Curso Internet na Medida


Estaremos hoje ministrando o curso Internet na Medida para o Projeto Fornecedores de Excelência Gerdau. Excelente iniciativa do Sebrae para ampliar a competência e competitividade das MPEs.

Curso-Internet-Na-Medida-Sebrae-Gerdau-Flammarion-Cysneiros

Começa hoje! Projeto Fornecedores de Excelência Gerdau.
Dias 14 a 17 de Março, 18hs às 22hs, Sebrae Em Pernambuco – Recife.

‪#‎cysneiroseconsultores‬ ‪#‎EducaçãoCorporativa‬ ‪#‎curso‬ ‪#‎excelência‬‪#‎Gerdau‬

Organizações beneficentes criam projetos com Google Glass


size_590_crianca-usa-google-glass

Google Glass: aparelho será usado para desenvolver projetos de caridade

 

Cinco associações sem fins lucrativos foram escolhidas pelo Google para colocar em prática ideias de como utilizar o Google Glass para atingir seus objetivos beneficentes.

Os ganhadores que vão participar do projeto do Google foram selecionados entre 1.300 propostas de organizações beneficentes dos Estados Unidos, e receberão da empresa 25.000 dólares cada um e orientação dos engenheiros da gigante da tecnologia.

As propostas vencedoras incluem o uso do Glass para que estudantes vejam por meio dos olhos de atletas paralímpicos, fomentando, assim, a empatia pelas pessoas com deficiência.

Outras ideias são estimular as crianças a aprender matemática e ciências, e melhorar a comunicação com as pessoas com autismo, perda de audição ou problemas com a fala.

O Google Glass -muito esperado por alguns e temido por outros- está à venda no mercado americano desde maio por 1.500 dólares.

O fabricante tenta melhorar a imagem do dispositivo, que tem despertado preocupações relativas à privacidade, já que o dispositivo é capaz de registrar imagens e vídeo.

O Google Glass se conecta à internet por meio de pontos Wi-Fi, ou por smartphones, sem necessidade de cabos. As imagens ou vídeos captados pelo dispositivo podem ser compartilhadas pela rede social Google +.

 

Font Fonte: Exame .PME 

Interessado?

Serviço: http://www.incubatic.com.br 

Fone: (81) 3224-1259 / (81) 3083-5587
incubatic@incubatic.com.br

 

Saiba como atrair acessos para o site de sua empresa!


 

Dez maneiras de atrair clientes para o seu site

Existem diversas maneiras eficientes de aumentar a audiência do seu site de e-commerce. As estratégias vão desde melhorar sua posição nos sites de busca até atrair clientes no Pinterest e no YouTube. Confira aqui as dez dicas do siteAllBusiness para transformar sua loja virtual em um sucesso instantâneo.

1. Use palavras-chave relevantes
Sites de busca respondem por cerca de 35% do tráfego de lojas virtuais. Para melhorar sua posição, pense em cinco palavras que os clientes costumam usar para procurar pelo seu produto. Assegure-se de que esses termos aparecem na descrição do item e nas tags relacionadas.

2. Anuncie em sites de busca
Vá direto nos gigantes. Google, Yahoo e Facebook oferecem opções pagáveis por clique. É uma ótima maneira de exibir seu produto para compradores em potencial.

3. Crie conteúdo de interesse do usuário
Coloque no ar textos que sejam úteis e interessantes para o cliente, mesmo que não tenham uma conexão direta com a venda. Essa estratégia vale para qualquer tipo de negócio. Se o seu site vende roupas, crie um conteúdo com dicas para combinar roupas e publique notícias sobre desfiles de moda. Se trabalha com reciclagem, você pode divulgar um texto sobre logística reversa. Para ganhar mais leitura, inclua suas palavras-chave no título e no texto.

4. Dê espaço para o usuário opinar
Introduza ferramentas que permitam ao cliente dar sua opinião sobre os produtos oferecidos. Esse tipo de interação faz com que o site seja atualizado mais vezes, o que melhora a sua posição em buscas orgânicas. Para que suas resenhas apareçam mais, use uma formatação compatível. Bons exemplos de interação podem ser encontrados nos sites da Amazon e na Apple.

5. Crie um blog
Um blog bem feito pode fazer maravilhas pela sua audiência: basta que o link seja postado nas redes sociais ou em outros blogs. Tanto sócios como diretores podem ser responsáveis pelos textos, que devem falar sobre a área de atuação da empresa, sobre novos produtos, ou sobre temas relacionados. Crie um espaço para comentários no final de cada post.

6. Capriche na descrição dos produtos
Os sites de e-commerce estão repletos de descrições genéricas, monótonas e repetitivas. Textos criativos e instigantes podem fazer toda a diferença para aumentar a audiência do site. O ideal é que cada produto tenha uma descrição única, original e divertida – isso também aumenta sua chance nos mecanismos de busca.

7. Use o Pinterest
Estudos internacionais indicam que o Pinterest está entre as cinco redes sociais mais importantes para os varejistas. Um bom jeito de usá-lo é criar uma conta para a empresa, e daí desenvolver fóruns com links para seus produtos, ou para artigos que promovem a marca.

8. Crie um aplicativo
Vale a pena investir no desenvolvimento de um aplicativo para tablets ou smartphones. Dessa maneira, seu site fica acessível para os consumidores mesmo quando eles não estão em casa. A compra por aparelhos móveis é uma tendência em alta no mercado: usando o acesso mobile, o cliente pode comprar em qualquer lugar, em questão de minutos.

9. Anuncie em sites de comparação de preços
Esse tipo de site costuma atrair um grande número de usuários que estão em busca de preços mais baratos. Um anúncio bem localizado pode aumentar, e muito, a audiência da sua loja virtual.

10. Faça vídeos para os seus produtos
Invista em vídeos profissionais, capazes de mostrar as qualidades do seu produto. Além de postar os vídeos no seu site, crie um canal no YouTube e coloque ali todos os vídeos da empresa. Como o YouTube é de propriedade do Google, isso aumenta suas chances nas buscas por vídeos.

Fonte: PEGN

Palestra sobre redes sociais e e-commerce oferecida pelo Sebrae em Pernambuco


Acontece amanhã, no Sebrae em Pernambuco (sede), dia 15/04, palestra-piloto gratuita sobre Mídias Sociais e E-commerce ministrada por Flammarion Cysneiros, diretor da INCUBATIC Incubadora de Base Tecnológica de Inovação e Conhecimento/Sócio e diretor da Cysneiros e Consultores Associados e diretor da ICOMUNI Comunicação e Mídias Interativas.

O evento será de 08h às 12h com foco nas redes sociais e 13h às 17h com foco em e-commerce, no CEE do Sebrae.

Os interessados devem mandar e-mail para redessociais@pe.sebrae.com.br com nome, telefone, CPF e e-mail para contato.

// <![CDATA[
bb_bid = "1618303";
bb_lang = "pt-BR";
bb_keywords = " ‘names’))); ?>”;
bb_name = “custom”;
bb_limit = “4”;
bb_format = “bbl”;
// ]]>

Seis verbos para os próximos vinte anos do mundo conectado


Muita gente se pergunta (e me pergunta) sobre tendências. Isso sim é uma grande coisa tendenciosa! Ok, não foi engraçado. Agora imagina quantas vezes o Kevin Kelly já fez ou respondeu a esta pergunta.

Quem? Ele co-fundou a revista Wired em 1993, escreveu os livros “New Rules for the New Economy” (Novas regras para a nova economia), “Out of control” (Fora de controle) e “What technology wants” (O que a tecnologia quer), edita o blog Cool Tools, falou em alguns TEDs (não TEDx) e participa de podcasts de “budismo geek” defendendo um uso inteligente (não efusivo) da tecnologia.

Esta semana, na Web 2.0 Expo, KK palestrou defendeu em sua palestra “Seis verbos para os próximos vinte anos”. E é claro que esses seis verbos indicam tendências. Concordo que estamos cansados de usar esses verbos, mas vale retomar o por quê de cada um:

  • screening – ver telas, zapear, filtrar: antigamente, havia a tela da TV e a do computador. Atualmente, e cada vez mais, as telas estão em cada lugar e KK acredita que todas as superfícies vão se tornar uma grande tela;
  • interacting – interagir: para as pessoas, interagir costuma ser com os dedos, mas o iPad está mudando isso. Em breve, poderemos usar gestos, voz, câmeras e outras tecnologias. Citou Minority Report;
  • sharing – compartilhar: estamos apenas no início da socialização das ideias, muito ainda vai evoluir, no caminho do auto-monitoramento de tudo o que fazemos com localização e tempo real;
  • flowing – fluir: KK acredita estarmos em uma nova metáfora para a web. Antes era o desktop nos computadores, depois páginas em sites, agora é cada vez mais transmissão e atualização, conectados à web;
  • accessing – acessar: no mundo para o qual nos direcionamos, vamos acessar mídia, não possui-la. Vimos isso com Netflix, mas logo também no mundo da música;
  • generating – gerar: “a internet é a maior máquina copiadora do mundo”, ele falou. Vai se dar mais importância a coisas que não podem ser copiadas tão facilmente (pagamento facilitado, por exemplo). O imediatismo pode ser a chave – entre pagar por algo agora ou esperar para quando for copiado. Personalização pode ser outra chave.

O que você acha sobre isso? Qual verbo sua startup proporciona que os outros pratiquem? Qual será sua visão quando você tiver sido um hippie, depois um entusiasta multiplicador, depois um pega-leve?

Fonte: Sturtupi

Evento Social Media Week – São Paulo


Começou nesta segunda-feira (7) o Social Media Week (SMW), um dos maiores eventos de mídia social do mundo, que acontece em São Paulo até sexta-feira. O evento reúne profissionais e personalidades influentes da área para debater e pensar o futuro das mídias sociais através de palestras, workshops, bate-papos e apresentações de cases. Ainda são discutidos assuntos ligados ao universo das mídias sociais, bem como a proposta para uma reflexão mais profunda deste universo e, por outro lado, navegando também pelas áreas mais divertidas das mídias sociais.
A Social Media Week acontece simultaneamente em vários países, em cidades como Nova Iorque, Roma, Londres, Paris, Toronto, Hong Kong e Istambul.

A capital paulista abriu os debates com uma discussão sobre o poder dos indivíduos e coletivo nas redes sociais, com Caio Túlio Costa (MVLcom), Fabio Kadow (Jogo de Negócios) e Bruno Natal e Tiago Lins (Queremos).

A primeira versão da programação já está no ar e conta com nomes internacionais como o Daniel Kafie da Vostu, o Santiago Ortiz da Bestiário.org e o Ethan Zuckermann (MIT/TED), além do pocket-show da turma do MemeFactory na NY University.

Confira a programação completa:

07/02 –  Segunda-feira

15h00 às 16h00 – Empowerd or Not?
Um debate sobre o poder dos indivíduos e do coletivo a partir da explosão das mídias sociais, com Caio Túlio Costa (MVLcom), Fabio Kadow (Jogo de Negócios) e Bruno Natal e Tiago Lins (Queremos) com a moderação/participação de Helder Araújo (Busk/TEDxSP).

16h00 às 17h00 – O Social nas Mídias Sociais
As mídias sociais também podem ter um papel social? Um bate-papo com quem está à frente de iniciativas sem fins lucrativos. Com Paulo Farine (Inst. Elos), Maurício Curi (Educartis), Felipe Fonseca (MetaReciclagem), Jorge Carcavallo Picho (REUNAMOS.com), e a moderação/participação de Fernando Barreto (Webcitizen).

17h00 às 18h00 – A Trend-Topicalização da Internet
Quem é capaz de colocar algo nos Trending-Topics? Qual o valor disso, já que muitos resultados são manipulados? Essas e outras perguntas serão tema deste debate com Rogério Bonfim (Virtualnet), Pedro Ivo (Riot), Marco Gomes (boo-box) com a moderação/participação do Gustavo Jreige (Pólvora!)

18h30 às 19h00 – Bestiário.org/Barcelona – Conhecimento em um mundo 2.0
O que é o novo saber em tempos de mídias sociais? Com Santiago Ortiz da Bestiário.org, empresa/coletivo de Barcelona (também presente em Lisboa) especializada na geração e nas novas formas de se visualizar conhecimento, guiada por Bruno Tozzini (DM9DDB).

19h00 às 20h00 – As Mídias Sociais e o Brasileiro
Muito além de um e-mail gratuito, que iniciou esse processo, as mídias sociais estão abrindo um universo novo de conteúdo, conhecimento, informação e cidadania para os brasileiros. Qual o poder, o bem e os males dessa incrível transformação que vem acontecendo no país, é o que conversarão Tim Lucas (TWRAmericas), Claudia Tavares (SenadoFederal), Maurício Moreira (TV1.com), Fábio Ribeiro (Band Outernet), e convidados com a moderação da Rosana Hermann (QueridoLeitor/R7).

20h00 às 21h00 – Gestão de Marcas em Tempos de Mídias Sociais
Como alguns dos principais executivos de comunicação do mercado encaram as mídias sociais, a sua gestão nas empresas e nas agências, o tratamento que as marcas devem ter (ou não) neste universo. ComBeto Aloureiro (Tecnisa), Hugo Rodrigues (Publicis), Ricardo Guimarães (Thymus), Edmar Bulla (PepsiCo) e Marcelo Trípoli (iThink), com a moderação de Jackson Fullen (Sixpix).

21h00 às 21h30 – SMW/SP Pocket Show Opening
Nada melhor do que celebrar o início oficial dos trabalhos da SMW/SP com um pocket-show da banda Nevilton, que recentemente se destacou em várias premiações, entre elas uma da MTV, onde foi escolhida para abrir o show do Green Day em SP. Após o pocket-show, Drinks&Snacks para todos os participantes.

08/02 – Terça-feira

15h00 às 15h30 – Mídias Sociais em Giro pelo Mundo
Juliana Constantino e Rosana Fortes (AgênciaClickIsobar) em um bate-papo/provocação, destacando o que elas tem visto de mais interessante e inovador em termos de ações, projetos e campanhas de mídias sociais pelo mundo.

15h30 às 16h00 – Mídias Sociais Somos Nós, Pessoas
Sempre existem pessoas na frente do monitor e do visor do celular. As mídias sociais nada mais são do que o social, ou seja, pessoas se relacionando. Com a moderação do Diego Remus (Startupi/SMW/SP), e Renata Lemos (ThinkTank) e Mayra França (Follow Digital) como convidadas , eles navegarão pelo lado mais humano, se é que existe algum menos humano, das mídias sociais.

16h00 às 17h00 – Valores da Web – Já quebramos os Paradigmas de Mudança?
Transparência, share, colaboração, democracia, liberdade total, etc., etc… O mundo digital, em especial as mídias sociais, é repleto de novos valores, atitudes, comportamentos e práticas. O quanto de todas essas mudanças já começamos a absorver de fato. Com Ana Erthal (UERJ/ESPM), Pablo Handl (Hub), Alexandre Ottoni e Deive Pazos (Jovem Nerd) com a participação/moderação do Rafael Sbarai (VEJA ON_LINE).

17h00 às 18h00 – JWT – Verdades, Mentiras & Mídias Sociais
Um olhar clínico, crítico e questionador sobre mídias sociais, a partir da pesquisa feita pela JWT Brasil, com exclusividade para o SMW/SP. Cris Dias, Ken Fujioka e Patrice Lamiral da JWT conduzirão o papo.

18h30 às 19h00 – Don’t feed the Trolls (or Do It)
Wagner Martins (Mr. Manson/Espalhe) irá conversar/moderar (se não o trollarem) um papo sobre um dos fenômenos mais típicos das mídias sociais em todo o mundo: a trollagem, o que é, qual o outro lado da história, causos, histórias e, claro, as melhores trolladas. Nada melhor do que um time de personagens que sabem do que falam – Nando Pax (NerdsKamikaze), IzzyNobre (HBdia) via Skype, Vinicius Kmax (hacker) – para responder se, afinal, devemos ou não (e porque) “feed the trolls”! =)

19h00 às 20h00 – Canal Direto: Empresa x Consumidores
Já imaginou um diretor de marketing frente a frente com 3 consumidores? Sem intermediários nem filtros, num bate-papo aberto sobre mídias sociais? É isso que João Ciaco, diretor de marketing da Fiat, responsável por vários projetos interativos da marca, entre eles o case Fiat Mio, um dos maiores sucessos do marketing em mídias sociais em todo o mundo, encarará neste encontro. Sem intermediários, agências ou especialistas em mídias para se meter no papo. Pedro Porto (FischerFala) conduzirá a conversa.

20h00 às 21h00 – Um olho no globo, outro na twittada
Se o digital trouxe uma onda de globalização para empresas e pessoas, qual a visão de quem acompanha esse contexto globalmente? B. Bonin Bough, Diretor Global da Área Digital e de Mídias Sociais da Pepsico vai nos trazer seu olhar sobre o que está acontecendo mundo afora, e sobre as diversas experiências puxadas pelas marcas da Pepsico, num papo guiado por Carolina Terra (Agência Ideal). *Evento em inglês, com intérprete

21h00 às 22h00 – MemeFactory Show – What We Know So Far
Mike Rugnetta, Patrick Davison e Stephen Bruckert fazem parte da MemeFactory, um espetáculo criado pela What We Know So Far, que estuda os memes e faz apresentações em formato de pocket shows mundo afora, e que preparou uma apresentação especial para fazer no SMW/SP, com show exclusivo sobre memes, virais, mídias sociais e como eles interpretam esses fenômenos todos.*Evento em inglês

09/02 – Quarta-feira

15h00 às 16h00 – Isolamento Digital x Inclusão Social?
A discussão não é nova, mas as respostas continuam não satisfazendo e, com a chegada das mídias sociais, novamente vale a pena parar para pensar se, no final das contas, esse incrível universo de ferramentas sociais está criando mais exclusão, mais segregação ou se, por outro lado, elas têm tido um papel de inclusão social de verdade. Para conversar conosco teremos Tiago Dória (IG), Luciana Annunziata (Dobra Learning) com a participação/moderação de Luciano Palma (Consultor).

16h00 às 17h00 – Mídias Sociais e o Mundo Mobile – Real x Mito
Apps, smartphones, geo-localização, realidade aumentada, etc. “O mundo é mobile” disse Eric Schmitt do Google em 2010. O que é, para onde vai, quais as tendências, os cases, os sucessos e os fracassos das mídias sociais no universo móbile no Brasil e no mundo. Estarão conosco Marcelo Castelo (F.biz), Gustavo Ziller (Aorta), Breno Masi (Fingertips), Leo Xavier (PontoMobi), Fernanda Magalhães (Mobext) com a moderação/participação do Neto (Bullet).

17h00 às 18h00 – Mitos & Verdades das Métricas e do ROI em Mídias Sociais
Como analisar a performance de uma campanha em um universo tão novo como o das mídias sociais? Leads, impressões, seguidores, amigos, RT’s, etc… Afinal, como se mede relacionamento, que é o que acontece, em última análise, nas mídias sociais? Para nos ajudar nesses dilemas todos teremos o Edney Souza (BlogContent), Renato Shirakashi (Scup), Fábia Juliasz (Ibope) e Ricardo Almeida (I-Group), mediados por Thomaz Gomes (ResultsON/Sixpix).

18h30 às 19h00 – Entrevista ao vivo
Rafa Losso, da MTV, irá entrevistar ao vivo os jovens Lucas e Arthur do Vagazoids e o Cid do Não Salvo, exemplos de produtores de conteúdo mais influentes das mídias sociais brasileira.

19h00 às 20h00 – Social Games – Quem Está Jogando Esse Jogo?
O que nasceu como uma brincadeira se tornou uma febre mundial e, por consequência, está criando uma nova área de oportunidade e negócios para o mundo da comunicação. Qual o real potencial e impacto dos social games? Quais os DOs e os DON’Ts deste mercado? Como medir ROI? Como jogar esse jogo e ser vencedor? Para responder a essas e várias outras perguntas, convidamos Andrew de Andrade (Social Games Specialist), Heloísa Lima (Dentsu Latin America), Cauã Taborda (Info), com moderação/participação da Renata Honorato (Expert Games/VEJA).

20h00 às 21h00 – Games, Grana e Gente
Daniel Kafie, CEO da Vostu, maior desenvolvedora de social games do Brasil, empresa baseada nos EUA, cuja equipe de desenvolvimento fica integralmente na Argentina e que recentemente recebeu investimento de 30 milhões, será entrevistados por Michel Lent (PontoMobi) e Pyr Marcondes (PróXXIma).

21h00 às 22h00 – Social E-commerce – Comprando e se conectando
Uma conversa sobre os rumos do e-commerce, com seu crescimento contínuo, misturado ao poder das mídias sociais. O modo como nos relacionamos interfere no modo como consumimos? Onde entram nessa história os sites de comparação, os aplicativos mobile, e as lojas físicas? Pra falar sobre tudo isso, Rodrigo Borges (Buscapé), Andrea Dietrich (Grupo Pão de Açucar), Rodrigo Waissman (Frugar), com moderação de Lucas Couto (SMW/SP).

10/02 – Quinta-feira

15h00 às 16h00 – O Eu Digital
O quanto nós indivíduos somos impactados pelas mudanças culturais e psicológicas geradas pela disseminação das mídias sociais? O que significa ter uma vida on-line pública? O que é a webcelebridização de cada um de nós no universo digital? Gisele Beiguelman (Artista Digital/PUC) e Luiz Algarra (Papagallis) farão um dueto para tentar desvendar um pouco do que é esse novo “eu digital”.

16h00 às 17h00 – Humor.com – do que, por que, com quem rimos?
Rafinha Bastos (CQC), Antonio Tabet (Kibeloco), Mederijohn Corumbá (Galo Frito), e Xico Sá (escritor/colunista) juntos você nunca viu em lugar nenhum. E por que fizemos questão de juntamos todos? Para falar (e rir) um pouco do conteúdo humorístico e divertido que se produz na web e nas mídias sociais e que vem conquistando um legião enorme de seguidores e admiradores no Brasil e no mundo.

17h00 às 18h00 – Quantos, quem, onde, por que somos? Sonho x Realidade
Um bate-papo entre Renê de Paula (Locaweb) e Gil Giardelli (ESPM/Gaia), em torno da visão de cada um deles sobre as mídias sociais, as verdades, os exageros, os números over-dimensionados e a dura realidade de quem trabalha e pensa esse universo. Como mediador, Pedro Doria (Estadão). Quem sairá vitorioso? Você!

18h30 às 19h00 – Bia Granja Entrevista – Desvendando @s
@BiaGranja (+12k followers), uma das personalidades mais influentes das mídias sociais segundo o iG, terá o desafio de entrevistar/conversar alguns dos @s mais conhecidos do Brasil como @MussumAlive (+99k followers), @NairBello (+76k followers) e a @HebeCamargo (+34k followers) e entender o que essas “personalidades” pensam das mídias sociais, do poder de influência, dos fakes, etc. Se você está esperando descobrir quem está por trás destes @s famosos, terá uma surpresa.

19h00 às 20h00 – Voz e visão do presidente
Como as mídias sociais são observadas por quem está no topo da hierarquia empresarial, e começou sua carreira em uma época completamente diferente da atual? Esse será apenas o começo da nossa conversa com Fábio Barbosa, presidente do Conselho do Banco Santander.

20h00 às 21h00 – O Futuro das Mídias Sociais
A revolução começou. O poder está nas mãos dos consumidores. Tudo mudou. Já não se faz mais comunicação como se fazia até poucos anos. Até aqui, consenso geral. O que não se sabe é para onde as coisas irão e, como tudo isso irá afetar a maneira como as empresas se comunicam com seus públicos… E para nos ajudar a ter dicas valiosas, reflexões interessantes e insights bacanas, chamamos grandes nomes da comunicação, especialistas e pensadores, que, juntos, nos levarão por uma viagem futurista mas com muito pé no chão. Abel Reis (AgenciaClickIsobar), Edney Souza (BlogContent), Martha Gabriel (ESPM), Gustavo Fortes (Espalhe), Ricardo Cavallini (WMcCann), Roberto Grosman (FBiz), com a participação/moderação do Eric Messa (FAAP).

21h00 às 22h00 – Marketing que – DE FATO – fala com o jovem
Em um mundo com tantas mudanças, tantas novidades e que se move na velocidade do click, como pensar em uma comunicação publicitária efetiva, eficiente, envolvente e que consiga criar engajamento de verdade neste público? Eduardo Fraga (Talk Inc.), Yentl Delanhesi (Cubocc) e Tatiana Schibuola (Capricho), com moderação/participação do Keid Sammour (Wunderman), debaterão o assunto, tão em pauta atualmente.

11/02 – Sexta-feira

15h00 às 16h00 – Geo-localização: charme ou realidade, gadget ou business?
O quanto a geo-localização somada às mídias sociais já se tornou um catalisador de resultados? Para entender, organizamos um bate-papo com Juliana Lima (Apontador), Patrick Estrabom (It’s Digital), João Carvalho (PontoMobi), com a participação/moderação do Gabriel Jacob (EBP/FischerFala), que irá discutir o quanto o “geo-marketing” já é um fato, um negócio de verdade, ou ainda apenas potencial, a modinha da vez, mas que ninguém consegue ainda explorar de verdade e bem.

16h00 às 17h00 – Conexões de ideias
Bruno Mastrocolla (Santander) e participantes do Conexões de Ideias ao longo do SMW conversam sobre cases, ideias e insights colaborativos.

17h00 às 18h00 – Mídias Sociais Como Negócio
Naturalmente a propaganda/comunicação tem sido um alavancador de grana das mídias sociais em todo o mundo e, claro, muito do dinheiro que circula pelas mídias sociais é de comunicação. Neste bate-papo, convidados algumas pessoas que vivem de mídias sociais ou cujos negócios são fortemente influenciados por elas, para nos provocarem a refletir como as mídias sociais são (e podem ser) negócios interessantes. Estarão conosco Alexandre Inagaki (Consultor), João Pedro Motta (@OficialJoao/Zuugy), Fabio Seixas (Camiseteria), Marcus Andrade (Guidu), Vivianne Rodrigues (Financial Times), e Rodrigo Junco (Lomadee) com a participação/moderação da Lalai (Remix).

18h30 às 19h00 – Local vs Global
O quanto a globalização, a alegada conectividade mundial e termos nos tornados uma verdadeira aldeia global são mais blábláblá do que realidade de fato? Ethan Zuckerman, pesquisador de mídias sociais do MIT e que recentemente se apresentou no TED discutindo o assunto, onde usou o famoso case de trollagem Cala Boca Galvão, responderá nossas perguntas em vídeo e entrará no papo por Skype, para nos ajudar a entender melhor se as mídias sociais podem criar um mundo melhor, menor, mais próximo ou, se por outro lado, acabará por nos segregar ainda mais. Bob Wollheim (Sixpix), Raphael Vasconcelos (Agência ClickIsobar / TEDxAmazônia) e Caique Severo (IG) terão o desafio de coordenar o papo.(Sixpix) terá o desafio de coordenar o papo.

19h00 às 20h00 – #fail #epic – O Que Bombou e o Que foi #Fail em 2010
Tudo mundo diz que é com os erros que mais aprendemos. Mas, por outro lado, no Brasil, falar de erros é algo que se pratica pouco. Temos um certo preconceito e receio de ofender ou chatear. As mídias sociais acabaram com isso, tanto que o #fail é uma das hashtags mais populares por aqui. Assim sendo, convidamos o pessoal do Brainstorm9, para gravar um Braincast ao vivo, justamente falando do que foi #epic e, claro, dos #fails das mídias sociais no Brasil em 2010.

20h00 às 21h00 – Hall da Fama – entrevista ao vivo
Para encerrar nossa SMW/SP com chave de ouro, reservamos uma atividade que promete se divertida, picante e, claro, muito interessante: uma entrevista ao vivo imperdível do Luli Radfahrer (ECA) com 2 das mais famosas webcelebridades brasileiras: @twittess (Tessália Serighelii – uma das participantes do BBB) e @Mbottan (Miriam Bottan – capa da Pix e mais recentemente capa de ensaio sensual na Trip).

Artista plástica adotou e-commerce para divulgar arte amazônica


O que uma empresa pode esperar do futuro de suas vendas? Certamente essa questão é feita por grande parte dos empresários que querem aprimorar e expandir seu negócio nos próximos anos. Porém, prever os rumos de suas vendas não é algo tão difícil assim, basta casar as tendências do mercado e os passos de seus concorrentes com bom senso e know-how de seus produtos.

Que as redes sociais caíram nas graças dos consumidores já não é nenhuma novidade. Elas são utilizadas constantemente para consultar preços, procurar melhores e diferentes produtos, boas oportunidades e trocar experiência com outros consumidores. Dessa forma não é difícil entender que a empresa precisa estar com seu produto na Internet e isso é feito através do e-commerce. Institutos de pesquisa revelam que 2011 será o ano do mercado virtual em âmbito nacional e internacional e o empreendedor que não tem um site de vendas vai ser passado para trás.

Um negócio chamado arte

Os grandes sites vendem de chocolate à geladeira, tudo sem ver a cara do consumidor e na maioria das vezes sem problemas no processo de venda / compra / entrega. Mas imagine vender obras de arte e souvenires direto do Mato Grosso para o Brasil e para o mundo? Recentemente a artista plástica Mari Bueno adotou o e-commerce como ferramenta para divulgar seu trabalho e vender suas obras, todas feitas com cunho ambiental e social. A profissional, formada em letras e pós-graduada em Arte na Educação e Arte Sacra e Espaço Litúrgico Celebrativo mudou-se para o Mato Grosso há 30 anos, exatamente na época da divisão entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

 

“Há 15 anos as pessoas não estavam tão integradas ao meio ambiente como estão hoje. Dá para sentir isso no mercado a nível nacional e local. A valorização da Amazônia que temos hoje ajuda não só a preservação, mas também à divulgação do meu trabalho”, conta Mari Bueno. O processo criativo de suas telas é baseado na fauna e flora amazônica e no dia-a-dia da região.

O envolvimento com a arte fez com Mari fosse convidada para pintar a Catedral do Sagrado Coração de Jesus de Sinop, cidade onde mora. “Faço uma coisa chamada enculturação, ou seja, mesclo elementos da arte sacra com elementos regionais. Tudo que pinto tem um pouco da minha infância e principalmente a vida nessa região”, afirma a artista plástica.

Amazônia e e-commerce

Há 10 anos Mari Bueno abriu sua galeria onde expõe e vende seus trabalhos. Porém ela percebeu que muitos turistas queriam levar suas obras para casa e pelo tamanho da tela não conseguiam. A partir de uma dificuldade ela encontrou um diferencial: vender suas obras pela internet. O site que já existia e funcionava como mostruário foi totalmente reformulado e passou a abrigar parte de suas obras para venda, contendo descrição, preço, tamanho, peso e todas as informações necessárias para que o usuário estivesse seguro de sua compra. “Quanto mais detalhes do produto colocamos mais temos compras fechadas. O internauta precisa se sentir seguro de que está comprando exatamente o que precisa. Para que chegássemos ao site atual passamos fizemos pesquisas de mercado eletrônico e regional, planejamento, escolha de design, logística, etc”, conta.

Além de suas telas, a empresária vende também souvenirs como canecas, roupas e artigos domésticos. Esses produtos são estampados com imagens das obras da artista plástica e tem dois tipos de acabamento: laca e rústico. “Os souvenirs são uma forma de trazer mais do meu trabalho para perto das pessoas. Algumas vezes o cliente gosta do quadro, mas não pode pagar. Transportando a imagem para uma almofada, por exemplo, ele consome da mesma forma a cultura e é isso que importa”, complementa Mari.

 


Para abrir o e-commerce a artista plástica contou com a ajuda de uma equipe de profissionais indicada pela Karen, da Papinha da Vovó, que já esteve aqui na Voz do Empreendedor do Pensando Grande. Depois de pronto, o mercado é monitorado por uma única pessoa, a mesma que cuida da galeria física. “É tudo muito fácil. O cliente seleciona o produto, escolhe a forma de pagamento e insere o CEP para que o frete seja calculado. Recebemos todos esses dados automaticamente, separamos o produto e o enviamos pelos Correios. Esta é a forma mais rápida, segura e barata de se enviar, seja por Sedex ou PAC”, finaliza Mari Bueno que voltou há pouco tempo do Museu do Louvre, em Paris, onde expôs três de suas obras em uma exposição coletiva brasileira.

Dicas e motivação

“Sempre há muito o que explorar. Tenho sorte de estar numa área que estimula sempre a gente. A arte motiva nossa cabeça e faz com que tenhamos várias ideias novas que funcionam como uma turbina de otimismo. Respiro arte e tenho um papel artístico e social grande para desempenhar. O site está me ajudando a ter mais negócios e oportunidades e o que falta é elaborar um plano de marketing mais avançado”, conta a profissional que assim como todos os empresários já pensou em desistir.

 

Fonte: Pensando Grande

Wikipedia quer chegar a 1 bilhão de usuários em 2015


Fonte: EXAME.com

O novo objetivo do Wikipedia é chegar a 1 bilhão de usuários até o ano de 2015, disponibilizando o acesso em outros idiomas e países, como Índia e Brasil, revelou o co-fundador da enciclopédia virtual, Jimmy Wales.

“Uma enciclopédia gratuita para cada cidadão do planeta em seu próprio idioma sempre foi nossa missão desde o primeiro dia. E é um objetivo que perseguimos de modo obsessivo”, sustentou Wales, em declarações ao jornal “Financial Times” por causa do 10º aniversário de criação do Wikipedia.

Com visitas de mais de 400 milhões de usuários ao mês, o Wikipedia, que é uma organização sem fins lucrativos, presume já ser o quinto site mais popular do mundo, e projeta abrir um escritório na Índia este ano e em breve outro no Brasil.

Quase a metade dos US$ 16 milhões que a enciclopédia virtual arrecadou no mês passado será como destino investimentos em tecnologias como a criação de um segundo banco de dados para facilitar o acesso fora dos Estados Unidos e na Europa.

Wales é otimista sobre o potencial dos computadores com telas táteis, que possibilitarão maiores contribuições de países em desenvolvimento, onde os telefones celulares, às vezes a única forma de acesso à internet, são pequenos e frágeis.

Nos Estados Unidos, alguns colaboradores veteranos do Wikipedia expressam seus desejos para atrair jovens: um deles disse ao “Financial Times” que suas ferramentas de edição, que eram revolucionárias em 2001, “atualmente já são arcaicas”.

Wales reconhece a necessidade de melhorias, mas não se diz preocupado pelo débil crescimento do número de contribuintes: “acho que vamos bem. Temos uma comunidade bastante robusta”.

Mas sua prioridade neste momento, acrescenta, é aumentar a diversidade de seus contribuintes.

Wikipedia está desenvolvendo agora uma interface chamada WYSIWYG, que é o acrônimo da expressão em inglês “What you see is what you get”, cuja tradução remete a algo como “O que você vê é o que você obtem”.

Um problema persistente, diz a publicação, é o fato de decidir quem pode redigir as páginas mais polêmicas como os perfis de políticos importantes, sobre os quais divergem opiniões.

Wales, ex-operador de mercados de futuros e de opções, de 44 anos, não se diz preocupado pelo futuro do Wikipedia: “Não está em minha natureza pensar nos concorrentes. Não me importa o que fazem outros”.