Últimas vagas para o Seminário Regional Em Busca da Excelência


FNQ

Empresários, gestores, acadêmicos e profissionais interessados em participar do Seminário Regional Em Busca da Excelência (Sebe), na próxima quarta-feira (17), devem se apressar para garantir lugar no evento. Até agora, mais de 110 pessoas já efetuaram inscrição gratuita através do site www.fnq.org.br e, ao que tudo indica, as últimas vagas disponíveis – das 200 oferecidas – deverão se esgotar rapidamente. O Seminário, promovido pela Fundação Nacional da Qualidade em parceria com o Propeq e o Sebrae, acontece das 8h30 às 12h30, no auditório do Sebrae, na Ilha do Retiro.

Leia mais

www.propeq.org.br

Anúncios

Lançamento da Revista InfoBrasil exclusiva para o Software Público


No dia 19 de junho, às 16:00 horas, será lançada e entregue a Revista InfoBrasil em edição especial dedicada ao Software Público. Veja a capa da revista no endereço da inscrição.

A presença no evento garante a retirada gratuita da Revista InfoBrasil – Software Público, que é considerada pela jornalista Marluce Aires, editora da revista, uma edição histórica.

A inscrição deve ser feita no endereço http://www.softwarepublico.gov.br/eventos/event-info?event%5fid=11715081 Ela é automática para os cadastrados no Portal. As pessoas que ainda não fazem parte do Portal SPB precisam fazer o seu cadastramento no endereço www.softwarepublico.gov.br.

O lançamento é aberto ao público mediante apresentação deste convite e o evento conta com a presença do coordenador do Portal do Software Público Brasileiro, Corinto Meffe. O lançamento ocorre após a palestra que será organizada na Universidade Federal de Pernambuco.

A Revista faz parte da política de disseminação do conhecimento do projeto do Modelo de Qualidade do Software Público coordenado pelo Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, do Ministério da Ciência e Tecnologia.

Como a CPFL e Suzano enfrentam os riscos sistêmicos


CPFL%202

As vencedoras do Prêmio Nacional da Qualidade® (PNQ) 2008, CPFL Paulista e Suzano Papel e Celulose, foram as participantes do primeiro painel do 17º Seminário Internacional em Busca da Excelência, promovido pela FNQ no dia 21 de maio. Os respectivos presidentes das premiadas, Wilson Ferreira Júnior e Antonio Maciel Neto, participaram do painel sobre  liderança e estratégia em um ambiente de incertezas, mediado pelo jornalista Carlos Mello.

Ferreira e Maciel vêem no Modelo de Excelência da Gestão® (MEG) uma importante ferramenta para que as empresas passem pela crise econômica mundial e superem suas possíveis consequências. Para eles, organizações que focam na excelência da gestão atravessam momentos turbulentos de uma maneira menos impactante negativamente. “Essas empresas estão mais bem preparadas para enfrentar a crise. Acredito que as organizações que adotam o MEG sairão em melhores condições desta crise, perante aquelas que não o utilizam”, afirmou Maciel.

Para Ferreira, a crise é gigantesca e com um poder de contaminação global. “O sistema de gestão disseminado pela FNQ prepara melhor as organizações para encarar esta realidade. Elas se fundamentam muito mais em fatos e dados e aprendem a ver, na crise, oportunidades importantes”, disse o executivo da CPFL. De acordo com ele, vivemos num mundo em transformação, no qual a busca por resultados não pode acontecer a qualquer preço.

“Nos últimos anos, por não considerarem o equilíbrio dos interesses de todos os stakeholders e os impactos de suas atividades, muitas empresas sucumbiram às transformações na sociedade e no planeta”, afirmou Ferreira, citando como exemplos de busca desenfreada por resultados os escândalos financeiros, casos de corrupção, danos ambientais e trabalho infantil, entre outros.  “Algumas empresas simplesmente desapareceram. Outras, tiveram seus negócios seriamente afetados”.

O MEG

Maciel salientou que os fundamentos de excelência, bem como os critérios da FNQ, compõem um conglomerado de estratégias consistentes e capazes de fazer as organizações ultrapassarem situações como a atual. “O modelo da FNQ, com sua excelência operacional, nos proporciona focar nos fundamentos para enfrentar cenários de incerteza”.

O executivo da Suzano disse que sua empresa e a CPFL são exemplos importantes de que o trabalho da FNQ é fundamental para o sucesso das organizações. “Somos empresas robustas, do ponto de vista financeiro, e ganhadoras do PNQ. Se o MEG não fosse eficaz, não estaríamos aqui para contar nossas experiências”, disse Maciel. 

“O MEG é o nosso principal direcionador estratégico. Somos bons de gestão e disseminamos isso para todos os nossos stakeholders”, afirmou Ferreira. “A crise tem seus aspectos negativos, mas também tem seu lado positivo, pois coloca todo mundo pensando na sociedade, de maneira sustentável e igual”, completou ele.

Futuro

Questionados sobre qual o olhar que têm para o futuro, Wilson Ferreira e Antonio Maciel disseram que os próximos anos evidenciarão grandes desafios, alguns riscos e oportunidades imensas. “Retomar o crescimento econômico; ampliar a eficiência de consumo; reduzir desigualdades sociais; gerar energia inteligente, a partir de fontes limpas e renováveis; mitigar os impactos do aquecimento global; e adaptar-se a um mundo mais regulado e com maior controle são alguns desses desafios que nos esperam pela frente”, afirmou o presidente da CPFL. 

Ferreira afirmou que estamos assistindo a revolta do meio ambiente, em decorrência do que fizemos no passado. “Um desafio é descobrirmos como reverter isso. É preciso fazermos uma gestão ambiental adequada, termos um consumo consciente”.  O executivo ressaltou que a desigualdade social é outro aspecto que o preocupa, em relação ao futuro. “O Brasil melhorou muito, mas há muito o que evoluir, ainda existe muita injustiça social, que também gera instrumentos de revolta. Precisamos trabalhar para que possamos resguardar e incorporar mais justiça social”.

Para o executivo da Suzano, um fator de extrema relevância para encarar positivamente o futuro é trabalhar preventivamente, com visão a longo prazo.  “O Brasil tem jeito. Temos muitos exemplos do que é a capacidade brasileira de realização. O que precisamos é adaptar e evoluir na agenda”, afirmou Maciel.

Para ele, além das questões citadas por Ferreira, outros dois aspectos são fundamentais para o futuro das organizações e do País. “É preciso replicar e aperfeiçoar modelos de gestão de sucesso. A FNQ faz isso de maneira espetacular, mas há a necessidade de outras instituições fazerem o mesmo”.  Além disso, a educação também é de extrema relevância. “A educação é a base de tudo. Por meio dela podemos mitigar os riscos de desenvolvimento social, ambiental e econômico”, finalizou.

Sustentabilidade é vetor de inovação para o Santander


logo-santander

Promover a Sustentabilidade por meio de produtos e serviços  e mobilizar colaboradores, clientes, fornecedores e a sociedade foram os desafios encarados por Maria Luiza Pinto, diretora-executiva de desenvolvimento sustentável do Grupo Santander.

Como uma das palestrantes da Clínica de Gestão, do 17º Seminário Internacional em Busca da Excelência, promovido pela FNQ, no dia 20 de maio, Maria Luiza contou as experiências de sucesso na implementação de práticas de sustentabilidade, caminhos e desafios da organização.

Em 2001,  responsável pela Área de RH para a Unidade de Varejo Mundial do Banco Real, na Holanda, Maria Luiza foi convidada pelo presidente Fabio Barbosa para transformar a organização,  no Brasil, em um Banco de Valor e integrar as dimensões sociais, ambientais e econômicas em todas as decisões da instituição.

“Quando começamos a falar de sustentabilidade esse tema ainda era novidade, por isso era preciso conquistar os colaboradores com oportunidades novas que agregassem valor aos seus negócios de atuação com foco sustentável”, afirma Maria Luiza.

Para cumprir o desafio foi necessário revisitar o core business da organização e buscar respostas para a pergunta: qual é a nossa causa como banco?  “A liderança trouxe o questionamento e não tínhamos a resposta porque ainda não existiam modelos e referências para nos auxiliar, disse a diretora.

O primeiro passo foi fazer um diagnóstico dos indicadores estratégicos para definir as frentes de atuação.  Feito isso, o resultado mostrou que era necessário melhorar os processos relacionados, principalmente, ao meio ambiente e aos fornecedores.

Mas para Maria Luiza não bastava melhorar apenas esses dois aspectos. “Para ter uma atuação sustentável e cumprir nosso papel na sociedade, enquanto instituição financeira, era preciso atuar com os stakeholders em quatro diretrizes: negócios, processos, pessoas e relacionamentos.

Para fazer acontecer era necessário engajar os colabores e fazê-los entender que a sustentabilidade deve ser inerente ao indivíduo e não se restringir as atividades exercidas no horário de trabalho. Para mudar a percepção, a área de Treinamento e Desenvolvimento, de responsabilidade do RH, passou para a Diretoria de desenvolvimento sustentável e lá permaneceu por três anos. “Educar é fundamental para disseminar a sustentabilidade e ampliar a consciência para a formação do pensamento sistêmico”, explica a diretora.

De acordo com ela muitos aderiram por convicção e alguns por conveniência, “de qualquer forma estamos irradiando práticas sustentáveis e esse modelo brasileiro é replicado em outras instituições financeiras no mundo todo e, o mais importante é que hoje a construção é coletiva”, explica.

Com a efetivação do controle do Grupo Santander em 2008 as ações de sustentabilidade ganharam força com a formação dos conselhos de práticas, de sustentabilidade e do comitê de Ação Social. Maria Luiza salienta que a sustentabilidade trouxe credibilidade e é o vetor da inovação.

Inovação e práticas sustentáveis

Oferecer crédito para as comunidades de baixa renda a fim de promover o empreendedorismo,  auxiliar os fornecedores na adoção de critérios de sustentabilidade,  reduzir o impacto das operações no meio ambiente e promover investimento social privado são algumas práticas consistentes que colocam o Grupo Santander como agente de transformação e abrem oportunidades para a melhoria da qualidade de vida da sociedade do presente e do futuro.

“Inovação e sustentabilidade andam juntas e a inovação que entendemos não é apenas anteceder o futuro é compartilhar aquilo que dá certo com a sociedade, gerar novas oportunidades e encurtar o caminho na direção de um mundo mais sustentável”, finaliza Maria Luiza.

AES dissemina boas práticas de gestão


AES_Projeto%20Pomar%201

A AES Eletropaulo, finalista do Prêmio Nacional da Qualidade® (PNQ) 2008, foca seu trabalho de qualidade da gestão na busca pela excelência, de acordo com Fátima Molina, que integra a gerência de planejamento estratégico da empresa.  Ela apresentou o caso durante o 17º Seminário Internacional em Busca da Excelência, no dia 20 de maio, promovido pela FNQ.

Para incentivas as boas práticas de gestão, a AES Eletropaulo dissemina sua estratégia para 100% dos colaboradores. “Se eles não souberem qual é a estratégia, não poderão trabalhar alinhados a ela. Por isso é preciso disseminar o mapa estratégico de forma lúdica”, contou Fátima. “É importante que os colaboradores percebam onde estão inseridos dentro da empresa, para que contribuem e onde seus trabalhos agregam valor”. 

Ela explicou que são identificados os gaps e as práticas de gestão aderentes aos fundamentos de excelência. “Ser membro da FNQ evidencia nossos padrões rígidos que pautam nossos trabalhos. Para disseminar e incentivar as experiências, a AES adaptou o Modelo de Excelência em Gestão® (MEG) da FNQ para a linguagem dos seus colaboradores. “Fizemos isso para criar um modelo com a nossa identidade, que possa ser compreendido pelo operacional”, afirmou a executiva.

Metodologias

A dinâmica de trabalho que envolve boas experiências na AES Eletropaulo é composta por reuniões de trabalho, seleção de práticas indicadas como pontos fortes, realização de oficinas de boas práticas, redação dos formulários de boas práticas da FNQ e submissão das mesmas para avaliação e aprovação da instituição. “A partir do diagnóstico da gestão fazemos as melhorias, refinamentos e inovações necessárias”, disse Fátima.

Ela explicou que a disseminação e o reconhecimento dos resultados é de extrema relevância para a continuidade e aperfeiçoamento dos processos. “É preciso que todos saibam quais os pontos fortes da empresa e quais as oportunidades de melhoria. Bons trabalhos são reconhecidos por meio da intranet, boletim, mural, revista mensal, encontros e seminários”.

Na AES, existem boas práticas em todas as frentes de trabalho e para todos os Critérios de Excelência. “Se trabalharmos focados, de forma integrada, o reconhecimento acontece naturalmente”, disse ela, referindo-se ao PNQ. “A constância de propósitos e o patrocínio da alta direção são fatores primordiais para o sucesso de uma organização. São as pessoas que colocam os processos em prática, por isso elas precisam ser envolvidas, valorizadas e reconhecidas”, finalizou Fátima.

Volvo estrutura seus processos com base no MEG


volvo_logo,jpg

A Volvo é um grupo sueco que atua no mercado brasileiro desde 1934. A empresa, destaque no critério processos no Prêmio Nacional da Qualidade® (PNQ) 2008, é a segunda do mundo em fornecimento de soluções de transportes comerciais, de acordo com Regimar Michelin, responsável pela engenharia de manufatura da Volvo do Brasil. Ele proferiu uma palestra no 17º Seminário Internacional em Busca da Excelência, promovido pela FNQ, no dia 20 de maio. “A empresa utiliza conhecimentos para criar soluções aos clientes, sob os valores corporativos: qualidade, segurança e respeito ao meio ambiente”, afirmou.

A Volvo, que atua sob uma gestão matricial, tem na energia, paixão e respeito os pilares que norteiam o relacionamento com seus funcionários. “A organização realiza grandes investimentos para capacitar, valorizar e motivar seus colaboradores”, disse Michelin. Em 2003 a diretoria brasileira da Volvo decidiu utilizar o Modelo de Excelência de Gestão® (MEG), da FNQ, em sua unidade de caminhões, que representa 70% do volume de negócios. “A empresa mergulhou sua equipe de executivos em auditorias internas para montar os critérios. Estabeleceu um sistema de conselhos, processos e subconselhos”.

A partir daí, a equipe implantou o relatório da gestão, com foco no processo. “Introduzimos metodologias para classificar, analisar e tratar os riscos empresariais, visando a continuidade dos negócios. A crise financeira mundial que vivenciamos hoje foi identificada em 2004/2005 pelo nosso grupo”, contou  Michelin. “Os requisitos que gerenciam os processos nos permitem analisar melhorias para seus principais negócios. No caso da unidade de caminhões, produção e distribuição trabalham juntas e visam a melhoria da ecoeficiência dos produtos”, finalizou.

Seminário: Clientes e pessoas são o foco da gestão da Brasal


Brasal

Há  dez  anos,  a  busca  pela  excelência  na  gestão  dos  negócios  norteia  os  trabalhos  da  Brasal Refrigerantes,  que  tem  alcançado  reconhecimento  nacional.  O  resultado  deste  trabalho  pode  ser  comprovado  em  números.  O  market  share  de  valor  da  empresa  passou  de  62,9%  em  2001  para  79%  em  2008.  O  faturamento  bruto  da  empresa  cresceu  mais  de  51%,  passando  de  R$  288  milhões  em  2005,  para  R$  436  milhões,  em  2007.  Renato Barbosa, diretor geral da Brasal Refrigerantes, destaque no critério Clientes no Prêmio Nacional da Qualidade® (PNQ) 2008, foi um dos palestrantes do 17º Seminário Internacional em Busca da Excelência, promovido dia 20 de maio pela FNQ.

“Nossos  indicadores  econômicos  são  os  melhores  do  Brasil,  mesmo  em  comparação  com  outras  empresas  fabricantes  de  Coca-Cola  do  mundo  todo.  A  gente  consegue,  por  meio  da participação no PNQ  e  do  Modelo de Excelência da Gestão® (MEG),  transmitir  para  a  organização  inteira  o  aspecto  motivacional  pelo  aperfeiçoamento  da  gestão”,  explicou  Barbosa.

No  relacionamento  com  os  clientes  e  o  mercado,  a  Brasal  é  totalmente  focada  no  desenvolvimento  de  relações  de  parceria.  Adota  vários  programas  para  ajudar  a  identificar,  analisar  e  compreender  as  necessidades  dos  clientes.  Entre  eles,  as  “visitas  ao  mercado”,  que  consistem  em  pesquisar  as  necessidades  dos  clientes,  as  novas  tendências  de  mercado  e  dar  um  feedback  sobre  as  atividades  de  comercialização  e  distribuição. 

Pessoas e sustentabilidade

De acordo com o diretor, a organização acredita que a chave do êxito são as pessoas, pois são elas que criam, implementam, movem acompanham e aperfeiçoam todos os processos. “Para receber uma promoção, os funcionários têm de passar por treinamentos e, ao final do curso, há uma prova escrita. O resultado dos testes, somado ao atingimento das metas, permite que o funcionário seja promovido. A empregabilidade depende dessa equação”.

O  Centro  de  Negócios é  um  espaço  de  capacitação  onde,  diariamente,  são  recebidos  clientes,  convidados  pelos  coordenadores  de  vendas,  para  um  treinamento  em  técnicas  de  vendas  no  varejo,  além  de  uma  visita  a  um  ambiente  cenográfico,  representando  quatro  canais  de  mercado:  bar,  padaria,  mercado  e  loja  de  conveniência. 

Segundo Barbosa, o conceito de sustentabilidade pode ser definido como a capacidade de desenvolver a atividade econômica, atendendo às necessidades da geração atual sem comprometer as gerações futuras. “Envolve temas como o uso racional dos recursos naturais, reciclagem, ética e cidadania, entre outros. A Brasal tem consciência da importância de se aprofundar no compromisso com as práticas sustentáveis. Por isso, atua junto aos órgãos governamentais, com propósito de atender os requisitos legais vigentes relacionados à responsabilidade sócio-ambiental”, finalizou o diretor.