Aldo Rebelo recebe antecessores no MCTI


O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, recebeu em seu gabinete, nesta semana, a visita de três ex-titulares da pasta: Marco Antonio Raupp, Roberto Amaral e Sergio Rezende. Nos encontros, os antecessores falaram de suas experiências à frente do ministério e trataram sobre questões diversas relacionadas à área.

Raupp, que comandou o MCTI no período de janeiro de 2012 a março de 2013, esteve com Aldo no dia 19 de janeiro. Nortearam a conversa assuntos como o desenvolvimento tecnológico no País. Entre os pontos, iniciativas em andamento no Parque Tecnológico de São José dos Campos (PqTec-SJC), no estado de São Paulo, do qual Raupp é diretor-geral. “Uma reunião muito positiva”, definiu.

Também o ex-ministro Roberto Amaral, que se reuniu com Aldo Rebelo no dia 21 de janeiro, aproveitou o encontro para relatar um pouco sobre a sua experiência quando esteve no comando da pasta, de janeiro de 2003 a janeiro de 2004. Entre os temas pelos quais eles passaram está o Programa Espacial Brasileiro.

A conversa com Sergio Rezende girou em torno do sistema de ciência e tecnologia, que, na sua visão, deve ser visto de forma ampla, sem deixar de considerar programas estratégicos para o Brasil, como os das áreas nuclear, espacial e de luz síncrotron. “Temos muitas opiniões convergentes e ele [Aldo Rebelo] tem uma visão bastante ampla e aberta do sistema”, comentou o ex-ministro, que conduziu a pasta entre julho de 2005 e dezembro de 2010.

 

Fonte: ANPEI

MCTI e Fortec lançam desafio para núcleos de inovação


Imagem

A Associação do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Fortec) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) acabam de lançar o Desafio Fortec de Inovação – Transformando PI em Negócios.

A competição visa promover uma nova oportunidade para que potenciais negócios sejam criados a partir do conhecimento gerado no ambiente das instituições e para que as inovações geradas possam contribuir para o desenvolvimento socioeconômico sustentável do país. É o que explica o vice-presidente do Fortec, Oswaldo Massambani. Ele lembra que, a partir da Lei de Inovação (10.973), em 2004, houve avanços importantes em relação a políticas de inovação e de proteção do conhecimento, com a geração de extensos portfólios de patentes.

A estratégia com o Desafio Fortec é estimular os NITs a avaliarem as tecnologias potencialmente negociáveis para que elas possam ser descritas e apresentadas à sociedade, ou seja, “participar do exercício de explicitação do potencial de transformação da propriedade intelectual em negócio, emprego e renda”, explica Massambani.

O objetivo central da competição é convocar esses núcleos, de todas as regiões brasileiras, a criarem equipes em suas ICTs com a possível participação de pesquisadores, alunos de graduação e pós-graduação e potenciais parceiros externos à comunidade, para modelarem suas lean startups – organizações temporárias estruturadas para desenvolver um modelo de negócio que possa ser reproduzido e ampliado.

“Quando nós transformamos o conteúdo imaterial numa descrição de negócio oferecemos algo para uma aceleradora ou empresa. Com as patentes escritas, estamos criando uma vitrine de modelos de negócios para o mercado”, diz o dirigente. “Cada região submeterá o seu projeto e uma equipe de especialistas analisará as melhores opções”, acrescenta.

A premiação inclui medalhas, certificado de participação, prêmios num total de R$ 150 mil (variável de R$ 15 mil, R$ 10 mil e R$ 5 mil entre os primeiros colocados de cada região do país) e a possibilidade de acesso a incubadoras de empresas e a aceleradoras de startups. A expectativa é de que essas organizações venham a ser incubadas ou aceleradas de modo que novos produtos, processos ou serviços alcancem o mercado na forma de aquisições pelo setor empresarial ou por sua direta execução no mercado.

Todos os modelos de negócios gerados por meio da competição integrarão uma vitrine de lean startups que estará disponível online para parcerias com aceleradoras, incubadoras e parques tecnológicos, de forma a contribuir para o desenvolvimento dos sistemas locais, regionais e nacional de inovação.

O evento somente aceitará a inscrição de propostas oriundas de NITs, com base em novos produtos, processos ou serviços considerados relevantes para o desenvolvimento de novos negócios. A inscrição dos projetos e de suas equipes deve ser feita, até 29 de abril, por meio do preenchimento do formulário online, disponibilizado no site da iniciativa – http://www.desafiofortecinovacao.com.br/.

A ordem de classificação e a premiação dos 15 finalistas serão anunciadas durante o 8º Fortec, que acontece de 18 a 21 de maio em São Paulo.

FONTE: ANPEI (Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras)

Missão brasileira vai à China e à Finlândia por inovação empresarial


O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) realiza, entre 26 de maio e 6 de junho, a Missão Técnica e Empresarial 2014, com destino à China e à Finlândia. “O objetivo é fortalecer as relações entre os países na área de inovação, com foco no estabelecimento e gestão de parques tecnológicos e na criação de parcerias Brasil-China e Brasil-Finlândia entre empresas de base tecnológica”, explica o chefe da assessoria de Assuntos Internacionais do ministério, Franklin Silva Netto.

A iniciativa é promovida em parceria com o Ministério das Relações Exteriores (MRE), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e o Conselho Nacional de Secretários para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti).

Segundo Franklin, a missão irá propiciar discussões sobre os modelos de inovação nos países participantes, além de visitas a parques tecnológicas e incubadoras de empresas. Também será uma oportunidade para gerar negócios entre os empresários que têm a intenção de internacionalizar os seus negócios.”

“Para os formuladores de políticas públicas, dirigentes das entidades de apoio e fomento e gestores dos parques tecnológicos no Brasil a atividade facilitará a reflexão sobre os modelos de gestão dos sistemas de inovação para promover avanços tecnológicos no desenvolvimento de pesquisa e inovação, novos produtos e processos tecnológicos”, avalia Franklin.

A missão está aberta à participação e podem se inscrever dirigentes de parques tecnológicos e incubadoras de empresas associadas à Anprotec, dirigentes das agências de fomento do governo federal e ministérios, secretários estaduais de ciência e tecnologia; presidentes de Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) ou instituições equivalentes.

São 40 vagas disponíveis e é preciso preencher e enviar o formulário de inscrição disponível no endereçohttp://www.anprotec.org.br/Relata/Formulario%20Inscricao_Missao%20Internacional_2014.docx. O prazo para a apresentação de candidaturas termina às 18 horas do dia 15 de abril.

Os documentos devem ser enviados aos cuidados de Aksara Somchinda, pelo e-mail: aksara@anprotec.org.br. Confira o regulamento da Missão Técnica Empresarial 2014 no endereçohttp://www.anprotec.org.br/Relata/Lancamento_Missao%202014.pdf.

Imagem

FONTE: ANPEI (Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras)

 

João De Negri assume Secretaria Executiva do MCTI


Foi publicada no Diário Oficial da União, no dia 24 de março, a nomeação de João Alberto De Negri como secretário executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). O economista substitui Luiz Antonio Elias, que desempenhou a função nos últimos seis anos e dez meses.

De Negri é pesquisador e ex-diretor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Desde 2012, estava à frente da Diretoria de Inovação da Finep/MCTI. Na financiadora, ele ajudou desenhar e implementar o Finep 30 dias e o Plano Inova Empresa, que disponibilizou R$ 32,9 bilhões para tecnologia e a inovação.

O novo secretário executivo do MCTI também é autor do livro “O Núcleo Tecnológico da Indústria Brasileira”, que consolida anos de trabalho de pesquisa sobre a indústria no país e analisa como as empresas acumulam conhecimento que levam à inovação tecnológica.

De Negri irá compor a equipe do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clelio Campolina, que terá como desafio construir um plano de CT&I integrando os anseios da comunidade científica aos dos governos federal, estaduais e municipais.

Nesta segunda, Luiz Antonio Elias enviou uma carta de despedida aos funcionários do MCTI. Ele enalteceu a competência e o compromisso dos servidores da pasta e das unidades de pesquisa, das organizações sociais e das entidades vinculadas.

Também destacou alguns marcos construídos nos anos em que esteve à frente da Secretaria Executiva do ministério em prol do fortalecimento do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI) e desenvolvimento do país. Entre eles, o Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) 2007-2010; a realização da Conferência Nacional de CT&I em 2010; a Estratégia Nacional de CT&I 2012-2015; os planos Brasil Maior e Inova Empresa; o Programa dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia; e o programa Ciência sem Fronteiras.

Elias foi secretário executivo do MCTI na gestão dos ministros Sergio Rezende, Aloizio Mercadante e Marco Antonio Raupp, de maio de 2007 a março de 2014. Em 2006, ele chegou ao ministério para ser secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação.

Imagem

FONTE: ANPEI (Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras)