Mutirão da Renegociação e projeto Crescer sem Medo que beneficiam as micro e pequenas empresas do Brasil.


crescer-sem-medo-sebrae

Parabéns ao presidente do Sebrae Guilherme Afif Domingos pela Pauta do Mutirão da Renegociação e ao Presidente da República Michel Temer por sancionar o projeto Crescer sem Medo.

O Projeto de Lei Complementar (PLP 25/2007), também chamado Crescer sem Medo, será sancionado nesta quinta-feira (27) pelo presidente da República, Michel Temer. O projeto altera as regras atuais do Simples Nacional, o sistema de arrecadação simplificado, e cria uma série de vantagens para as micro e pequenas empresas. A solenidade está prevista para as 11h, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). Um dos pontos mais relevantes da nova lei é a ampliação do prazo de parcelamento dos débitos tributários de negócios de pequeno porte.

O projeto prevê que as pequenas empresas possam renegociar as dívidas tributárias do Simples Nacional com a Receita Federal para pagamento em até 120 meses, com parcela mínima de R$ 300. Atualmente, o máximo permitido é o parcelamento em até 60 meses. O prazo para aderir ao parcelamento especial começa a contar a partir de sua regulamentação pelo Conselho Gestor do Simples Nacional e é de 90 dias após sanção do texto, ou seja, até 27 de janeiro.

A medida é importante porque existe um grande número de empresas no país que têm dívidas com a Receita Federal, o que gera uma série de impeditivos para o desenvolvimento desses negócios. Somente no Rio Grande do Norte, são 7.517 empresas inadimplentes e os débitos somavam até setembro cerca de R$ 225,4 milhões. Atualmente, 141,9 mil empresas potiguares são optantes desse regime tributário.

Por isso, durante a sanção do texto, o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, irá lançar o Mutirão da Renegociação para incentivar os pequenos negócios a quitarem seus débitos. “Vamos fazer um mutirão pelo refinanciamento dos débitos bancários, dos aluguéis e renegociar os débitos para as micro e pequenas empresas. Vamos mobilizar o Brasil inteiro, com a ajuda de diversas entidades, para que essas empresas não sejam jogadas no inferno tributário, que é o regime fora do Simples”

guilherme-afif-domingos

Além do aumento do prazo de parcelamento dos débitos tributários, o Crescer sem Medo eleva, a partir de 2018, o teto anual de faturamento do Microempreendedor Individual (MEI) de R$ 60 mil para R$ 81 mil e cria uma faixa de transição de até R$ 4,8 milhões de faturamento anual para as empresas que ultrapassarem o teto de R$ 3,6 milhões. A redução de seis para cinco tabelas e de 20 para seis faixas, com a progressão de alíquota já praticada no Imposto de Renda de Pessoa Física, é outra alteração prevista para 2018. Assim, quando uma empresa exceder o limite de faturamento da sua faixa, a nova alíquota será aplicada somente no montante ultrapassado.

Outro ponto de destaque do projeto é a criação da Empresa Simples de Crédito (ESC), que poderá conceder empréstimos a negócios locais, ampliando as ofertas de financiamento para os empreendimentos de micro e pequeno porte. Além disso, cria a figura jurídica do Investidor-anjo, que financia os projetos de empresas nascentes, sobretudo no meio digital. O investidor-anjo poderá aportar capital em micro e pequenas empresas durante até sete anos com o objetivo de participar dos lucros obtidos por até cinco anos. Tanto pessoas físicas quanto empresas poderão ser um investidor-anjo, que não será considerado sócio nem terá qualquer direito a voto ou gerência, além de não responder por qualquer dívida da microempresa. O contrato pode definir participação limitada a 50% dos lucros da startup e somente será resgatado após dois anos do aporte de capital.

Fonte: AgoraRN

Credenciamento de Consultores de Orientação Empresarial Sebrae 2015 – Cadastre-se Aqui!


20140321163153_banner_negocio_sebrae_2

Oportunidade:

Olá estamos realizando um credenciamento Sebrae e percebemos que você tem perfil ou pode indicar do seu network pessoas com perfil para vaga abaixo:
Consultor de Orientação Empresarial Credenciado ao Sebrae (Interior e RMR – Mata Norte e Mata Sul)
Remuneração média a partir de R$ 2.500,00/ Mês (horário flexível ou 44hs semanais)
Para tanto é necessário enviar a sua documentação (autenticada) até 03/Junho e preencher o formulário abaixo: http://goo.gl/forms/hrBtQ9XhWs
Pessoal do interior: Enviar SEDEX até 03 de Junho ou
Entregar pessoalmente até 17hs do dia 05/06
 em: ICOMUNI RH e Consultoria
Rua Helena de Lemos, 330, Ilha do Retiro, Recife/PE. CEP: 50750-630.
Att: Sr Eliseu –  Fone: (81) 3446-6798
Envelope: Consultor AOE Sebrae 2015
 
 


——————————————————————
RH ICOMUNI CONSULTORIA
Gestão de Pessoas
Recife – Pernambuco – Brasil
——————————————————————-

Nova diretoria do Sebrae Pernambuco


 

Nova Diretoria 2015-2018. SEBRAE Pernambuco - José Oswaldo Ramos - Ana Cláudia Dias - Adriana Corte Real - Josias Albuquerque

Mandato para o quadriênio 2015-2018 terá interiorização como prioridade nas ações da instituição

A nova diretoria do Sebrae em Pernambuco tomou posse para o quadriênio 2015 a 2018, nesta sexta-feira, (02/01), com a renovação dos dirigentes da entidade marcada pela valorização dos talentos da instituição. O presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae, Josias Albuquerque, apresentou a diretoria executiva da instituição totalmente composta por ex-colaboradores do Sebrae: José Oswaldo Ramos é o novo superintendente, Ana Cláudia Dias Rocha, a diretora técnica, e Adriana Côrte Real Kruppa, a diretora de Administração e Finanças. Os novos dirigentes assumem o comando do Sebrae em Pernambuco ressaltando, durante o discurso para os colaboradores da instituição, que pretendem manter um trabalho integrado nesta gestão e avançar o modelo de gestão participativo.

À frente da presidência do Conselho Deliberativo pela terceira vez, Josias Albuquerque enfatiza a forma participativa da gestão desse quadriênio. “O Sebrae tem que sair daqui (Recife) e entrar no interior com mais força e discutir com as pessoas, porque o Sebrae tem que ser aberto. Eu gostaria de ouvir as pessoas, as lideranças do interior. Preciso contar com a colaboração de todos vocês para que esse trabalho dê resultado”, afirmou o presidente do CDE, Josias Albuquerque.

Oswaldo Ramos já foi diretor técnico do Sebrae em outras gestões, desta vez, volta como superintendente. “Eu tive a oportunidade de por 32 anos conviver com o Sistema Sebrae. É a primeira vez que a gente está tendo uma oportunidade dessas: de ex-estagiários participando da gestão maior da empresa. Isso abre uma expectativa, uma perspectiva para todos que estão aqui da possibilidade de chegar um dia ao cargo de diretor do Sebrae. E isso é importante para a gente, que trabalha o dia a dia da instituição”, lembrou.

O superintendente ressalta que o presidente do CDE já avisou que pretende avançar com o modelo de gestão participativa. “Ouvindo vocês (empregados) todas as horas, ouvindo os parceiros. O Sebrae tem que estar presente nos programas de desenvolvimento regional. Precisamos sim participar de fóruns de discussão de projetos de interesse da micro e pequena empresa e avançar nos aspectos de melhoria desses indicadores”, destacou.

A diretora Técnica, Ana Cláudia Dias, que já exerceu várias funções gerenciais no Sebrae, afirmou que não quer ser somente diretora técnica. “Quero ser diretora do Sebrae, ter o olhar do Sebrae como um todo para a gente trabalhar de forma integrada”, explicou.  “Temos também o desafio de criar um modelo de participação de ações e de monitoramento que seja simples, que dê velocidade, mas que a gente também acompanhe e possa assegurar o cumprimento do que a gente quer, com qualidade, inovação, mudança”, enfatizou.

A diretora de administração e Finanças, Adriana Côrte Real Kruppa, que atuou na iniciativa privada desde 2012, ressaltou a importância desse período. “Sinto-me muito confortável em estar voltando para a casa. Foi muito bom ter passado esse tempo fora. Foi um momento de reciclagem, de aprendizado, e estou voltando mais madura, mais fortalecida. A gente já se conhece, se respeita, e isso vai ser muito positivo para o nosso trabalho. A ideia é ser de fato um trabalho integrado, que a gente trace processos, defina novos métodos, capacite e dê novas ferramentas”, explicou.

 

Fonte: Sebrae Notícias

Alemanha é quem mais compra cachaça do Brasil


Caipirinha - Cachaça - Jairo Martins - Sebrae APAR Cysneiros Cachaçorium brasil

O Brasil negociou por mais de uma década e conseguiu a exclusividade do nome “cachaça” nos Estados Unidos, em abril de 2013, deixando de ser o “rum brasileiro”. Porém, ainda não se viu um impulso nas vendas da bebida para os norte-americanos, e o maior comprador continua sendo a Alemanha.

De janeiro a agosto deste ano, a Alemanha gastou US$ 2,43 milhões (cerca de R$ 5,67 milhões) comprando cachaça do Brasil. Os EUA foram os segundo maiores compradores da bebida, com importação de US$ 1,81 milhão (R$ 4,23 milhões). Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Em termos de volume, os alemães também ficam na frente, tendo comprado 1,87 milhão de quilos de cachaça neste ano, contra 614,5 mil quilos dos EUA (o ministério mede a quantidade exportada em quilos, não em litros).

A Alemanha aparece como maior país importador de cachaça desde 2008, segundo dados do ministério.

Em 2013, Paraguai e Portugal compram mais litros que EUA

No ano passado, Paraguai e Portugal compraram mais cachaça que os norte-americanos, quanda se fala em quantidade. Paraguai respondeu por 11,81% dos litros de cachaça exportados; Portugal, por 8,10%; e EUA, por 7,64%.

Porém, a bebida comprada pelos EUA foi mais cara. Os norte-americanos gastaram US$ 1,9 milhão com cachaça em 2013, enquanto os portugueses gastaram US$ 1,52 milhão e os paraguaios, US$ 1,17 milhão.

Países que mais importaram cachaça – 2013 (em litros)
  • 1 Alemanha – 29,58%
  • 2 Paraguai – 11,81%
  • 3 Portugal – 8,10%
  • 4 Estados Unidos – 7,64%
  • 5 França – 5,68%
  • 6 Bolívia – 5,28%
  • 7 Espanha – 4,12%
  • 8 Bélgica – 3,82%
  • 9 Chile – 3,12%
  • 10 Itália – 2,96%
  • 11 Outros países – 17,89%
Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Instituto Brasileiro da Cachaça

Países que mais importaram cachaça – 2013 (em US$)
  • 1 Alemanha – 17,69%
  • 2 Estados Unidos – 11,43%
  • 3 Portugal – 9,18%
  • 4 França – 9,12%
  • 5 Paraguai – 7,07%
  • 6 Itália – 6,26%
  • 7 Espanha – 5,08%
  • 8 Bolívia – 3,66%
  • 9 Uruguai – 3,52%
  • 10 Chile – 2,97%
  • 11 Outros países – 24,02%
Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Instituto Brasileiro da Cachaça

Produto tipicamente brasileiro nos EUA

Desde 2000, os norte-americanos comercializavam a bebida com o rótulo de “rum brasileiro” e produtos fabricados em outros países, principalmente da região do Caribe, eram, muitas vezes, confundidos com a cachaça.

A partir de abril de 2013, a cachaça passou a ser reconhecida nos Estados Unidos como um produto típico e exclusivo do Brasil. Esse reconhecimento foi resultado de uma negociação de mais de uma década entre os governos dos dois países.

A ideia é que isso ajude a estimular as vendas da bebida nos EUA nos próximos anos.

Exportações ainda são tímidas

A indústria brasileira produz cerca de 800 milhões de litros de cachaça por ano. Em 2013, somente 9,21 milhões de litros foram vendidos para outros países, ou cerca de 1% do total, segundo dados do Instituto Brasileira da Cachaça (Ibrac).

Para se ter uma ideia, as exportações de tequila do México atingiram aproximadamente 170 milhões de litros no ano passado, de acordo com o Ibrac. Isso representa quase 70% de toda tequila que é produzida pelos mexicanos.

Inovações para o mercado da Cachaça

Cachaçorium App Cachaça Sebrae APAR Cysneiros

Um projeto inovador chamado Cachaçorium é um App que ajudará consumidores do mundo todo sobre a escolha da melhor cachaça para cada ocasião. Baseado no teor alcóolico  e na harmonização.

Em breve estará disponível na Apple Store  e na Google Play.

Projeto da APAR em parceria com o SEBRAE PE e desenvolvido pela Cysneiros e Consultores.

Conheça o Pronatec Empreendedor


Fruto da parceria com o MEC e rede de parceiros, o Pronatec Empreendedor integra o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e tem como objetivo inserir conteúdos de empreendedorismo em diferentes cursos da educação profissional em todo País.

O Pronatec Empreendedor traz a perspectiva do autoemprego, além do desenvolvimento de competências empreendedoras que são fundamentais para a trabalhabilidade, conceito indicado nos Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico (RCNEPT) como componente da dimensão produtiva da vida social.

No Pronatec é preciso pensar o projeto de futuro pessoal e profissional de forma empreendedora. A qualificação é peça chave nesse processo. Porém, é preciso estabelecer metas, definir estratégias e meios para alcançá-las.

Foto de uma sala de aula

O que é Educação Empreendedora

A sociedade contemporânea exige pessoas empreendedoras, autônomas, com competências múltiplas, que saibam trabalhar em equipe, tenham capacidade de aprender e adaptar-se a situações novas e complexas, de enfrentar novos desafios e promover transformações.

Em decorrência dessa realidade, a educação empreendedora passou a ocupar posição estratégica no campo econômico e social. é preciso aprender sobre empreendedorismo.

A educação empreendedora, nos processos educacionais, atua em duas frentes principais:

1. Desenvolvimento de competências duráveis;
2. Possibilidade de inserção sustentada no mundo do trabalho.

A educação empreendedora exige articulação entre o fazer e o conhecimento. é aprender fazendo.

Educação Empreendedora na Primeira Fila

Empreendedorismo na educação significa valorizar os processos educacionais que estimulam o desenvolvimento do ser humano em todas as suas dimensões, de forma que ele possa contribuir com ideias para o mundo do trabalho e para o ambiente em que está inserido. Há o desejo de buscar mudanças, reagir a elas e explorá-las como oportunidade.

Envolve vivências que despertam em cada pessoa atitudes empreendedoras, como buscar oportunidades, ter iniciativa, comprometimento, persistência, independência, autoconfiança etc.

Toda educação é empreendedora porque prevê transformação, mudança, um jeito diferente de pensar sobre si mesmo e sobre o mundo. Além de ser uma boa alternativa de inclusão produtiva.

Quem faz o Pronatec Empreendedor acontecer?

Alunos, professores, gestores/lideranças de instituições de ensino e todas as pessoas que entendem o empreendedorismo como uma atitude diante da vida. Seu empenho e atuação empreendedora certamente mobilizarão toda a comunidade escolar para a realização de ações empreendedoras.

Conheça a seguir as etapas do Pronatec Empreendedor.

Etapas do Pronatec Empreendedor

1. Sensibilização de alunos, professores e escolas para o tema do empreendedorismo:

Essa etapa tem um objetivo de mobilizar alunos, professores e instituições de ensino para a temática do empreededorismo. Para tanto, serão disponibilizados os seguintes materiais:

A) Alunos: cartilha no formato de Mangá e vídeo no formato de videoblog.
B) Professores: cartilha e vídeo que apresentam as vantagens de trabalhar com empreendedorismo e afirmam a importância do professor para o sucesso de qualquer ação educacional.
C) Escolas: envio do Baú “Aqui tem Empreendedorismo”, composto de publicações sobre empreendedorismo, guia com recomendações de sites e filmes que tratam do tema, banner, cartilha com apresentação do Pronatec Empreendedor, marcadores de livro, livros etc.

2. Capacitação de alunos e professores:

Essa etapa é a base para o êxito do Pronatec Empreendedor. Ela funciona da seguinte forma:

A) Alunos: disciplina de empreendedorismo com carga horária de até 52 horas, divididas em três módulos, com competências como: compreender o mercado de trabalho e o mundo do trabalho para o desenvolvimento do seu projeto de vida; identificar os tipos de empreendedorismo e suas características; reconhecer a importância do desenvolvimento de atitudes empreendedoras para o seu projeto de vida; desenvolver um plano de vida e carreira.
B) Professores:
1) Protagonistas dessa etapa, são os responsáveis pela aplicação da disciplina junto aos alunos. Para tanto, estão previstas 32 horas de capacitação, a distância, durante 4 semanas.
2) O professor capacitado passará a contar, no site do Pronatec Empreendedor, com um serviço de suporte e apoio pedagógico para esclarecer dúvidas e encontrar solução para eventuais dificuldades na aplicação da disciplina.
3) Outra frente de capacitação será a oferta de especialização ou um mestrado na área de Educação Empreendedora, com vistas a qualificar professores, bem como provocar pesquisas sobre o tema.

3. Premiação: etapa que contempla ações para alunos, professores e escolas que apresentarem bons relatos/experiências resultantes de ações de empreendedorismo.

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec)  foi criado em outubro de 2011 pelo Ministério da Educação (MEC) e tem como objetivo principal expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de Educação Profissional e Tecnológica para a população brasileira, oferecendo oito milhões de vagas até 2014.

Diante desse cenário, o SEBRAE teve uma grande oportunidade para difundir a cultura empreendedora, por meio das redes de Educação Profissional e Tecnológica, aproveitando a estrutura já existente e em expansão, mobilizada para o Pronatec, para sensibilizar, atrair e capacitar alunos do ensino médio. Assim, surgiu o Pronatec Empreendedor, por meio do qual o SEBRAE vem agregando ao Pronatec do Governo
Federal o desenvolvimento de competências empreendedoras, em larga escala, no ensino médio, por intermédio de conteúdos de empreendedorismo contemplados nos currículos dos cursos oferecidos pelo Programa.
Cabe destacar que o Pronatec Empreendedor está alinhado à missão e aos objetivos estratégicos do SEBRAE no que tange a promoção da cultura empreendedora.

O que acontece quando professores se envolvem com Educação Empreendedora?

Saiba mais sobre o Pronatec Empreendedor

Foto da Capa do Caderno de Apresentação do Pronatec Empreendedor
Conheça a Caixa de Ferramentas do Pronatec Empreendedor

Foto da Capa da Caixa de Ferramentas do Pronatec Empreendedor

Objetos de Aprendizagem

Conheça os trabalhos vencedores do último concurso
DOWNLOAD (arquivo em formato ZIP 9,4MB)

Suporte pedagógico:

Neste espaço você, professor que neste momento aplica a disciplina de Empreendedorismo do Pronatec Empreendedor, tem acesso a um profissional de Educação experiente e pronto para ajudar na busca de solução para dúvidas ou dificuldades de natureza pedagógica referentes a atividades propostas no Guia do Educador.

Envie uma mensagem para pronatecempreendedor@sebrae.com.br descrevendo sua dúvida ou dificuldade com o máximo de detalhes e informações. Em no máximo 48h você receberá uma resposta contendo orientações e indicações para solucioná-la.

Notícias

Cursos de formação divulgarão em março relação de aprovados

Os 19.916 professores das redes públicas da educação básica que fizeram a pré-inscrição para concorrer a vagas em cursos de primeira e segunda licenciaturas ou formação pedagógica devem ficar atentos às datas do calendário que está disponível …
Ver Notícia

Pronatec ajuda o país a se tornar mais competitivo, destaca Dilma

Ao falar do Pronatec, Dilma salientou que o país precisa cada vez mais de profissionais qualificados para aumentar a produtividade das empresas e a competitividade da economia …
Ver Notícia

Pronatec oferece cursos técnicos em várias áreas; inscrições até o dia 16

Joinville (SC), Caxias e Bento Gonçalves (RS), Foz do Iguaçu e Curitiba (PR) são exemplos de cidades dos três estados da região Sul que oferecem múltiplos cursos técnicos para jovens e adultos que tenham concluído o ensino médio. Toda a formação, que vari
Ver Notícia

Seleção unificada abre inscrições nesta terça para 239,7 mil vagas

À zero hora desta terça-feira, 6 de agosto, estarão abertas as inscrições do Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec) do Ministério da Educação. A oferta é de 239.792 vagas gratuitas em cursos técnicos …
Ver Notícia

Investimento por aluno cresce em todos os níveis de ensino

Os valores de investimento total em educação, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), passaram de 4,7% para 6,1% entre 2000 e 2011.
Ver Notícia

Com mais de 7 milhões de candidatos, exame cresce em todos os estados

A edição 2013 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem 7.173.574 inscritos confirmados, superando o total de 5.791.290 confirmados em 2012. Desse total, 784.830 farão a prova para receber a certificação do ensino médio.
Ver Notícia

Comissão do Senado aprova plano com 100% dos royalties

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou na manhã desta terça-feira, 28, o projeto de lei da Câmara (PLC) 103/2012, que estabelece o Plano Nacional de Educação (PNE).
Ver Notícia

Prazo é encerrado sem incidentes e com recorde de inscritos: 7,8 milhões

O número de candidatos inscritos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) fechou em 7.834.024. O prazo para inscrição encerrou às 23h59 desta segunda-feira, 27. O sistema chegou a registrar 120 mil inscrições por hora, sendo três mil por minuto.
Ver Notícia

Ministério lança programa para incentivar o empreendedorismo

“Precisamos criar a cultura do empreendedorismo na juventude.” A afirmação foi feita pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, na manhã desta terça-feira, 28, ao lançar o programa Pronatec Empreendedor, durante o Encontro Nacional de Educação …
Ver Notícia

Sebraetec ajuda a melhorar a produtividade da sua empresa


Conheça as ações contempladas pelo Sebraetec na área de Produtividade.

Ainda hoje existem empresários que acreditam que quanto mais sua empresa produzir, melhor ela está.

Para ajudar o empresário a superar esta crença, e aumentar o seu lucro, oferecemos o Sebraetec Produtividade.

A iniciativa parte do princípio de que uma empresa deve, antes de qualquer coisa, ser eficiente. Fazer mais com menos é o lema do empresário moderno, não importa o segmento: indústria, comércio, serviço ou agronegócio.

O Sebraetec possui um conjunto de serviços para auxiliar a sua empresa neste desafio. Entre esses serviços, estão:

  • Orientação para melhoria do planejamento e controle de produção;
  • Apoio na alteração do layout (indústria e comércio);
  • Adequação de estoque;
  • Aplicação de técnicas de logística e distribuição;
  • Avaliação das condições para exportação/importação de produtos.

http://tv.sebrae.com.br/media/player/2251/

Sua empresa precisa de consultoria tecnológica?

Flammarion CysneirosEmpresas de qualquer segmento podem se beneficiar do programa.

Ao receber uma demanda da micro e pequena empresa, o Sebrae solicita aos prestadores de serviços cadastrados propostas de plano de trabalho para realizar projetos de inovação e incremento tecnológico desta empresa.

Cadastre-se: www.cysneiros.com.br

Saiba como o Sebraetec pode ajudar seu empreendimento na área de Propriedade Intelectual.


Saiba como o Sebraetec pode ajudar seu empreendimento na área de Propriedade Intelectual.

Já parou para pensar que sua empresa é mais do que tijolos, máquinas e pessoas? O valor real do seu negócio pode estar além do que se pode ver.

Além dos aspectos tangíveis, os intangíveis também compõem a riqueza da sua empresa.

O Sebrae disponibiliza para todos os pequenos negócios brasileiros o Sebraetec Propriedade Intelectual, com o objetivo de ajudar a proteger o que é o mais importante no seu negócio.

Dessa forma, provemos maior segurança competitiva ao seu empreendimento de forma simples e rápida.

O Sebraetec tem um portfólio variado de serviços com este objetivo:

  • Capacitação sobre Propriedade Intelectual e formas de obtê-la;
  • Orientação sobre as documentações, procedimentos e obrigações para registro no INPI;
  • Consultoria sobre requisitos necessários na elaboração de marca;
  • Adequação das empresas a critérios para Indicação Geográfica;
  • Pesquisa sobre tecnologias já registradas.

http://tv.sebrae.com.br/media/player/2252

Sua empresa precisa de consultoria tecnológica?

Flammarion CysneirosEmpresas de qualquer segmento podem se beneficiar do programa.

Ao receber uma demanda da micro e pequena empresa, o Sebrae solicita aos prestadores de serviços cadastrados propostas de plano de trabalho para realizar projetos de inovação e incremento tecnológico desta empresa.

Cadastre-se: www.cysneiros.com.br

Notícias e Programas e Soluções Sebraetec


Fonte: SEBRAE

Flammarion CysneirosNecessita de consultoria?

 Cadastre sua empresa: www.cysneiros.com.br

Programa ALI ajuda a implantar práticas inovadoras gratuitamente no seu negócio.


ALI-Sebrae-Senior-Flammarion-Cysneiros-Consultor Cnpq

Programa ALI ajuda a implantar práticas inovadoras gratuitamente no seu negócio.

Histórico

A inovação é fator de sobrevivência das micro e pequenas empresas e instrumento necessário para que elas aumentem sua participação na economia brasileira, consolidando posições no mercado interno e assegurando maior participação no mercado internacional. Por isso, o Sebrae em parceria com o CNPq, criou o programa Agentes Locais de Inovação (ALI), cujo objetivo é massificar soluções de inovação e tecnologia nas micro e pequenas empresas, tornando-as alcançáveis para todos os empresários e/ou empreendedores.

  • Testado em 2008 no Paraná e no Distrito Federal, o programa mostrou-se desde então uma alternativa inteligente para levar gratuitamente a inovação aos pequenos negócios.
  • Em 2010, o programa ALI deu seu primeiro salto. Passou de projeto-piloto a um programa de alcance nacional, envolvendo diversos estados brasileiros.
  • Em 2012, ocorreu um novo marco. O Sebrae ganhou um novo aliado no programa, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e tecnológico (CNPq), atuando  em todo o território brasileiro.

Assim que teve início, o programa contava com o apoio de apenas 396 Agentes locais, e atendeu cerca de 5.000 empresas. Prestes a completar 5 anos de existência, a realidade dos números é bem diferente, o programa conta com a participação de mais de 1.000 Agentes Locais e uma meta de atender 45.000 empresas até o final de 2014.

Como funciona o programa

Flammarion CysneirosO Programa Agentes Locais de Inovação – ALI é um acordo de cooperação técnica entre o CNPq e o Sebrae, com o objetivo de promover a prática continuada de ações de inovação nas empresas de pequeno porte, por meio de orientação proativa e personalizada.

Esta orientação é realizada por Agentes bolsistas do CNPq e capacitados na metodologia, para acompanhar um conjunto de empresas, definido estrategicamente pelo Sebrae. O programa tem abrangência nacional e está consolidado como estratégia de competitividade e diferencial competitivo para as empresas de pequeno porte.

Os Agentes Locais de Inovação (ALI) visitam os empreendimentos, apresentam soluções e oferecem respostas às demandas do negócio. As mudanças geram impacto direto na gestão empresarial, na melhoria de produtos e processos e na identificação de novos nichos de mercado para os seus produtos. O programa possui as seguintes etapas:


Sensibilização – momento em que a empresa tem contato com a proposta do Programa ALI. Para que uma empresa participe do programa, ela não pode estar participando de projetos coletivos Sebrae (o foco do Programa ALI é a conquista de novos clientes).

Adesão – momento em que a empresa formaliza seu compromisso com o Programa ALI.

Diagnóstico Empresarial preenchimento pelo ALI, junto ao empresário, do Diagnóstico Empresarial. O modelo de diagnóstico utilizado é o mesmo do MPE Brasil.

Radar da inovação – preenchimento pelo ALI, junto ao empresário, do Radar da Inovação.

Devolutiva – elaborada pelo ALI, a devolutiva é resultado da análise dos dados e evidências coletadas no Diagnóstico Empresarial e do Radar da Inovação.

Matriz Fofa +  Plano de Ação – após a entrega da devolutiva, o ALI deverá elaborar a Matriz Fofa e o Plano de ação juntamente com o empresário. Este plano  deverá conter no mínimo 5 (cinco) ações distintas.

Início do Plano de Ação T0, T1, T2 e T3  e Monitoramento do Plano de Ação – o empresário, acompanhado pelo ALI e supervisionado pelo sênior, acompanha a empresa na implantação das ações.

Para se dar início ao um novo Ciclo – Tn, deve-se atentar para a exigência mínima de execução de 3 (três) ações do Plano de Ação.

Quem pode participar?

Podem participar empresas de pequeno porte – EPP, com faturamento anual entre R$ 360.000,01 e R$3.600.000,00, atuantes nos setores de Indústria, Comércio ou Serviços.

Quais são os benefícios?

O programa oferece:

  • Acompanhamento “In Loco” – o ALI vai até o seu negócio e irá monitorar de forma customizada a implantação das ações inovadoras que você decidir utilizar.
  • Acompanhamento Continuado – o acompanhamento do ALI é, em sua essência, continuado, pois envolvem repetidas visitas às empresas.
  • Acompanhamento Customizado – as soluções são apresentadas de acordo com a necessidade da sua empresa.
  • Acompanhamento Especializado – as ações propostas pelo ALI são validadas pelo Consultor Sênior, especialista do SEBRAE no segmento empresarial, o que possibilita uma orientação mais fiel e coerente.
  • Acompanhamento Gratuito – destaca-se a não-cobrança de nenhuma taxa para o acompanhamento do ALI. Compreende-se, naturalmente, que as ações sugeridas pelo ALI podem incorrer em custos para o empresário, principalmente por envolverem a aquisição de novos equipamentos, serviços ou tecnologias.
FAQ- ALI

Conheça as respostas para as principais questões referentes ao Programa Agentes Locais de Inovação.

  • Posso desistir do atendimento?
    R: Você poderá desistir de participar do Programa Agentes Locais de Inovação a qualquer momento, basta informar a sua desistência para o agente que está fazendo o atendimento em sua empresa.
  • Como faço para receber uma visita na minha empresa?
    R: Caso haja interesse, você deverá ligar no 08005700800 ou enviar e-mail para programali@sebrae.com.br e solicitar a visita de um agente na sua empresa.
  • Por quanto tempo minha empresa será acompanhada por um Agente Local?
    R: Após a adesão ao programa a sua empresa será acompanhada por 2 anos e 6 meses.
  • Estou montando uma empresa, posso participar do programa?
    R: Você poderá participar caso a sua empresa se enquadre como Empresa de Pequeno Porte – EPP
  • Existe algum telefone para tirar dúvidas?
    R: Sim. Pelo telefone 0800 570 0800 ou através do e-mail programali@sebrae.com.br
  • Empresas de qualquer setor podem participar do programa?
    R: Sim. Desde que a empresa se enquadre no setor de comércio, serviço ou indústria e seja uma Empresa de Pequeno Porte – EPP.

Fonte: SEBRAE

Saiu o Edital ALI Pernambuco – Agente Local de Inovação 2014 – Sebrae Cnpq 28 outubro, 2014

Posted by Flammarion Cysneiros in Agente Local de Inovação.
Tags: , , , ,
trackback , edit post

Edital ALI Cnpq Sebrae Pernambuco

Processo Seletivo de Bolsistas – CNPq e SEBRAE/PE – 01/2014

Edital 01/2014
27/10/2014

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Pernambuco – SEBRAE/PE, tornam pública a abertura das inscrições para captação de BOLSISTAS para atuarem como ORIENTADORES e AGENTES no Programa ALI – AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO, cujo objetivo é promover a prática continuada de ações de inovação nas empresas de pequeno porte, por meio de uma orientação proativa e personalizada.

Vagas para o estado de Pernambuco:

Tabela de Vagas Pernambuco ALI Cnpq Sebrae 2105Tabela RMR de Vagas ALI Sebrae Pernambuco 2015

  • Bolsa Capacitação EXP-SC: R$ 2.000,00 (dois mil reais), por 1 (um) mês, a contar da convocação, prevista para março/2015, de acordo com o cronograma constante no item 8 deste comunicado, sem possibilidade de renovação.
  •  Bolsa ALI EXP-SB: R$ 4.000,00 (quatro mil reais) mês, por até 30 (trinta) meses, após a capacitação, sem possibilidades de renovação, já incluído R$ 600,00 (seiscentos reais) mês de ajuda de custo para:
    o R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais): microcomputador portátil com
    acesso à internet móvel e smartphone.
    o R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais): Plano de saúde.

Inscrições e Link para o Edital em pdf download

em: http://www.contemaxconsultoria.com.br/

Programa Sebrae de Gestão da Qualidade (PSGQ)


PSGQ SEBRAE MAIS - CYSNEIROS

Programa Sebrae de Gestão da Qualidade (PSGQ)
Oportunidade para empresários promoverem a qualidade nas empresas

A excelência da qualidade na gestão em todos os setores de uma pequena empresa é fator fundamental para que ela se mantenha e possa crescer no mercado. Para auxiliar empresários a inserir a qualidade na prática da gestão empresarial, o Sebrae desenvolveu o Programa Sebrae de Gestão da Qualidade (PSGQ).

O PSGQ tem como objetivo principal levar os empresários a refletirem sobre como obter melhores perspectivas de negócios e aumento da produtividade, comprometendo os funcionários.

Flammarion CysneirosO programa trabalha conceitos e práticas da qualidade, os fundamentos e o modelo de excelência do Prêmio Nacional da Qualidade. Ao participar, os empresários têm acesso a conteúdos sobre o fortalecimento das relações de parceria interna e externa. O PSGQ também propõe a estruturação de um sistema baseado em processos para avaliação de resultados; formula e desenvolve ações estratégicas, por meio da análise do ambiente interno e externo; apresenta metodologia de implantação, gerenciamento de processos e monitoramento de seus resultados.

O PSGQ é dividido cinco partes: “Fundamento da Excelência”, “D´Olho na Qualidade”, “Parcerias Eficazes”, “Processos” e “Visão Estratégica”. No módulo “D´Olho na Qualidade”, por exemplo, o empresário aprende a combater o desperdício. Já na última parte do curso, ele desenvolve competências para pensar e agir no negócio alinhadas à visão de futuro.

Vantagens
Confira quais são as principais vantagens do Programa Sebrae de Gestão da Qualidade em sua empresa.

Maior garantia de mercado – A empresa que pratica a qualidade mantém e amplia sua relação de clientes, conquista força e poder para fazer frente à concorrência, garante bons negócios hoje e sempre.

Abertura de novas frentes – A terceirização no Brasil é um importante elemento moderno da economia, sendo um processo em franca expansão nos países desenvolvidos.

Redução de custos – Qualidade significa redução de custos, em decorrência de racionalização de processos, redução de desperdício, eliminação do retrabalho, bem como do fim da burocracia e dos controles desnecessários.

Criação de novos negócios – O Programa, além de capacitar e de qualificar a empresa, amplia sua percepção para outros negócios, até mesmo para novas oportunidades.

Clima de incentivo e de participação – Qualidade requer delegação de competências, gerência participativa, contínuo aperfeiçoamento, valorização do ser humano e busca do conhecimento. Assim, os colaboradores sentem-se comprometidos com o futuro da empresa, assumindo responsabilidades, o que proporciona um ambiente de trabalho altamente positivo e produtivo para a empresa.

Redirecionamento do Marketing – O compromisso com a satisfação total dos clientes estreita os laços da empresa com sua clientela, em permanente troca de informações. Interessa a empresa conhecer de maneira mais profunda como é aceita sua linha de produtos e serviços.

Retorno mais compensador
– O resultado final do Programa Sebrae de Gestão da Qualidade é a ampliação da lucratividade da empresa, sem que isso signifique necessariamente preços mais elevados ou maiores encargos para a sociedade. Qualidade traduz-se em acréscimo no faturamento, em função de: maior demanda por produtos e serviços que provocam a satisfação total dos clientes; redução de custos decorrentes dos ganhos de produtividade nos processos e da motivação dos colaboradores. Isso é muito bom para a economia e ótimo para o empresário de visão.

Etapas da Metodologia: 

O conteúdo da metodologia “DETERMINAÇÃO EMPREENDEDORA” está dividido em 5 MÓDULOS:

 

MÓDULO I: FUNDAMENTOS DA EXCELÊNCIA

Visa desenvolver competências no sentido de compreender aspectos importantes para uma mudança empresarial e pessoal na busca da excelência, utilizando conceitos e práticas da qualidade, os fundamentos da excelência e o modelo de excelência do Prêmio Nacional da Qualidade como ferramentas para organizar e medir os resultados na empresa.                                                                           .

Encontro 01 – Compromisso com as mudanças.
Encontro 02 – Conceitos, métodos e evolução da qualidade.
Encontro 03 – Fundamentos da Excelência.
Encontro 04 – Medindo os resultados para gerar conhecimento.
Encontro 05 – O ciclo PDCA e sua interação com o modelo de gestão de excelência.
Encontro 06 – Diretrizes estratégicas: valores, negócio e missão.

MÓDULO II: D-OLHO NA QUALIDADE

Visa desenvolver competências para conhecer e praticar o método D-OLHO (descarte, organização, limpeza, higiene e ordem mantida), a fim de implementá-lo na empresa, trazendo um novo hábito para o desenvolvimento do trabalho diário das pessoas, otimizando os recursos, melhorando o bem-estar físico, mental e social de todos, bem como respeitando a relação com o meio ambiente.                                   .

Encontro 01 – Preparando o ambiente e praticando o descarte.
Encontro 02 – Praticando a organização e limpeza.
Encontro 03 – Praticando a higiene e a ordem mantida.
Encontro 04 – Auditoria e a prática do D-OLHO.

MÓDULO III: PARCERIAS EFICAZES

Visa desenvolver competências para definir e estabelecer relações de parceria, de forma clara, objetiva e harmônica, entre as partes interessadas da empresa, visando maior profissionalização na gestão e obtenção de resultados desejáveis para todos os envolvidos.                     .
Encontro 01 – A postura da liderança empresarial.
Encontro 02 – A organização do sistema de trabalho na empresa.
Encontro 03 – Capacitação, desenvolvimento e qualidade de vida.
Encontro 04 – Responsabilidade socioambiental.
Encontro 05 – Parceria entre fornecedores e sócios-proprietários.
Encontro 06 – Relacionamento e fidelização com o cliente.

MÓDULO IV: OS PROCESSOS

Visa desenvolver competências para estruturar um sistema baseado em processos bem como desenvolver, implementar e avaliar resultados de soluções simples e eficazes, visando a melhoria contínua e a busca da excelência da empresa.
Encontro 01 – Modelo de gestão baseado em processos.
Encontro 02 – Identificação e mapeamento de processos.
Encontro 03 – Gerenciamento dos processos.
Encontro 04 – Análise e melhoria dos processos.
Encontro 05 – Padronização

MÓDULO V: VISÃO ESTRATÉGICA

Visa desenvolver competências para pensar e agir, estrategicamente, formulando e desenvolvendo ações,analisando o ambiente interno e externo, planejando e executando um sistema de medição coerente com as estratégias, no sentido de obter resultados focados e alinhados à visão de futuro.

Encontro 01 – Criando o verdadeiro sonho.
Encontro 02 – Os objetivos e análise do caminho.
Encontro 03 – Análise de ambiente e ações estratégicas.
Encontro 04 – Garantia da gestão estratégica.
Encontro 05 – Medição e desempenho da empresa.

Como participar?
Interessados em participar devem ligar para a Central de Relacionamento do Sebrae no 0800 570 0800.

Fonte: Sebrae