O primeiro Contact Center com foco 100% em Redes sociais será lançado ainda este ano no Porto Digital – Bairro do Recife


O primeiro Contact Center com foco 100% em Redes sociais será lançado ainda este ano no Porto Digital - Bairro do Recife

O primeiro Contact Center com foco 100% em Redes sociais será lançado ainda este ano no Porto Digital - Bairro do Recife

Será lançado ainda este ano no Porto Digital, o primeiro Contact Center, com atendimento e relacionamento com o cliente, 100% baseado na redes sociais.

A estratégia é gerenciar os atendimentos aos clientes, através das redes sociais, que se tornaram os principais canais de relacionamentos das empresas.  E que projetam um aumento de 50% ao ano.

 

Contact Center Social Media  Porto Digital Recife ICOMUNI Consultoria Redes Sociais

 

A ICOMUNI Consultoria está projetando uma expansão em 50% ainda no primeiro trimestre de 2011. Os clientes já adiantaram as demandas, o que ajudou no planejamento e antecipação do lançamento aida para dezembro de 2010.

Contact Center Social Media

Informações acesse: www.icomuni.com.br / (81) 3052-1775

As novas apostas do Porto Digital


O Porto Digital apresentou, na manhã de ontem, as primeiras empresas escolhidas para desenvolverem suas atividades na nova incubadora Cais do Porto. Dos 62 projetos inscritos para incubação, treze foram selecionados. Um 14º nome ainda será indicado através do prêmio Pernambuco Inovador. Eles terão como objetivo elaborar soluções para os principais desafios dos setores produtivos primários de Pernambuco, economia criativa, cultura e entretenimento. Além de incentivos fiscais, as empresas poderão utilizar toda a estrutura do local, como pontos de trabalho, notebooks, internet banda larga, data center, salas de reunião, vídeo conferência e suporte gerencial.

O responsável pela elaboração do projeto Redu, André Diniz, um dos selecionados para a nova incubadora, aproveitará a ação do Porto Digital para aprimorar as soluções. “Vamos utilizar ao máximo a estrutura local e lançar a versão definitiva do nosso aplicativo até setembro”, diz André, que desenvolveu a solução para ensino à distância baseada em redes sociais. Já Eduardo Cruz, responsável pela elaboração do projeto Rise, focou as atividades no aumento da produção da Tecnologia da Informação local. “A solução tem como objetivo a reutilização do software, proporcionando a redução de custos”, afirma.

Segundo o presidente do Porto Digital, Francisco Saboya, a intenção não é oferecer apenas o espaço. “Hoje, mais da metade das empresas brasileiras oferecem somente a infraestrutura para a incubação. O diferencial do Cais do Porto está na ênfase que será dada a formação dos negócios”, diz Saboya, sobre o direcionamento dos projetos. “Os candidatos passaram por um processo rigoroso de seleção e nos apresentaram ideias que poderão ser transformadas em soluções, em cima dos problemas do Estado de Pernambuco e da sociedade”, completa.

Os setores priorizados no processo de seleção, de acordo com o gerente da incubadora, Eiran Simis, são as áreas de saúde, energia e economia criativa, que também suportam soluções para eventos de grande porte. “Durante um ano e meio, as empresas passarão por uma capacitação teórica, depois haverá o design do negócio, o desenvolvimento das soluções e, por último, a saída da incubadora, que é a fase mais importante”, afirma Simis.

Conheça os projetos:

1. Opará (Gustavo Monteiro)

Solução focada na modernização do ciclo de frutas do Vale do São Francisco.

2. Rise (Eduardo Cruz)

Projeto que visa a reutilização do software, possibilitando a redução de gastos com licenças.

3. Bid Corp (Ricardo Farias)

Solução para leilões corporativos online.

4. Tocaê (Daniela Talmon)

Plataforma para a venda de músicas digitais, voltada ao público que não pode adquirir músicas através da operadora.

5. Bluwhee (André Britto)

Dispositivo criado para o envio de conteúdo via bluetooth.

6. In Mídia (Silvio Oliveira)

Aplicativo focado na utilização de mídias interativas.

7. Carnaval Digital (Juliano Dubeux)

Serviço que facilita a comunicação em grandes eventos. O aplicativo fornecerá informações de controle fluxo, por exemplo, via celular.

8. Seu Ticket (Antônio Inocêncio)

Plataforma para a compra e venda de ingressos. A solução será disponibilizada via SMS e pela internet.

9. Redu (André Diniz)

Ferramenta baseada em redes sociais, que permite a integração entre alunos de ensino à distância.

10. Mobiclub (Tiago Leite)

Solução de pagamentos que tem como ojetivo a eliminação de filas em restaurantes, por exemplo. O prótotipo já foi desenvolvido.

11. Ahimsa (Edmilson Rodrigues)

Serviço de negócio social para pagamentos. Segundo o responsável pelo projeto, a solução ainda é segredo.

12. Retriever (Lúcio Ribeiro)

Ferramenta que visa a automatização da logística entre distribuidores de proteses ortopédicas

13. Portal da Locação (Ronaldo Barros)

Solução que tem como objetivo ligar as empresas de construção civil e as empresas de locação de equipamento.

Jovens encontram apoio para projetos em incubadoras


Incubadora_ovo

No Brasil, 25% dos empreendedores são jovens; incubadora é espaço para aprender a gerenciar um negócio

Brasília – Jovens antenados e que acreditaram nos projetos criados em plena faculdade a ponto de transformá-los em um negócio inovador. Assim podem ser apresentados os empreendedores Marcos Passos, 19 anos, e Frederico Biehl, 27 anos, que hoje têm empresas incubadas no Micro Distrito Industrial de Base Tecnológica (Midi Tecnológico), de Florianópolis (SC).

Eles são exemplos de jovens que têm aumentado sua participação na atividade empreendedora a cada ano, segundo dados da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2008. De acordo com a GEM, o Brasil alcançou o terceiro lugar no ranking mundial de países com grande número de jovens empreendedores. De todos os empresários do País, 25% são jovens. O Brasil fica apenas atrás do Irã (29%) e Jamaica (28%). São cerca de 3,82 milhões de jovens brasileiros à frente de negócios.

Marcos Passos é sócio e criador da Bookess, uma editora e biblioteca virtual. Nesse ambiente, o usuário pode criar o próprio livro. Lá também são encontradas obras de domínio público cujos direitos econômicos não são de exclusividade de nenhum indivíduo ou entidade. Por isso, é possível encontrar livros de Machado de Assis e de Antoine de Saint-Exupéry, como ‘O Pequeno Príncipe’.

Quando tinha 17 anos e entrou para a faculdade de Ciência da Computação, Marcos começou a desenvolver a Bookess. A idéia veio quando se programou para terminar de ler o livro ‘Fortaleza Digital’, durante uma viagem que fez. “Fiz tantos planos que acabei esquecendo o livro em casa. Aí percebi que se ele estivesse disponível na internet poderia lê-lo”, conta.

Solução

Esse problema acabou virando uma grande oportunidade. Marcos começou a trabalhar no desenvolvimento de uma ferramenta que possibilitasse a leitura de livros pela internet e foi além: criou também a função de biblioteca. O site Bookess foi lançado em abril do ano passado.

Na busca de aprimorar o serviço, em setembro do mesmo ano, ele enviou um plano de negócios para investidores. O processo, composto por um período de longa análise, entrevistas e testes, foi concluído no início deste ano, quando a Bookess conseguiu o aporte de capital.

O investimento trouxe muitas mudanças. Marcos mudou-se do Rio de Janeiro para Santa Catarina porque o contrato prevê que a empresa e o empreendedor devem estar num raio de 200 quilômetros do investidor. E, por isso, também teve que fazer transferência para outra faculdade.

Além disso, a empresa que já funcionava na incubadora MIDI Tecnológico, em Florianópolis, como incubada virtual, com menos benefícios, passou a ser incubada presencial. Isso trouxe além de mais benefícios, menos taxas. “Incubadora é um ambiente legal, rodeado de projetos inovadores. Estar em uma incubadora ajuda a empresa a se estruturar sem muitos gastos e também é aqui que temos acesso a uma série de serviços, como assessoria jurídica, assessoria de imprensa e de marketing”, destaca.

Nesse ambiente da incubadora, a cada dia o site Bookess é aprimorado. Já são três mil livros publicados. “As pessoas entram e enviam seus livros gratuitamente e é feita a publicação no site. Hoje, os três livros mais lidos ganham uma versão impressa. É a realização daqueles que sonham em ser escritores e não tiveram ainda uma oportunidade no mercado editorial”, ressalta. Quando um livro é publicado, não é apenas a impressão que o autor ganha, mas todo um processo para torná-lo oficialmente um autor no Brasil. A pessoa fica com registro no sistema internacional ISBN que identifica numericamente os livros segundo título, autor, país e editora.

Os serviços do site são totalmente gratuitos. Daqui a três meses, cada pessoa vai poder enviar o livro e recebê-lo impresso. Para isso, será cobrado apenas o custo de produção de um livro. O cálculo será feito em cima do número de páginas e pela impressão colorida ou preto e branco.

Para Marcos, o fato de ser jovem não gera preconceitos quando está à frente dos negócios. “Se às vezes a pouca idade pode parecer uma desvantagem na hora de conseguir investimento, é preciso buscar vantagens para suprir isso, como responsabilidade, idéia boa e original e a crença de que é possível concretizá-la”, diz. “O mercado sempre busca soluções para problemas antigos”, completa.

Na política

Frederico Biehl é outro exemplo. Seu negócio surgiu de um trabalho para a conclusão da graduação em 2005. A idéia veio do pai, que é político. “O objetivo era usar a tecnologia para atender ao cidadão, intensificando a interação do agente político com a sociedade”, explica. Trata-se de ferramenta on line que é usada pelos políticos, uma espécie de escritório virtual, para gerenciar informações no ambiente político. A ferramenta é chamada de Inteligência Política (Ipol).

Após o término da graduação, Frederico decidiu melhorar esse sistema para transformá-lo em produto. O site Ipol foi colocado no mercado em meados de 2007, quando a empresa Sintonia já estava incubada no Midi Tecnológico. Atualmente, 15 agentes políticos utilizam a ferramenta. Segundo ele, todo o crescimento que tiveram desde o lançamento do site vem do apoio da incubadora. “Não é em qualquer ambiente que você sai da sua sala e encontra um gênio na sala ao lado. Na incubadora, isso é possível. Já ocorreram várias situações em que o apoio de colegas ajudou muito. Apesar do foco dos negócios serem diferentes, estamos todos trabalhando com tecnologia”, destaca.

Programa de incubação vai apoiar dez empresas da Mata Sul do Estado


 

www.ideiape.com.br

A unidade do Sebrae Mata Sul lança o Programa de Incubação de Empresas (I.D.E.I.A.) no Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife. 

O objetivo da iniciativa é selecionar dez empresas das áreas de Tecnologia da Informação (TI) e comércio. A coordenadora do I.D.E.I.A., Andréa Viana, explica que serão feitos dois tipos de seleção. “A empresa que ainda não tem um plano de negócios pronto deve se candidatar primeiro para a pré-incubação, ou seja, para a incubação de projetos e ideias. Ela será encaminhada para o projeto PROPRIO do Sebrae, e depois que apresentarem viabilidade serão incubadas”, diz.

As empresas prontas poderão se inscrever diretamente no edital de Incubação de Empresas, preenchendo o formulário que vai estar disponível no site do I.D.E.I.A. “Vamos avaliar o resumo executivo dessas empresas para selecioná-las”, afirma Andréia. Atualmente existem três empresas incubadas, uma de design, logística e uma de softwares e sistemas.

O gerente da unidade Sebrae da Mata Sul, Gustavo Aguiar, explica que o projeto de incubação visa reduzir as estatísticas de abandono dos empreendimentos – segundo ele, atualmente, mais da metade nos novos negócios fecha nos primeiros dois anos.

“A incubação para a empresa é análoga à incubação do ser humano: quando um bebê nasce mais frágil, ele vai para uma incubadora, recebe medicamentos. Na incubadora, a empresa tem todo suporte técnico de consultoria e capacitação, principalmente em gestão empresarial, para que ela torne mais competitiva do mercado”. 

Ainda segundo ele, as empresas escolhidas não terão custo nenhum com o projeto. “Se o empresário tem uma ideia, ele vai colocá-la no papel, em um plano de negócios, e vamos analisar a viabilidade dela – concorrentes, fornecedores, clientes, faturamento mínimo para cobrir custos fixos e variáveis, retorno e como essa empresa vai remunerá-lo”.

A ação acontecerá no Auditório do Sebrae Mata Sul, que fica na Rua Vigário João Batista, 154, centro do Cabo de Santo Agostinho e é gratuita. Mais informações pelo telefone (81) 3521-2270.

Site: http://www.ideiape.com.br

Erros e Acertos dos novos Empreendedores pós crise


Balança

Dos computadores para os grelhados

O economista João Böer, 44 anos, desesperou-se quando soube que perderia seu emprego como diretor de vendas da Oracle, multinacional de tecnologia em que trabalhava havia uma década. “Só conseguia pensar em arranjar um emprego parecido, mas o telefone da minha casa não tocava”, conta. Em meio à crise e sem enxergar uma saída a curto prazo, Böer tomou uma difícil decisão: ele, que jamais havia pensado em ter o próprio negócio, resolveu investir algo como 500 000 reais num restaurante de grelhados em São Paulo. Isso depois de analisar dezenas de possibilidades. “Comida está dando dinheiro”, diz o economista, que já entendia o suficiente de finanças para montar uma empresa – mas nada de comida. “Fiz um curso para aprender, literalmente, o feijão com arroz.”

Onde ele acertou: optou por abrir sua empresa num dos setores que mais crescem no país – o de alimentação.

Onde ele errou: dispensou um processo seletivo mais demorado e já precisou trocar três dos 22 funcionários.

A crise fez surgir no Brasil um novo tipo de empreendedor. É gente que jamais havia pensado em ter o próprio negócio até perder recentemente o emprego e se ver sem perspectiva de arranjar outro. Eles ocupavam bons cargos em grandes corporações e, juntando o fundo de garantia à rescisão de contrato, receberam, ao sair, dinheiro suficiente para começar uma empresa. Um novo estudo da consultoria DBM, uma das maiores em recolocação de executivos do mundo, dimensiona o fenômeno no Brasil – que repete, numa escala menor, o cenário nos Estados Unidos. O levantamento mostra que, desde outubro passado, o momento mais agudo da crise, cresceu em 60% o número de brasileiros que, uma vez demitidos, decidiram partir para um negócio próprio. Até agora, são algo como 100 000 pessoas. Eles não têm perfil aventureiro: 90% procuram alguma espécie de assessoria antes de montar sua empresa. Ainda que suas experiências no antigo emprego possam ser de grande valia, reconhecem que muitas das situações que se apresentam agora são inteiramente novas – não apenas porque se tornaram donos de um negócio pela primeira vez, mas também porque a maioria mudou de área. É o caso do engenheiro Raul Bonan, 38 anos, e de sua mulher, a advogada Christiane Magalhães, 35, hoje à frente de duas lanchonetes especializadas em servir chá-mate no Rio de Janeiro. Diz a ex-executiva de banco: “É um desafio começar uma nova carreira a esta altura da vida”.

O surgimento dessa nova geração de empreendedores ajuda a explicar por que o número de pequenas empresas no país já subiu tanto neste ano – o crescimento foi da ordem de 20%, de acordo com um relatório recém-consolidado pelo Departamento Nacional de Registro do Comércio. Os negócios tocados por esses novatos, no entanto, têm indicadores bastante diferentes daqueles que marcam, tipicamente, o empreendedorismo no Brasil. A começar pelo capital investido de saída, até 500 000 reais, bem mais do que os 20 000 reais com os quais se inicia, em média, um negócio no país. Com diploma de ensino superior e, em muitos casos, até com MBA no currículo, os novatos também contribuem para o aumento na escolaridade dos empresários brasileiros – em geral, muito baixa. Para se ter uma ideia, apenas 17% dos donos de empresa no país pisaram numa universidade. “Esses ex-executivos têm um perfil bem raro entre os empreendedores no Brasil”, diz Ricardo Tortorella, diretor do Sebrae. Eles estão, sem dúvida, em melhores condições para vingar num cenário em que um terço das empresas abertas no país fecha antes de completar um ano. “Com mais dinheiro para investir e preparo para levar um negócio adiante, têm infinitamente mais chances de prosperar”, afirma o economista Maílson da Nóbrega.

Ainda que iniciem o negócio em vantagem, a curta experiência dos novos empreendedores aponta para algumas dificuldades. Não é fácil para eles, antes de tudo, desistir de procurar trabalho em empresas. Até chegar a esse ponto, João Böer, 44 anos, ex-diretor de vendas da Oracle, uma das gigantes da internet, passou três meses esperando o telefone tocar, depois de espalhar currículos no mercado. “Foi complicado aceitar a ideia de que o mais sensato era iniciar um negócio, coisa que jamais havia cogitado”, diz Böer, que, apesar da assumida inaptidão para a cozinha, se tornou dono de um restaurante de grelhados em São Paulo. Justamente a segunda dificuldade para ele e os outros foi escolher em que investir. A lição nesse campo é simples, embora pouco aplicada no país: para a empresa dar certo, ela deve atender a uma demanda real da economia, ainda que seja numa área nova para o dono. Os empreendedores da crise, apesar de algum sofrimento para enfrentar mudança tão radical, demonstram pragmatismo. Estima-se que pelo menos a metade deles foi parar no ramo de alimentação, um setor que cresce. Resta, porém, um obstáculo que pode atrapalhar os novatos. “Como não escolheram esse caminho, talvez lhes falte o espírito de liderança e a obstinação necessária”, pondera Rodrigo Teles, diretor da Endeavor, instituto que incentiva a cultura empreendedora. “Só vão dar certo os que não pensarem apenas na sobrevivência – mas em crescer.”

A essas dificuldades somam-se aquelas que qualquer brasileiro enfrenta ao abrir um negócio. O processo é dolorosamente lento e burocrático. Um ranking de 181 países organizado pelo Banco Mundial traz o Brasil entre aqueles onde é mais penoso montar uma empresa, na 127ª posição. Para abrir um negócio, é preciso esperar, em média, 152 dias e ainda ter paciência para cumprir dezoito procedimentos burocráticos. Para efeito de comparação, nos Estados Unidos a empresa sai do papel em seis dias e a burocracia tem um terço do tamanho. O crédito também é mais caro e escasso no Brasil, o que obriga as pessoas a fazer uso da poupança – ela fornece em torno de 70% do capital inicial investido em uma empresa no país. Por fim, pesa contra os profissionais uma alta carga de impostos, que chega a abocanhar 52% do lucro das empresas. Mais de dois terços dos empreendedores brasileiros são informais – outro ponto em que os novatos decidiram agir de forma diferente. Entre eles, praticamente inexiste a informalidade.

Foi depois de passar por todos esses entraves que o engenheiro químico Marcio Bastos, 60 anos, recém-demitido de uma multinacional petrolífera, tomou a decisão de criar um negócio voltado para prestar assessoria a iniciantes como ele: “É um aprendizado. Vi logo que não dava para replicar os processos de uma multinacional numa empresa pequena”. Um alto grau de empreendedorismo é vantajoso para qualquer país. O economista Joseph Schumpeter (1883-1950) dizia que, sem isso, não haveria inovação tecnológica e os países estariam fadados a uma posição de equilíbrio estático, em que o crescimento da economia seria nulo. O Brasil é o 13º país mais empreendedor do mundo, mas o que se vê ainda é distante daquele cenário pintado por Schumpeter: predominam aqui negócios minúsculos, sem grande inovação, que são varridos do mapa na mesma velocidade com que surgem. “Esses negócios não se traduzem em aumento de vagas no mercado de trabalho, maior oferta de serviços ou preços mais competitivos, como ocorre quando o empreendedorismo é de alto nível”, avalia Valentino Carlotti, presidente no Brasil do banco Goldman Sachs. Daí a relevância do aparecimento desse novo grupo de empreendedores, do qual faz parte a administradora de empresas Clara Barreiros, 54 anos, dona de um MBA e de longa experiência no laboratório francês Sanofi-Aventis. Lá, ela gerenciava toda a logística envolvida na manutenção do prédio da multinacional. A empresa que acaba de abrir é da mesma área. Diz a administradora, que pensa de forma parecida à dos demais novatos: “Sofri muito com a demissão, mas agora já não me vejo em outra vida”. Bom para ela – e para a economia do país.

Aposta na inovação

O engenheiro eletrônico Antonio Gutierrez, 34 anos, anda ansioso. Desde que abriu sua empresa, em março, ainda não viu nenhum dinheiro entrar. Só teve gastos. “O começo é muito difícil, mas estou apostando alto”, diz. Depois de ser demitido de uma empresa especializada em licenciamento de softwares, na qual trabalhou por cinco anos, Gutierrez resolveu aproveitar seu conhecimento para tentar avançar numa área bem específica: a de criação de quiosques eletrônicos de autoatendimento (aqueles utilizados em aeroportos e supermercados). Sabe que há mercado para isso: “Enquanto no Brasil existem quatro fabricantes desse produto, nos Estados Unidos são mais de 100”.

Onde ele acertou: está investindo em inovação. Custa caro, mas as chances de retorno são altas.

Onde ele errou: não procurou um especialista para se informar sobre o processo de abertura de uma empresa – e a sua levou mais de seis meses para sair do papel.

Velhos contatos na vida nova

A administradora de empresas Clara Barreiros, 54 anos, precisou passar por dezenas de processos seletivos até se conformar com a dura realidade: apesar do currículo impecável e de sua longa experiência no laboratório francês Sanofi-Aventis, arranjar emprego em meio à crise parecia improvável. Foi aí que ela teve a ideia de abrir uma empresa na mesma área em que trabalhava. Como gerente de facilities, Clara cuidava dos equipamentos e da infraestrutura da multinacional – das cadeiras dos funcionários à fachada do prédio. Entendia tudo disso, mas nada de negócios. “O jeito foi fazer cursos para aprender o básico”, diz ela, que tem a seu favor uma extensa rede de contatos. “Eu me sinto segura.”

Onde ela acertou: fez cursos específicos sobre empreendedorismo antes de se arriscar na carreira-solo.

Onde ela errou: firmou parcerias para executar serviços aos clientes sem se certificar da idoneidade dos sócios – e precisou voltar atrás.

Encontro discute expansão de incubadoras no Centro-Oeste


erinco

Com a parceria do Sebrae em Goiás, a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e a Fundação de Desenvolvimento da Tecnologia (Funtec) realizam em Goiânia o 6º Encontro Regional de Incubadoras do Centro-Oeste (Erinco), nos dias 4 a 6 de junho.

Segundo a entidade organizadora do evento, o encontro deve promover a integração e a troca de experiências entre incubadoras de empresas do Centro-Oeste brasileiro, seus profissionais e instituições interessadas. Para a presidente da Rede Goiana de Inovação (RGI), Maria Inês Miranda, o Erinco é uma oportunidade para a apresentação de novos mecanismos para o desenvolvimento e a sustentabilidade das incubadoras.

“O evento associa-se à expansão das incubadoras no Centro-Oeste do País e suas estratégias junto aos mercados interno e externo”, explica a presidente, que estima receber aproximadas 150 pessoas, entre representantes de cerca de 40 incubadoras de empresas dos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e do Distrito Federal, além de estudantes de administração de empresas de universidades e faculdades goianas.

Empreendedorismo

Maria Inês lembra que uma incubadora de empresas estimula o empreendedorismo, ao preparar e fortalecer micro e pequenas empresas (MPE) para sobreviver no mercado. “Uma incubadora pode oferecer apoio estratégico às MPEs durante os primeiros anos de existência, principalmente, tempo crucial para o progresso do empreendimento”, observa.

Segundo a Anprotec, as primeiras incubadoras de empresas no Brasil surgiram na década de 80, somando dez unidades em 1991. Atualmente, o País conta com cerca de 400 incubadoras em todo o território nacional. A associação registra as regiões Sul e Sudeste como líderes no número de incubadoras de empresas, com cerca de 130 unidades cada. Enquanto isso, o Nordeste e o Norte brasileiros apresentam cerca de 70 e 14 incubadoras, respectivamente.

Os dados da Anprotec mostram que 32% das unidades estão em municípios com menos de cem mil habitantes, e somente 25% em cidades com mais de um milhão de habitantes. Para a associação, 70% das empresas incubadas são de base tecnológica. A taxa de mortalidade gira em torno de 20%, ao longo de três anos.

Segundo Maria Inês, o principal objetivo de uma incubadora de empresas é reduzir a taxa de mortalidade das pequenas empresas, observando que, segundo números do Sebrae, mais da metade das MPE e médias empresas (56%) fecha suas portas até o terceiro ano de vida.

Fonte: Sebrae

Liderança e constância de propósitos

Programa de Incubação de Empresas SEBRAE


Programa de Incubação de Empresas SEBRAE

A princípio, serão selecionadas dez empresas das áreas de comércio, indústria e serviços.

Os empresários que possuem um projeto, mas não têm meios para colocá-lo em prática, poderão participar do processo de incubação do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) Mata Sul. O edital para inscrição das empresas será divulgado amanhã, durante o lançamento do Programa de Incubação de Empresas.

A princípio, serão selecionadas dez empresas das áreas de comércio, indústria e serviços. “A escolha será por meio de uma banca de avaliação. Um grupo de profissionais avaliará se o plano de ação da empresa corresponde aos pré-requisitos previstos no edital”, afirmou o gerente da unidade de negócios do Sebrae Mata Sul, Gustavo Aguiar.

Com a incubação, o Sebrae oferecerá estrutura e capacitação para que novos empreendedores lancem projetos. Segundo Aguiar, por meio da incubação, as empresas poderão melhor desenvolver os projetos. “Estando incubada, a empresa poderá se desenvolver de maneira mais sustentável, já que terão suporte técnico”, destacou.

De acordo com Aguiar, o primeiro passo para participar do programa é elaborar um plano de negócio. “Uma boa ideia muitas vezes pode não ser viável. O instrumento que reduzirá os riscos de a ideia não funcionar é o plano de negócios”. No lançamento do edital, o coordenador da Rede de Parques e Incubadoras de Empresas de Pernambuco (Incubatec), Maurício Schnecko, realizará a palestra “Empreendedorismo e Incubação de Empresas”.