Ministério das Comunicações para disseminar os celulares inteligentes e incentivar a produção de aplicativos nacionais.

Desde 2013, para ter acesso aos benefícios tributários, os aparelhos devem custar até R$ 1.500, atender às definições tecnológicas estipuladas pelo MiniCom e disponibilizar aos usuários um conjunto de aplicativos produzidos no Brasil.

O secretário de Telecomunicações do MiniCom, Maximiliano Martinhão, explica que, antes do lançamento da política, o celular já era visto como uma ferramenta importante para o acesso à internet, mas, até então, só três de cada 10 celulares vendidos no país eram smartphones.

“A gente achou oportuno estimular a adesão da população ao smartphone. Essa medida deu tão certo que no fim de 2013 houve o equilíbrio: de cada 10 celulares vendidos, metade eram smartphones. No fim do ano passado, 80% das vendas já eram smartphones, isso dentro de um total de 70 milhões de aparelhos comercializados”, afirma.

O secretário credita o sucesso da política à adesão da indústria, que repassou os benefícios diretamente aos aparelhos, à política de incentivo aos aplicativos nacionais, à expansão das redes 3G e 4G e à regulamentação do MiniCom que definiu os requisitos técnicos para os aparelhos serem classificados como smartphones.

De acordo com Martinhão, para manter esses resultados, vale a pena avaliar a necessidade de atualizar as exigências do programa. Para isso, a ideia é dialogar com os fabricantes e desenvolvedores.

“Em função da prorrogação, a gente precisa reavaliar a definição de smartphone, que foi feita há dois anos. Temos que ver se não é oportuno a gente pensar em uma atualização, da mesma forma na questão de desenvolvimento de aplicativos. A gente vai fazer uma avaliação com os interessados, os fabricantes, desenvolvedores de aplicativos, e a partir dessa avaliação, tomar uma decisão”, diz.

 

Fonte: ANPEI