Sebrae vence X Prêmio ABT em três categorias


O Sebrae venceu três categorias do X Prêmio ABT, promovido pela Garrido Marketing em parceria com o Cenpro – Centro de Estudos da Comunicação com o Mercado, da Fundação Getulio Vargas (FGV). A premiação, que reconheceu três iniciativas de relacionamento com clientes desenvolvidas pela organização, foi na noite da última terça-feira (19) em São Paulo.

Mais de mil profissionais da área de marketing, de diversos estados brasileiros, participaram da cerimônia de premiação, realizada no Memorial da América Latina.

O Sebrae ganhou o Troféu ABT Ouro na Categoria Serviço de Atendimento ao Público (SAP); o Troféu ABT Ouro na Categoria Operação Internacional e o Troféu ABT Bronze, na Categoria Contribuição em Recursos Humanos.

Os cases premiados foram, respectivamente, “Central de Relacionamento Sebrae – Informação e Orientação Gratuita ao Alcance da Mão Empreendedora”, sob a execução do Sebrae Nacional; “Central de Relacionamento – Dekassegui Empreendedor”, do Sebrae no Paraná; e “Sebrae Sul – Unidos para Atender Melhor!”, executado pelas unidades do Sebrae  no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Reconhecimento

O Prêmio ABT é uma iniciativa que visa distinguir e reconhecer, anualmente, as melhores práticas de atendimento via multicanais que contribuem para a excelência no relacionamento com o cliente, desenvolvidas por corporações estabelecidas no Brasil e na América Latina, diretamente ou por empresas que terceirizam os serviços de operações, tecnologia, recursos humanos e processos integrados.

Além do Sebrae, foram premiados trabalhos desenvolvidos por marcas reconhecidas nacionalmente e internacionalmente, como Telefônica, TIM, Sky, Bradesco, Mapfre Seguros, Mercedes-Benz, Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Magazine Luiza e Fiat, entre outras.

“É muito importante esse reconhecimento, pelo mercado, do trabalho desenvolvido pelo Sebrae junto aos seus clientes e potenciais clientes”, destacou a coordenadora nacional da Central de Relacionamento do Sebrae, Romilda Torres. Segundo ela, a premiação do Sebrae em três categorias mostra que a entidade está no caminho certo.

Fazer a diferença

Romilda Torres classificou como acertada, por exemplo, a estratégia do Sebrae de unificar o seu 0800, tornando-o gratuito e descentralizado, em todo o País a partir de julho de 2008. “Ganhamos em escala, os atendimentos melhoraram muito, passaram a ter mais qualidade e saltamos de uma média anual de atendimentos de 500 mil, em 2008, para 2 milhões em 2009.”

A coordenadora nacional da Central de Relacionamento do Sebrae informou que somente em 2010, até setembro passado, já foram realizados mais de 4,5 milhões de atendimentos, por telefone e por multimídias. Um bom atendimento, na avaliação de Romilda Torres, pode fazer toda a diferença nos negócios das micro e pequenas empresas.

“O tempo é um fator bastante escasso para os empreendedores e empresários de micro e pequenas empresas. Um bom atendimento substitui um deslocamento até o Sebrae. Isso pode significar uma otimização do tempo, mais vendas e mais lucros”, assinalou a coordenadora nacional da Central de Relacionamento do Sebrae.

Romilda Torres destacou a vitória do Sebrae com o projeto “Central de Relacionamento – Dekassegui Empreendedor”, executado pelo Sebrae no Paraná. “O governo federal tem uma política de apoio aos dekasseguis e o projeto da Central de Atendimento – Dekassegui Empreendedor é um braço importante de apoio ao nipo-brasileiros que trabalham no Japão, juntam economias e retornam ao Brasil, muitos com o objetivo de abrir um negócio”, afirmou.

“Gratuitamente e por telefone, os dekasseguis que vivem no Japão puderam, em 2009, tirar dúvidas sobre o mercado brasileiro, bem como receber consultorias a distância. Isso deu mais segurança e confiabilidade. Os dekasseguis, pela distância, nem sempre estão atualizados sobre o empreendedorismo e as oportunidades de negócios no Brasil. Por isso, foi criada toda uma campanha institucional com o objetivo de divulgar o serviço oferecido pelo Sebrae.”

Gente qualificada

A coordenadora nacional da Central de Relacionamento do Sebrae também comemorou o troféu bronze, obtido pelas unidades do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com o case “Sebrae Sul – Unidos para atender melhor!”. Para Romilda Torres, foi fundamental a iniciativa conjunta dos Sebrae da Região Sul de capacitar seus teleatendentes durante o 1º Encontro Centrais de Relacionamento Região Sul, uma imersão de dois dias, realizada em 2009, em Florianópolis.

“Atendimento não é só tecnologia, mas é gente qualificada, é gente preparada para bem atender. A iniciativa dos Sebrae do Sul é um exemplo a ser seguido, um modelo para nos inspirarmos nacionalmente”, disse a coordenadora, anunciando que planeja para o próximo ano um evento nacional, nos mesmos moldes do de Florianópolis, reunindo teleatendentes das centrais de relacionamento do Sebrae de todo o País.

“As centrais de relacionamento do Sebrae são a voz e o ouvidos dos clientes, ou seja, dos empreendedores e empresários de micro e pequenas empresas”, reforçou. “Vencer o Prêmio ABT em três categorias é um motivo de orgulho para o Sebrae, sobretudo porque a organização tem como missão fomentar o empreendedorismo e desenvolver micro e pequenas empresas sustentáveis. Um bom atendimento ao cliente é a melhor forma de promovermos isso”, assinalou Romilda Torres

MPE Brasil reconhece e aprimora excelência em gestão


BANNER PORTAL MPE

Inscrições foram prorrogadas até 14 de setembro

Porto Alegre – Ser flexível e ter equilíbrio na gestão corporativa. As resoluções inovadoras dessa complexa equação e, ao mesmo tempo, medida básica para a competitividade são celebradas no Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas – MPE Brasil, que é realizado em 24 estados. No Rio Grande do Sul, 5.654 pequenos negócios inscreveram-se até 31 de julho, na distinção que reconhece as iniciativas pertinentes para o avanço da competitividade de mercado e que possam servir de exemplo a outros empresários.

Os gaúchos representam até o momento 50% das inscrições em todo o País. O prazo para a participação no concurso foi prorrogado até 14 de setembro. Pode ser efetuado no site www.premiompe.sebrae.com.br ou nas unidades de atendimento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul (Sebrae/RS).

O superintendente do Sebrae/RS, Marcelo Lopes, destaca que a participação no Prêmio MPE Brasil só traz benefícios às micro e pequenas empresas. “Aprimora e desenvolve a visão sistêmica do negócio, a comunicação gerencial e o comprometimento geral”, afirma. É que entre as etapas de avaliação do reconhecimento, o empreendedor preenche um questionário de autoavaliação. As informações são analisadas e um relatório que é devolvido contendo as pontuações por critério.

O Prêmio MPE Brasil, no Rio Grande do Sul, resulta de uma parceria entre o Sebrae/RS, Grupo RBS, Gerdau, Movimento Brasil Competitivo (MBC) e a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), com patrocínio nacional da Petrobras e da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Todas as empresas inscritas concorrerão à premiação estadual. As classificadas disputam a etapa nacional, que será realizada em 2010. Serão premiadas empresas das categorias Indústria, Comércio, Serviços de Turismo (bares, restaurantes, hotéis, pousadas, agências de viagens, transportes turísticos), Serviços de Saúde, Serviços de Educação, Serviços de Tecnologia da Informação (desenvolvimento, implantação e gerenciamento de softwares), Serviços (geral) e Agronegócio. Na Categoria Destaque, Boas Práticas de Responsabilidade Social.

Critérios
Podem participar do MPE Brasil empresas constituídas até 31 de dezembro de 2007, com domicílio no Rio Grande do Sul e faturamento anual de até R$ 2,4 milhões. O regulamento apresenta as seguintes diferenças: empresas que venceram em 2008 não podem concorrer em 2009 e 2010 e, se vencerem duas vezes, não podem mais participar. Nesse caso, devem buscar o PGQP, deixando a oportunidade para novas empresas apresentarem suas práticas bem sucedidas de gestão.

Serviço:
Assessoria de Comunicação do Sebrae/RS: (51) 3216.5165, (51) 3216.5182 ou (51) 9955.8192
Central de Atendimento ao Cliente do Sebrae/RS: 0800 570 0800

Sebrae Nacional: 0800 570 0800

Mais de 490 empresas gaúchas inscrevem-se no Inova RS


Inova RS

Total de solicitações superou dez vezes os recursos financeiros disponíveis para aplicação no programa. Edital, voltado para MPEs, irá destinar entre R$ 100 mil e R$ 500 mil por projeto.

Mais de 490 empresas do Rio Grande do Sul, de 21 setores, se inscreveram para o processo de seleção da Chamada Pública Inova Pequena Empresa prevista no edital Finep/Pappe 01/2009.

O total superou em dez vezes os recursos financeiros disponíveis, não-reembolsáveis, na ordem de R$ 13,3 milhões para os projetos de inovação tecnológica a serem implantados nos empreendimentos. A próxima etapa será a avaliação e seleção das propostas.

O Inova Pequena Empresa RS é uma ação conjunta da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul (Sebrae/RS) e da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs/IEL). No ranking de inscrições, as micro e pequenas empresas que apresentaram maior número de propostas atuam nos setores de Comércio/Serviços (80), Meio Ambiente (48) e TI (48).

O período para participar do processo de subvenção econômica terminou no dia 2 de junho. “A inovação significa vitalidade para as micro e pequenas empresas e é essencial para a escalada da competitividade”, destaca o superintendente do Sebrae/RS, Marcelo Lopes. De acordo com ele, foram recebidas propostas de 86 municípios gaúchos.

A avaliação dos projetos será realizada em três etapas: pré-qualificação, avaliação de mérito e análise operacional. Poderá, ainda, ser requisitada uma apresentação presencial da proposta pelo proponente, a critério do Comitê de Avaliação, para obtenção de eventuais esclarecimentos que se fizerem necessários.

O valor do apoio é de no mínimo R$ 100 mil e de no máximo de R$ 500 mil, por projeto. Puderam apresentar proposta para a seleção na primeira Chamada, micro e pequenas empresas nacionais, estabelecidas no Rio Grande do Sul, registradas na Junta Comercial, e que apresentaram faturamento bruto anual de, no máximo, R$ 10,5 milhões no último exercício.

A divulgação dos resultados será feita a partir do dia 6 de julho, conforme previsto no cronograma da Chamada Pública. Para ficar a par dos resultados, os empreendedores podem acessar os seguintes sites: www.inovapers.com.br, www.sebrae-rs.com.br, www.fiergs.org.br ou www.ielrs.org.br.

Fonte: ASN

Veja também
Mais informações sobre INOVAÇÃO:
  1. Laboratório de nanotecnologia pesquisa plásticos biodegradáveis
  2. Tecpar investe R$ 14 milhões em reestruturação tecnológica
  3. Fundação Certi recebe R$ 6 mi para montar Centro de Referência
  4. Santa Catarina bate o martelo para a Inovação
  5. Resultado da Primeira fase do PRIME Pernambuco seleciona 79 empresas
  6. Inovação tecnológica terá linha de crédito com juro de 1% ao ano
  7. PROTEC lança livro que ensina a elaborar projetos de inovação
  8. Financiamento de R$ 200 mil a empresas inovadoras
  9. Sem inovação, Brasil corre risco de “apagão tecnológico”
Logomarca Cysneiros e Consultores Associados
 

Concurso premia empreendedorismo de estudantes


Prêmio Técnico Empreendedor 2009

Estão abertas, até 7 de julho, as inscrições para a edição 2009 do Prêmio Técnico Empreendedor, que incentiva a combinação de empreendedorismo e inovação nas Instituições Públicas de Educação Profissional e Tecnológica do Brasil inteiro.

As equipes inscritas devem ter dois ou três alunos e um professor orientador. Elas concorrem nas categorias Técnico (nível médio) e Tecnólogo (nível superior), nos temas Livre, Inclusão Social e Cooperativismo.

Os projetos passam inicialmente por uma etapa regional, que começa em 20 de setembro. Nela, é escolhido um vencedor por tema em cada categoria, que conquista como prêmio R$ 2 mil. No dia 25 de novembro, haverá a cerimônia de premiação com os 18 finalistas em Brasília. Os primeiros lugares em cada categoria levam R$ 8 mil de prêmio; os segundos, R$ 6 mil; os terceiros, R$ 4 mil.

O Prêmio Técnico Empreendedor teve início em 2002, com a parceria entre Sebrae e Ministério da Educação. Em 2007, a iniciativa passou a contar com a participação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O ano de 2009 marca a entrada do Banco do Brasil no projeto.

Mais de 1600 projetos já foram inscritos desde a criação do prêmio, que tem como objetivo estimular e despertar o espírito empreendedor dos alunos de cursos técnicos e tecnológicos, premiando projetos que reúnam as melhores idéias de negócios e que possam contribuir para o desenvolvimento socieconômico de suas comunidades.

Informações sobre o Prêmio nos portais do Sebrae (www.sebrae.com.br) e do Mapa (www.agricultura.gov.br)

Prêmio da Finep distribuirá R$ 29 milhões para inovação


premio_finep

Micro e pequenas empresas de todo o País interessadas em projetos de inovação têm até 10 de setembro para se inscreverem no Prêmio Finep de Inovação. O prêmio foi criado para incentivar esforços inovadores realizados por empresas, instituições de ciência e tecnologia e organizações sociais brasileiras, desenvolvidos e aplicados no Brasil e no exterior.

Segundo o edital, são consideradas inovadoras empresas e instituições que introduziram novidades ou aperfeiçoamentos no ambiente produtivo ou social com o objetivo de lançar novos produtos, processos ou serviços nos últimos três anos. As pessoas físicas também podem concorrer na categoria especial ‘Inventor Inovador’, na qual são escolhidos os inventores que mais se destacaram. O prêmio é realizado regionalmente. As propostas vencedoras em cada categoria de cada região concorrem entre si à premiação nacional, realizada no fim do ano em Brasília.

Além do troféu, os vencedores poderão receber financiamentos da Finep para a implementação de projetos de inovação, que variam de R$ 500 mil a R$ 10 milhões. No total, devem ser distribuídos R$ 29 milhões em financiamentos pré-aprovados pela Finep, divididos entre os vencedores das etapas regionais e nacional. Serão até R$ 9 milhões em recursos não-reembolsáveis e até R$ 20 milhões em recursos reembolsáveis do programa Finep Inova Brasil. O regulamento está disponível no site www2.finep.gov.br/premio

Quem pode participar

Categoria Micro/Pequena Empresa – Empreendimentos brasileiros com faturamento bruto em 2008 até R$ 10,5 milhões, representados pelo conjunto de suas ações inovadoras nos últimos três anos. Etapas regional e nacional.

Categoria Média Empresa – Empreendimentos com faturamento bruto em 2008 entre R$ 10,5 milhões e R$ 60 milhões, representados pelo conjunto de suas ações inovadoras nos últimos três anos. Etapas regional e nacional.

Categoria Grande Empresa – Empreendimentos brasileiros com faturamento bruto em 2008 superior a R$ 60 milhões representadas pelo conjunto de suas ações inovadoras nos últimos três anos. Etapa Nacional.

Categoria Instituição de Ciência & Tecnologia – Instituições públicas ou privadas, sem fins lucrativos, que desenvolvam atividades de pesquisa básica ou aplicada de caráter científico ou tecnológico, tais como: centros, laboratórios e agências de inovação pertencentes a entidades de ensino e/ou pesquisa, departamentos ou núcleos de inovação tecnológica (NITs) e escritórios de patentes vinculados a essas instituições, por meio do conjunto de suas ações de relacionamento com o mercado e de fomento à atividade inovadora nos últimos três anos. Etapas Regional e Nacional.

Categoria Tecnologia Social – Instituições de Ciência e Tecnologia, públicas ou privadas, isoladas ou em parceria com organizações não-governamentais, cooperativas e instituições públicas ou privadas sem fins lucrativos, por meio de experiências inovadoras implantadas nos últimos três anos. Etapas Regional e Nacional.

Categoria Inventor Inovador – Inventores (pessoas físicas) que possuam pelo menos um registro de propriedade intelectual (invento, modelo de utilidade, desenho industrial, registro de programa de computador etc.), concedido ou reconhecido no Brasil pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), e que tenham efetivamente comercializado sua criação nos últimos três anos. Etapa Regional e Nacional.

Fonte: Sebrae

Cultura da inovação

Inscrições abertas para o Prêmio Sebrae Mulher de Negócios


Mulher de Negócios

Mulheres empreendedoras, empresárias e protagonistas de histórias exemplares são o alvo do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios. A premiação está na sexta edição e é uma realização do Sebrae, em parceria com a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais do Brasil (BPW) e FNQ.

Interessadas em concorrer ao Prêmio Mulher de Negócios 2009 têm até o dia 14 de agosto para inscrever suas histórias, que devem relatar os sonhos que se transformaram em realidade, após muita garra, trabalho, profissionalismo e determinação. Os empreendimentos relacionados com as histórias mais bem avaliadas deverão apresentar documentos que comprovem sua regularidade fiscal e estatutária durante a etapa em que ocorrerá visita da equipe técnica do Sebrae local.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pela internet nos sites www.sebrae.com.br ou www.mulherdenegocios.sebrae.com.br. Também é possível se inscrever por meio do preenchimento de ficha, que acompanha o regulamento, no anexo I, disponível em todas as unidades estaduais do Sebrae. As inscrições realizadas via internet serão aceitas até às 23h59 do dia 14 de agosto; as inscrições feitas em fichas devem ser postadas nos Correios até o dia 14 de agosto.

Números

“Com essa premiação, pretendemos reconhecer e demonstrar ao público que essas mulheres, por meio da realização de seus sonhos, conseguem gerar emprego e renda e contribuir com 50% da atividade econômica brasileira, segundo a pesquisa GEM”, afirma Maria del Carmen Stepanenko, gestora do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios no Sebrae Nacional. A valorização do empreendedorismo feminino é um exemplo para que outras mulheres passem a acreditar em seu próprio potencial, segundo a gestora.

O número de inscrições vem crescendo a cada edição do prêmio: 700 mulheres inscritas em 2004; 1,4 mil em 2005; 1,7 mil em 2006; 2.187 em 2007; e 2.667 em 2008. A expectativa é de que o total de inscrições aumente em torno de 10% em relação ao ano passado, segundo Maria del Carmen.

O prêmio é divido em duas categorias: ‘Pequenos Negócios’, para proprietárias de empresas de pequeno porte, estabelecidas formalmente, no mínimo, há um ano; e ‘Negócios Coletivos’, para integrantes de grupos de produção formal, que podem ser cooperativas e associações de pequenos negócios produtivos, geradores de trabalho e renda, desde que sejam estabelecidos dentro da formalidade há, pelo menos, um ano.

O faturamento anual das empresas das candidatas da primeira categoria não poderá ultrapassar R$ 2,4 milhões, segundo o Estatuto Nacional das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte, mais conhecimento como Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. A restrição na segunda categoria (Negócios Coletivos) é em relação à participação de organizações não-governamentais (ONG), sindicatos, associações filantrópicas e outros, com caráter semelhante, segundo o regulamento da premiação. É vedada a participação de empresas cujas proprietárias ou sócias sejam empregadas ou prestadoras de serviço das entidades promotoras do prêmio.

Etapas e troféus

Três etapas compõem a premiação: estadual, regional e nacional. Na etapa nacional o número de finalistas pode chegar até o máximo de 20: dez histórias, duas de cada uma das cinco regiões do País, uma na categoria ‘Pequenos Negócios’ e outra em ‘Negócios Coletivos’, serão consideradas as vice ganhadoras nas suas regiões e receberão troféu bronze.

As dez histórias mais bem avaliadas (duas de cada região), dividas nas duas categorias, serão as vencedoras nas suas regiões e serão agraciadas com troféu prata. Entre as dez ganhadoras regionais, serão escolhidas as duas melhores histórias, sem considerar a região, uma em cada categoria. As duas vencedoras nacionais ganharão o troféu ouro.

As dez ganhadoras regionais também ganharão uma viagem para capacitação em território nacional. Já as duas vencedoras nacionais receberão ainda, como prêmio, uma capacitação em território nacional e uma viagem internacional a um centro de referência em empreendedorismo a ser escolhido pela coordenação do Prêmio Mulher de Negócios.

Excelência na gestão atrai os pequenos


FNQ

Fundação Nacional da Qualidade espera 75 mil inscrições para premiação em 2009.

Ser competitivo significa empreender esforços para melhorar a gestão dos negócios e adequá-los à sustentabilidade. As ações para o desenvolvimento de companhias perenes e sustentáveis entram no discurso de qualquer empresário. A boa notícia é que aumenta a busca por qualificação e por processos capazes de içar as pequenas e médias neste novo cenário de mercado. Como reflexo, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) vê aumentar o número de interessados na conquista do Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas (MPE Brasil), iniciativa conjunta da Gerdau, Petrobras, Sebrae, FNQ e Movimento Brasil Competitivo (MBC).

Em 2004, quando teve início, a premiação nacional angariou 19,5 mil inscrições; a edição de 2008, cujo prêmio foi distribuído neste ano, recebeu 53 mil inscrições. Agora, a fundação espera 75 mil participantes em 2009 e até 100 mil em 2010. “O interesse é contínuo e consistente. As companhias de menor porte realmente entendem a importância deste reconhecimento”, afirma Luiz Ernesto Gemignani, presidente do conselho curador da fundação.

Para concorrer ao prêmio, as inscritas são avaliadas em itens como empreendedorismo, estrutura do sistema de gestão, responsabilidade socioambiental, gestão de pessoas, processos e resultados alcançados nos ciclos avaliados. Ao se inscreverem, têm acesso a um questionário de autoavaliação, que deve ser completado para que a empresa se mantenha na disputa. A pesquisa serve como um filtro e permite a montagem de casos consistentes para o ciclo de avaliação dos jurados. “As companhias querem saber como estão posicionadas e tentam responder toda a pesquisa”, informa Gemignani.

Segundo ele, quem não consegue finalizar o questionário tende a refletir sobre as falhas e tentar novamente a participação. “Muitos empresários nunca pararam para pensar de forma estruturada em seus negócios. A pesquisa exige isto”, afirma.

Junto com o número de inscrições, cresce também o volume de questionários completos. Em 2004, foram 3.612 concorrentes ao prêmio, em 2008 o número ultrapassou 8 mil. “Ao responder a pesquisa, o empresário tem acesso à consultoria online e gratuita. Enviamos para ele um relatório com os melhores pontos e as falhas de negócio. Dessa forma, ele consegue aprimorar a gestão para a próxima edição”, conta Luiz Ernesto Gemignani.

Para o Sebrae, a pesquisa, além de atuar no planejamento e na organização dos participantes, é uma ferramenta para adquirir informações e direcionar as próprias ações da entidade. Com o resultado, o Sebrae sabe quais são as falhas mais comuns nas empresas brasileiras e identifica que tipos de serviços (consultoria) e treinamentos têm de estar disponíveis em cada praça. “As avaliações são espelhos das empresas de pequeno porte no Brasil e nos dão informações valiosíssimas sobre o estágio de competitividade do segmento”, afirma Enio Pinto, gerente da unidade de atendimento individual do Sebrae Nacional.

Ele afirma que o prêmio é só a cereja do bolo e uma forma de educar as empresas pelo exemplo. “Os ganhos vão além do troféu. As iniciativas vencedoras servem de inspiração para muitos e motivam os empresários a buscar cada vez mais capacitação. Enxergo uma quebra de paradigma importante: as micro e pequenas empresas estão se especializando.”

A especialização traz ganhos para toda a cadeia de negócios e é fundamental para criar setores fortes, competitivos e com negócios sustentáveis. Esta visão é o que motiva empresas como a Gerdau a investirem em iniciativas que premiam e qualificam os pequenos. José Paulo Martins, diretor do Instituto Gerdau, acredita que, em uma economia aberta e global, as empresas precisam trabalhar unidas para garantir mercado. “Não há competitividade se o fornecedor não oferecer qualidade em serviços ou em matéria-prima. Grandes indústrias precisam de fornecedores qualificados”, declara Martins.

Outra questão está ligada ao papel das grandes empresas nas regiões onde atuam. O impacto social é grande e o bom desempenho das companhias de pequeno porte exerce pressão positiva nas comunidades próximas aos grandes pólos industriais. “Manter uma boa rede de fornecedores é vital para qualquer negócio. Por isso, a qualificação tem se tornado cada vez mais importante”, comenta Martins. A Gerdau mantém também um programa de desenvolvimento de fornecedores, no qual ajuda seus parceiros a se organizarem e melhorarem processos em busca de competitividade.

Ações como a promovida pelo grupo do MPE Brasil servem de inspiração para todos os segmentos da economia. A Vivo Empresas criou um programa voltado para a excelência e certificação de seus representantes e canais de vendas em todo o Brasil. A qualificação é vital para a operadora, que depende do trabalho de empresas de pequeno porte na venda de produtos e serviços.

Pelo Programa Parceiro Vivo Corporativo, as pequenas empresas são avaliadas pelo desempenho comercial, qualidade no atendimento ao cliente e estrutura. A partir daí, a Vivo certifica e reconhece as melhores por meio de um prêmio. O objetivo é rever o modelo de negócios atual e propor uma nova relação comercial, remunerando de forma diferenciada quem estiver qualificado. “Vivemos um momento no qual a qualidade do atendimento ao cliente nos diferenciará no mercado. Contamos com nossos parceiros para mantermos a liderança e aprimoramos cada vez mais nossos serviços”, declara Roberto Lima, presidente da Vivo.

Francisco Ferreira Araújo, sócio da Sidus Telecom, revenda de celulares na cidade de Belém (PA), acredita que o apoio de grandes empresas, entidades como o Sebrae e a FNQ é fundamental para a estruturação dos negócios de menor porte.

A Sidus foi fundada há seis meses e teve apoio da operadora que representa em tópicos como planejamento, gestão e estruturação do negócio. Também obteve vantagens no treinamento de seus 17 funcionários, que foram preparados pela Vivo. Com o curso, eles passaram a conhecer o mercado de telecomunicações, as soluções disponíveis e as funcionalidades dos aparelhos que vão comercializar. “Sem isto seria difícil começar. Estou estruturado, acredito no modelo de alta especialização e logo vou concorrer a prêmios”, avisa Araújo.