Entenda como uma incubadora vai ajudar sua Startup a decolar


o-modelo-cerne

 

Segundo uma  pesquisa realizada pela Fundação Dom Cabral no final do ano passado, um quarto das startups brasileiras não aguentam a pressão do primeiro ano de vida e fecham as portas por ali mesmo — seja por causa de desavença entre os sócios, volume de capital investido ou até local de instalação.

Do restante que sobra, 25% acaba batendo as botas em menos de 4 anos. No entanto, um fato interessante levantado por essa mesma pesquisa é que boa parte das empresas que conseguem se manter de pé, dão conta do recado por causa da ajuda de algum tipo de incubadora de startups.

Responsáveis por dar uma mão para as empresas recém-criadas, as incubadoras conseguem reduzir em até 3 vezes as chances de uma startup afundar logo no começo da corrida. Mas você sabe o que mais uma incubadora é capaz de fazer? Então confira meu post!

Por dentro das incubadoras de startups

Diferente daquela incubadora da série Silicon Valley, as do mundo real não são locais de festas recheadas de pessoas malucas. Mantidas por instituições públicas ou privadas, as incubadoras são organizações capazes de auxiliar as empresas em vários aspectos comerciais importantes, como:

  • Descobrir qual o melhor modelo de negócios para o projeto;
  • Gerar um network interessante para os negócios;
  • Criar um plano de negócios consistente;
  • Criar um plano de marketing (inclusive o digital) também consistente;
  • Desenvolver a noção contábil da startup;
  • Treinar o lado empresarial dos sócios;
  • Ajudar a encontrar algum investidor para o projeto;

Quem pode participar de uma incubadora

Qualquer pessoa ou empresa pode entrar em uma incubadora, desde que tenha em mãos a ideia de um produto que seja inovador. Para avaliar isso, as incubadoras costumam ficar de olho em alguns pontos dos projetos:

  • Aquele projeto da startup deve ser realmente inovador em algum aspecto;
  • O produto precisa ser viável para o mercado;
  • Quem for cuidar da startup precisa de uma boa qualificação técnica;
  • Deve existir um mínimo de capital inicial para bancar o começo do projeto;
  • O projeto precisa ter a ver com a filosofia daquela incubadora.

Quais são os objetivos de uma incubadora de startups

Bem, talvez você esteja se perguntando: porque uma incubadora ajudaria no nascimento de outras empresas sem lucrar nada (ou quase nada) com isso? A resposta é simples: ela lucra, mas nem sempre é diretamente.

Por estarem bastante ligadas à instituições de ensino, causas sociais ou programas do governo (como o Sebrae), as incubadoras, ao desenvolver o surgimento de tecnologias e novos mercados no país, ajudam a aumentar não só o número de empregos como a qualidade do que é produzido no Brasil.

Responsável por ajudar aqueles que estão começando no mundo do empreendedorismo (ou até alguns veteranos que precisam de uma forcinha em novos projetos), a incubadora de startups é uma verdadeira mão na roda para qualquer empresa que esteja começando a andar. Por isso, mais do que uma bela parceira, ela pode também ser a salvadora de muitos projetos futuros.

Espero que você tenha tirado suas dúvidas e aprendido um pouco mais sobre as incubadoras por aqui, mas se tiver alguma pergunta ou quiser acrescentar mais alguma coisa, basta usar a nossa caixa de comentários! Ah, e não se esqueça de conferir os nossos outros posts no nosso blog.

Fonte: http://www.guiaempreendedor.com

Serviço:

Consultoria para Incubadoras e Aceleradoras e Startups – www.cysneiros.com.brr

Anúncios

A Metodologia CERNE


LOGO CERNE

O Conceito

O Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (Cerne) é uma plataforma que visa promover a melhoria expressiva nos resultados das incubadoras de diferentes setores de atuação. Para isso, determina boas práticas a serem adotadas em diversos processos-chave, que estão associados a níveis de maturidade (Cerne 1, Cerne 2, Cerne 3 e Cerne 4). Cada nível de maturidade representa um passo da incubadora em direção à melhoria contínua.

O objetivo do Cerne é oferecer uma plataforma de soluções, de forma a ampliar a capacidade da incubadora em gerar, sistematicamente, empreendimentos inovadores bem sucedidos. Dessa forma, cria-se uma base de referência para que as incubadoras de diferentes áreas e portes possam reduzir o nível de variabilidade na obtenção de sucesso das empresas apoiadas.

O MODELO CERNE

Princípios

A definição e o detalhamento dos sistemas relativos aos processos-chave a serem implantados são muito importantes para que as incubadoras obtenham melhorias significativas na geração de empreendimentos inovadores e de sucesso. Antes disso, entretanto, é importante compreender o conjunto de princípios sobre os quais os processos e práticas estão estruturados.

Foco nos empreendimentos:  a ação da incubadora deve ser focada na agregação de valor para os empreendimentos apoiados. Assim, toda a atenção da equipe de gestão da incubadora deve ser no sentido de identificar dificuldades e oportunidades, de forma a acelerar e ampliar o sucesso dos empreendimentos.

Foco nos processos:  os processos utilizados pela incubadora influenciam os resultados obtidos. Dessa forma, para melhorar os resultados finais (número de empresas graduadas, taxa de sucesso, entre outros) a incubadora deve focar nos processos que definem esses resultados.

Ética: as ações da incubadora e das empresas incubadas devem estar em sintonia com os valores da sociedade.

Sustentabilidade:  a incubadora deve ser economicamente viável, socialmente justa e ambientalmente correta.

Responsabilidade:  a incubadora deve responder por suas ações e omissões, agindo de maneira ativa para melhorar a sociedade da qual faz parte.

Melhoria contínua: este princípio implica que a incubadora deve aprimorar, continuamente, seus processos e resultados.

Desenvolvimento humano:  a incubadora deve dar prioridade à evolução pessoal e profissional dos membros da equipe de gestão, enfatizando a autogestão e o autocontrole.

Gestão transparente e participativa:  as ações da incubadora devem ser realizadas de forma colaborativa. Adicionalmente, todos os processos e resultados devem ser informados de forma transparente aos diferentes atores do processo de inovação.

A estrutura

O modelo Cerne está estruturado em três níveis de abrangência:

1. Empreendimento:  inclui os sistemas relacionados diretamente com a operacionalização do empreendimento, tendo como foco os sistemas que possibilitam às empresas apoiadas desenvolverem seus produtos e serviços, acessarem capital e mercado, realizarem a gestão do negócio e promoverem o desenvolvimento pessoal dos empreendedores.

2. Processo: tem como foco os sistemas de prospecção, geração, desenvolvimento e graduação de empreendimentos inovadores, ou seja, sistemas que viabilizam a transformação de ideias em negócios.

3. Incubadora: a gestão da incubadora como um empreendimento é o principal foco desse nível, com destaque para sistemas referentes a finanças, pessoas e ao relacionamento da incubadora com o entorno.

Níveis

Em função da complexidade e do número de processos-chave a serem implantados, o Cerne foi estruturado como um Modelo de Maturidade da Capacidade da incubadora em gerar, sistematicamente, empreendimentos de sucesso. Para isso, foram criados quatro níveis crescentes de maturidade.

A lógica escolhida para estruturar os níveis de maturidade foi organizá-los a partir de “Eixos Norteadores”: empreendimento, incubadora, rede de parceiros e melhoria contínua (inovação).

Cerne 1: neste primeiro nível, todos os sistemas implantados pelos processos-chave estão diretamente relacionados ao desenvolvimento dos empreendimentos. Nesse sentido, além de sistemas como qualificação, assessoria e seleção, foram incluídos aspectos relacionados à gestão da incubadora, os quais, por sua vez, mantêm uma relação muito estreita com o desenvolvimento dos empreendimentos, a exemplo da gestão financeira e a gestão da infraestrutura física e tecnológica. Ao atingir esse nível, a incubadora demonstra que tem capacidade para prospectar e selecionar boas ideais e transformá-las em negócios inovadores bem sucedidos, sistemática e repetidamente.

Cerne 2: o foco deste nível é garantir uma gestão efetiva da incubadora como uma organização. Assim, além de garantir a geração sistemática de empreendimentos inovadores (foco do Cerne 1), a incubadora utiliza todos os sistemas (implantados pelos processos-chave) para uma gestão focada em resultados.

Cerne 3: o objetivo deste nível é consolidar uma rede de parceiros, com vistas a ampliar a probabilidade de sucesso dos empreendimentos apoiados. Assim, nesse nível, a incubadora reforça sua atuação como um dos “elos” da rede de atores envolvidos no processo de inovação.

Cerne 4: neste nível, a partir da estrutura implantada nos níveis anteriores, a incubadora possui maturidade suficiente para consolidar seu sistema de gestão da inovação. Com isso, além de gerar empreendimentos inovadores, gerir de forma efetiva a incubadora como organização e participar ativamente da rede de atores envolvidos no processo de inovação, a incubadora passa a gerar, sistematicamente, inovações em seus próprios processos.

Cada nível de maturidade (Cerne 1, Cerne 2, Cerne 3 e Cerne 4) representa um passo da incubadora em direção à melhoria contínua, ampliando sua capacidade em gerar empreendimentos de sucesso.

Cada nível de maturidade contém um conjunto de processos-chave que procuram garantir que a incubadora esteja utilizando todas as boas práticas relacionadas àquele nível de maturidade.

cerne 1, 2, 3 E 4 JPG

Workshop de Nivelamento

Ementa: revisão de conteúdo do termo de referência para fixação de conceitos e abordagem sucinta sobre a metodologia de implantação dos níveis de maturidade Cerne, bem como dos requisitos para obtenção e manutenção do credenciamento.

Conteúdo: vocabulário Cerne, princípios e estrutura do modelo, lógica de organização, processos-chave referentes a cada nível de maturidade, práticas-chave relativas a cada sistema; ciclo PDCA; etapas do processo de credenciamento; Autoavaliação e ferramentas disponíveis.

Fonte: Anprotec/Cerne

Mais informações:

Consultoria de Apoio à Implantação
Cysneiros e Consultores Asssociados
www.cysneiros.com.br
E
-mail: contato@cysneiros.com.br
Fone: (81) 3445-2956

 

Escolhendo o melhor domínio para seu site


o-melhor-dominio

Independente de qual seja seu negócio; a escolha de um bom domínio pode ajudá-lo a atrair os clientes que você deseja. Descubra boas práticas para escolher o melhor domínio para o seu site.

O bom domínio tem grande influência na visibilidade de um negócio na web e, por isso, escolher o melhor domínio disponível é essencial para seu negócio na decisão de compra.

Garantindo seu domínio

Registrar um domínio é garantir seu próprio endereço online, e é uma ação importante – mesmo que você não possua um imediatismo de ter um site neste atualmente.

Se considerarmos que as possibilidades de domínios disponíveis para registro hoje em dia estão cada vez mais limitadas, o ideal é consultar a disponibilidade do domínio antes mesmo de definir o nome da sua marca. Caso não esteja disponível, talvez seja interessante buscar outras opções de nome.

disponibilidade-de-dominio

Com um domínio próprio, seu negócio pode ser encontrado mais facilmente através de pesquisas no Google, ter o acesso facilitado aos seus perfis nas redes sociais, criar e-mails personalizados para o seu negócio, um blog, etc.

É hora de descobrir quais domínios estão disponíveis

Um domínio deve seguir as mesmas premissas adotadas na criação de uma marca:

  • Significado
  • Simplicidade
  • Disponibilidade

Se você já possui uma marca, seu domínio preferencialmente deve ser a sua marca.

Por exemplo: no nosso caso, somos a Cysneiros e Consultores, então demos preferência ao registro do domínio “cysneiros.com.br”. Como forma alternativa, se você tiver um produto já definido, caso disponível, sua opção mais adequada seria, por exemplo, “seuproduto.com.br”.

Domínio da minha loja

Domínio X Buscas online

Outra dica na hora de achar o melhor domínio disponível, realize uma busca também do nome da sua marca ou a expressão que deseja utilizar como domínio no Google ou nas redes sociais, para descobrir se algo já foi registrado/publicado com o termo desejado e veja os resultados desse tipo de busca.

Dessa maneira, você poderá, eventualmente, se precaver sobre outras empresas que possam estar utilizando o mesmo nome da sua marca, bem como antecipar a aquisição do melhor domínio, caso não haja qualquer registro nas buscas para o que você deseja.

Não sabe como consultar a disponibilidade de um domínio? Acesse o www.registro.br.

Escolhendo o melhor domínio para um site

O melhor domínio é fácil memorizar

Outro ponto que vale a sua atenção é a memorização simplificada que você vai querer que seu público tenha sobre seu domínio, tanto para falar ou digitar.

Truque rápido

Um truque que pode ser utilizado é fazer um rápido exercício com conhecidos, contando a eles sobre esse domínio em um e-mail, num telefonema ou em uma simples conversa.

Houve dificuldades de entendimento ou de memorização? Então teste outras opções.

“NOVIDADE” – Extensões de domínio alternativos

Não é exatamente uma “novidade”, mas o que muita gente não sabe é que recentemente surgiram extensões de domínio e de e-mail alternativas ao tradicional “.com.br”.

Além das extensões internacionais como o “.com”, hoje é possível registrar domínios com várias terminações genéricas como “.top”, “.site”, “.club”, “.online” e muitas outras. São mais de mil opções disponíveis.

Conclusão

Neste artigo vimos a importância da escolha do melhor domínio para seu site e qual a influência que isso exerce nas buscas online para que seu público-alvo chegue até o seu negócio.

LEIA TAMBÉM: Internet: Consumidor Brasileiro X Sua Empresa

Gostou das sugestões? Este conteúdo lhe ajudou? Comente o que achou na sessão de comentários.

Serviço: Fazemos para você uma pesquisa de naming com base em qualidade de buscas. Solicite via WhatsApp (81) 98219.1575.

SEBRAETEC



O Programa SEBRAETEC – Serviços em Inovação e Tecnologia é um instrumento do Sistema SEBRAE que permite às EMPRESAS DEMANDANTES acesso a conhecimentos tecnológicos existentes na infra-estrutura de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), visando a melhoria de processos e produtos e/ou a introdução de inovações nas empresas ou no mercado.

Case: Grupo LIGNO – Móveis Corporativos