Imagem

II Fórum Empresarial do Polo Econômico de Goiana


II Fórum Empresarial do Polo Econômico de Goiana

A partir da implantação de grandes empresas, Goiana vem se transformando num polo comercial muito atrativo. Devido a estas evidencia surge a necessidade de se debater aspectos relacionados a construção de um ambiente favorável ao crescimento das cadeias produtivas locais, garantindo a sustentabilidade e as oportunidades para as empresas do território.

A Fecomércio, através do Instituto Fecomércio, em parceria com a Agência de Desenvolvimento de Goiana (AD Goiana), realiza o II Fórum Empresarial do Polo Econômico de Goiana, com objetivo de abordar temas importantes sobre o processo de desenvolvimento da região. O evento acontecerá no próximo dia 30 de janeiro, das 18h às 21h30, no Centro Cultural Antonio Corrêa de Oliveira, Sesc Ler, na Rua do Arame, s/nº, Centro – Goiana-PE.

O evento tem como tema central “Ideias, soluções e processos inovadores para o desenvolvimento sustentável” e contará com a participação da Confederação Nacional do Comércio – CNC, do Centro SEBRAE de Sustentabilidade e com empreendimentos estruturadores instalados e em fase de instalação no município.

Imagem

2014 tem fortes chances de ser o ano das mulheres empreendedoras!


2014 tem fortes chances de ser o ano das mulheres empreendedoras!

Para saber como será o ano das empreendedoras, a colunista da revista Forbes Geri Stenge recorreu a dados, pesquisas e estudos elaborados por companhias renomadas. E, ao que tudo indica, 2014 trará boas notícias.

A colunista listou ainda outros bons motivos para empreendedoras acreditarem em si e mergulharem de corpo e alma em seus objetivos neste ano.
Veja abaixo:

1. As mulheres têm as habilidades certas

Um estudo conduzido pela consultoria Zenger Folkman com executivos de grandes empresas apontou que as mulheres são melhores líderes do que os homens. “Elas formam equipes melhores, são mais queridas e respeitadas como chefes, tendem a combinar melhor seu pensamento lógico e sua intuição, estão mais conscientes das consequências de suas ações no ambiente corporativo e são mais capazes de calcular com precisão o que é preciso fazer para cumprir uma tarefa”, disseram os responsáveis pela pesquisa, Jack Zenger e Joseph Folksman, à revista Forbes.

O mais chocante de todos os dados apurados por eles, no entanto, é que as mulheres se saíram muito bem em algumas das habilidades que, até pouco tempo atrás, eram relacionadas ao sexo masculino. Segundo os especialistas, as gestoras atingiram a nota máxima quando eram avaliadas sobre sua capacidade de tomar iniciativa e entregar resultados, ficando na frente de todos os chefes homens avaliados. Fora isso, uma análise feita pelos especialistas John Gerzema e Michael D’Antonio, concluiu que as características mais valorizadas em um líder hoje em dia, como cooperação, comunicação e compartilhamento, são mais associadas ao sexo feminino do que ao masculino.

2. Mulheres que lideram companhias de capital fechado entregam resultados financeiros mais eficientes

Um estudo feito pela Dow Jones VentureSource, centro de dados e pesquisa da Dow Jones, mostrou que companhias com mulheres ocupando cargos seniores apresentam resultados melhores e tem maiores possibilidades de sucesso do que aquelas que possuem apenas homens no comando. Outro resultado do estudo diz que as empresas de Venture Capital que investiram em negócios chefiados por mulheres se saíram melhor financeiramente do que os investidores que apostaram apenas em empresas cujas diretorias são dominadas pelo sexo masculino.

3. A diversidade melhora a performance

Outro estudo, desta vez conduzido pela consultoria Illuminate Ventures, afirma: organizações com mulheres nos postos de comando tiveram um Retorno sobre o Patrimônio (ROE, na sigla em inglês) 35% maior do que aquelas que só têm homens em sua administração. O ROE é um indicador financeiro que aponta a capacidade de uma empresa em agregar valor a ela mesma usando recursos próprios.

4. Poder de compra inexplorado

Outro ponto importante destacado pela autora da Forbes é até um pouco óbvio, mas passa despercebido por muitas companhias. As mulheres não saem comprando produtos feitos por outras mulheres apenas porque são do mesmo sexo. Mulheres entendem mulheres. E, por isso, são capazes de pensar em itens que se encaixam melhor dentro das necessidades desse público. Com 80% da capacidade de consumo controlada por mulheres e com a influência feminina nas compras feitas pelo sexo masculino, não dá para deixar essas informações de lado.

5. Mulheres nunca param de aprender

“Todo empreendedor que eu conheço atingiu o sucesso usando todas as formas de aprendizado que estavam disponíveis. Admitir que você não sabe tudo – e nunca saberá – é a chave para crescer”, diz Stenge. E, ao que parece, as mulheres têm mais vontade de crescer. Pelo menos é o que mostra o trabalho da Zenger Folkman. Segundo o estudo da consultoria, as executivas investem mais tempo em seu desenvolvimento do que os homens. “Mulheres ouvem melhor, leem publicações e livros e vão a treinamentos de desenvolvimento profissional” diz a pesquisa.

Fonte: Revista PEGN
Ilustração: Jornal do Empreendedor

Imagem

66ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)


66ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)

Já estão abertas a inscrições para a 66ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que será realizada entre 22 e 27 de julho de 2014, na Universidade Federal do Acre (UFAC), em Rio Branco, e terá como tema central “Ciência e Tecnologia em uma Amazônia sem Fronteiras”.
Esta edição terá a participação das principais associações científicas dos Estados Unidos, China, Europa e Índia, além de pesquisadores renomados da América Latina.

Acesse a reportagem completa clicando no link da imagem.

Imagem

Comunidade científica pernambucana conquista emenda à Constituição Estadual


Comunidade científica pernambucana conquista emenda à Constituição Estadual

Foi realizada hoje (20/12) em Pernambuco a solenidade de assinatura da emenda constitucional que garante à Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe) um orçamento de no mínimo 0,5% da receita de impostos do Estado. A mudança no texto legal foi uma vitória conquistada pela luta da comunidade científica pernambucana por muitos anos.

Com a emenda à Constituição Estadual, o orçamento da Facepe será superior a R$ 50 milhões. Fica também assegurado que o orçamento da fundação não poderá ser inferior ao hoje praticado, considerado ineficaz. A emenda corrige uma falha da legislação pernambucana que tornava muito pequeno o valor do mínimo constitucional assegurado à Facepe, porque dele estava excluída a receita de impostos.

“Este orçamento era uma luta antiga da comunidade científica. Agora esta emenda vai garantir mais de R$ 50 milhões para a Facepe. E o mais importante, garantido nos governos que sucederem o atual”, disse o segundo tesoureiro da SBPC, José Antonio Aleixo da Silva.

Sérgio Machado Rezende, professor titular no Departamento de Física da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e ex-ministro de Ciência e Tecnologia, também comemorou a emenda. “O governador já vinha destinando mais verbas para a Facepe, mas esta emenda vem regularizar e tornar permanente este orçamento”, disse. “Fui diretor científico da Facepe e sei como é difícil trabalhar com baixo orçamento. Esta medida vai ser um grande avanço para a comunidade”, animou-se.

A emenda foi sancionada pelo governador Eduardo Campos em solenidade realizada no Espaço Ciência, onde foram anunciadas outras medidas de incentivo à Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado, como a que garante a expansão da graduação e pós-graduação da Universidade de Pernambuco (UPE). Na ocasião, foi apresentado o balanço das ações realizadas pela pasta de CT&I no período de 2011 a 2013.

O governador também assinou o decreto referente à política de incentivo à indústria, pela Lei 15.063/13. A ação institui a obrigatoriedade de investimentos mínimos em projetos e atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação por parte do contribuinte do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) beneficiário dos seguintes programas de incentivo fiscal: Programa de Desenvolvimento de Pernambuco (Prodepe), Programa de Desenvolvimento da Indústria Naval e de Mecânica Pesada Associada do Estado de Pernambuco (Prodinpe) e Programa de Desenvolvimento do Setor Automotivo do Estado de Pernambuco (Prodeauto).

(Mario Nicoll e Vivian Costa / Jornal da Ciência)

Imagem

Estado assegura aumento de recursos para ciência e tecnologia


Estado assegura aumento de recursos para ciência e tecnologia

De R$ 7,8 milhões para cerca de R$ 52 milhões. Esse foi o salto que teve o orçamento da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Facepe). Na sexta-feira (20/12), o governador Eduardo Campos sancionou a PEC 38, que garante 0,5% da arrecadação de impostos voltadas para a fundação. Além disso, o gestor anunciou uma série de outras medidas de incentivo à Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado na ocasião.

Com o novo patamar de recursos, a Facepe – vinculada à Secretaria de Ciência e Tecnologia de Pernambuco – vai ampliar os investimentos em projetos de pesquisa realizados em instituições ou em empresas localizadas no Estado. Além disso, deve estender o número de bolsas e seu valor. “Prioridade não é tempo de discurso, mas a expressão do orçamento, que, nessa área, foi crescendo ao longo desses anos”, disse o governador.

Eduardo defendeu ainda os estímulos à inovação como garantia de um desenvolvimento mais equilibrado. “Temos uma tarefa estratégica que é a de pensar o Brasil no longo prazo. Todos os brasileiros sabem a importância de se fazer uma grande aposta no conhecimento, no papel da ciência e tecnologia, que deverá ser central para o Brasil responder ao desafio de melhorar sua produtividade e a qualidade de vida das pessoas”, afirmou.

A solenidade contou ainda com a assinatura de um decreto referente à política de incentivo à inovação industrial. A ação institui a obrigatoriedade de investimentos mínimos em projetos e atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação por parte do contribuinte do ICMS beneficiário dos programas de incentivo fiscal Prodepe, Prodinpe e Prodeauto.

Outra medida foi o Projeto de Lei para aumento do número de vagas de professores para à Universidade de Pernambuco (UPE). “Com essas ações, vamos conseguir apressar o passo na UPE. Já a lei de incentivo à inovação é inovadora, estimulando no investimento das empresas em inovação”, explicou o secretário de Ciência e Tecnologia, Marcelino Granja. “Só vamos sentir exatamente o que estamos fazendo daqui a uns 25 anos. Espero que essa decisão de hoje possa encantar muitos jovens a abraçar a ciência, a seguir em frente em suas carreiras acadêmicas”, destacou o governador.

com informações da Assessoria.

Imagem

PRÊMIO NACIONAL DE INOVAÇÃO PNI


PRÊMIO NACIONAL DE INOVAÇÃO PNI

O Prêmio Nacional de Inovação é uma iniciativa da Mobilização Empresarial da Inovação (MEI) e será realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), com o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), do Movimento Brasil Competitivo (MBC) e do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

O Prêmio tem o objetivo de reconhecer as empresas brasileiras que contribuíram para o aumento da competitividade do país por meio da utilização de sistemas e técnicas voltados para o aprimoramento da gestão da inovação, bem como por meio da implementação de projetos inovadores.

O site para informações e inscrições até 31 de Outubro pelo site: http://www.premiodeinovacao.com.br/